SiSTSP – Visco (Viscum album)

NOME CIENTIFICO: Viscum album
NOME(S) POPULAR(ES): Visco, Gárico, Azevinho, Pica-folhas, Visqueiro, Iscador
FAMILIA (Cronquist): Viscaceae
FAMILIA (APG): Santalaceae
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
O visco é uma planta com uma longa tradição que vem desde os antigos druidas, uma vez que para eles era sagrado; um bem para todo o mal físico ou mágico.

Entre outras propriedades, atribuía-se o poder para proteger e curar de forma mágica, além de suas virtudes para combater a arteriosclerose e pressão arterial.

Era considerado um símbolo de paz e um poderoso amuleto de proteção, além de um símbolo de masculinidade, ao contrário do azevinho, que era o símbolo da feminilidade.

De acordo com uma velha superstição, colocava-se sobre o berço do bebê para evitar que as fadas o roubasse e substituísse por outro.

Há lendas que dizem que os seus poderes mágicos vêm do fato de ter sido criado com um elemento que não era do céu nem da terra, já que as suas raízes nunca tocam a terra, apesar de não se manter por si só no ar.

Daí o costume de o colher sem permitir que caia ao chão e de pendurá-lo no teto.[2]
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
ficha disponivel online em:
http://www.tudosobreplantas.com.br/asp/plantas/ficha.asp?id_planta=22204
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
| SiSTSP – Banco de Plantas Notaveis – Projeto Tudo Sobre Plantas
| registro atualizado em: 13/12/2014 17:15:03, por Anderson Porto.
=-=-

Dossiê ABRASCO – Um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde

Seleção_006

“Este dossiê é um alerta da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrascp) à sociedade e ao Estado brasileiro. Registra e difunde a preocupação de pesquisadores, professores e profissionais com a escalada ascendente de uso de agrotóxicos no país e a contaminação do ambiente e das pessoas dela resultante, com severos impactos sobre a saúde pública e a segurança alimentar e nutricional da população”

Para baixar [ CLIQUE AQUI ].

Cristovam Buarque entrega relatório sobre a SUG-8

cannabis

Nesta terça-feira dia 18 de novembro o Senador Cristovam Buarque entregou à presidente da Comissão de Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), senadora Ana Rita (PT-ES), o relatório da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa sobre a Sugetão 8/2014, que propõe a Regulamentação da Maconha para fins Medicinais, Recreativos e Industriais.

O documento de 165 páginas pode ser acessado [ no site do Senado ], boa parte trata-se de uma pesquisa de 130 páginas sobre os usos da maconha, os potenciais impactos positivos e negativos de sua regulação e as políticas e experiências internacionais sobre drogas. Além das considerações do Senador o relatório também inclui um projeto de lei que regulamenta o uso medicinal da canábis e os processos aplicados desde a sua produção até a entrega ao uso.

Em entrevista para a Agência Senado, Cristovam reconheceu que há muitos grupos de pressão preocupados em influenciar uma decisão sobre a regulamentação da maconha. Além do lobby de religiosos, contra a liberação, donos de clínicas temeriam que as famílias parem de levar os usuários para tratamento. Do outro lado, o senador diz que há lobby de laboratórios, que têm interesse em produzir novos medicamentos para obter lucro.

Mesmo ainda em dúvida acerca a regulamentação do uso recreativo, Cristovam é enfátivo quanto ao uso medicinal – O uso medicinal sob a forma de remédio tem que ser regulamentado imediatamente. Não se justifica deixar centenas, milhares de pessoas sofrendo, sabendo que há um remédio disponível e que as pessoas não têm acesso porque tem uma proibição – disse o senador em entrevista à Agência Senado.

Se a comissão aprovar o relatório de Cristovam, uma subcomissão deve ser criada para analisar as proposições que julgar importantes sobre o tema. O senador deixou claro que, apesar de defender mais debates, é contra o arquivamento da sugestão.

- Eu digo: não se arquive a sugestão. Porque, se eu dissesse arquive-se, acabaria tudo. E nem se aceite plenamente ainda. Que se discuta mais o assunto – concluiu.

Fonte: [ Sem Semente ]

PARECER da COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA sobre a Sugestão 8/2014, que propõe a Regulamentação da Maconha para fins Medicinais, Recreativos e Industriais:

http://legis.senado.leg.br/mateweb/arquivos/mate-pdf/156942.pdf

SiSTSP – Sapucaia (Lecythis pisonis)

NOME CIENTIFICO: Lecythis pisonis
NOME(S) POPULAR(ES): Sapucaia, Castanha-sapucaia, Cabeça-de-macaco, Caçamba-do-mato, Castanha-de-sapucaia, Cumbuca-de-macaco, Fruta-sapucaia, Jacapucaia, Marmita-de-macaco, Sapucaia-vermelha
FAMILIA (Cronquist): Lecythidaceae
FAMILIA (APG): Lecythidaceae
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
Árvore de médio a grande porte, nativa do Brasil, que atrai a atenção pela magnitude de seu porte e pela bela coloração que sua copa adquire na primavera, que é a soma da coloração da brotação nova, junto com a floração de cor arroxeada.

Apresenta um fruto grande que abriga muitas sementes (castanhas) oleaginosas e comestíveis.

Fato curioso acontece ligado a sapucaia, provém do comportamentos de macacos jovens, que, por apreciarem suas sementes, enfiam a mão dentro do fruto, enchem-na com estas e depois não conseguem retirá-la.

Daí o provérbio “macaco velho não mete a mão em cumbuca”.[2]

As castanhas de Sapucaia substituem com vantagens a castanha-do-pará, ao natural ou em receitas culinárias.

Os pixídios podem ser colhidos e utilizados para fazer artesanatos.[4]
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
ficha disponivel online em:
http://www.tudosobreplantas.com.br/asp/plantas/ficha.asp?id_planta=22399
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
| SiSTSP – Banco de Plantas Notaveis – Projeto Tudo Sobre Plantas
| registro atualizado em: 26/10/2014 15:12:30, por Anderson Porto.
=-=-

SiSTSP – Jurubeba (Solanum paniculatum)

NOME CIENTIFICO: Solanum paniculatum
NOME(S) POPULAR(ES): Jurubeba, Jubeba, Juribebe, Juribeba, Jupeba, Jurubeba verdadeira, Jurupeba-altera, Jurubebinha, Juripeba, Urupeba, Gerobeba, Joá-manso
FAMILIA (Cronquist): Solanaceae
FAMILIA (APG): Solanaceae
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
Planta medicinal de sabor amargo, comum em quase todo o Brasil.

A infusão do seu caule e da sua raiz em álcool de cana (cachaça) é popularmente utilizada como aperitivo e como digestivo, como a conhecida Jurubeba Leão do Norte.[2]

Existem dois tipos de jurubeba: macho e fêmea.

Os usos indígenas de jurubeba são muito mal documentados, mas seu uso em medicamentos brasileiros foi bem descrito.

Jurubeba é listado como uma droga oficial na Pharmacopea Brasileira como um produto específico para anemia e para desordens de fígado e digestivas.

Em 1965, Dr. G. L. Cruz escreveu que “as raízes, folhas e frutas são usadas como um tônico e descongestionante.

Estimula as funções digestivas e reduz a inchação do fígado e baço. É um remédio para hepatites crônicas, febre de intermites, tumores uterinos e hidropisia”.[3]
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
ficha disponivel online em:
http://www.tudosobreplantas.com.br/asp/plantas/ficha.asp?id_planta=106
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
| SiSTSP – Banco de Plantas Notaveis – Projeto Tudo Sobre Plantas
| registro atualizado em: 26/10/2014 01:22:00, por Anderson Porto.
=-=-

Curso de HORTAS em Pequenos Espaços – Online

curso_horta_peq_esp_5_novembro

Introdução ao cultivo de hortas orgânicas em pequenos espaços. Cultive temperos, plantas aromáticas e seu próprio alimento usando espaços cimentados, paredes, varanda do apartamento ou mesmo pequenos pedaços de terra no quintal.

O curso terá início dia 5 de NOVEMBRO de 2014, 3 dias seguidos, acontecendo de QUARTA À SEXTA-FEIRA, na parte da tarde. Previsão inicial de 3 aulas de até 2 horas cada, de 15h às 17h, podendo haver uma aula extra, caso necessário.

Curso COM DESCONTO para participantes de nosso grupo de estudos. Apenas 20 VAGAS.

Valor e inscrições até 03/11, via emai: tudosobreplantas@gmail.com

Vocês assistem as aulas no conforto de sua casa ou trabalho, via ambiente virtual de EAD (Educação à Distância), com apresentação de slides e áudio transmitido online em tempo real.

Serão apresentadas informações sobre compostagem, substratos, plantio e germinação de sementes, transplante, tratos culturais, adubação, irrigação e colheita.

Foi criado um grupo específico para o curso, para que os alunos possam trocar experiências e receber orientações durante e após o curso.

VALOR: R$ 48,00 (quarenta e oito reais).

Pagamento via boleto bancário ou depósito em conta.

TODOS aqueles que já contribuíram com doações para o projeto estão automaticamente convidados para o curso e não pagam NADA! Basta entrar em contato por email, informando a vontade de participar.

+ infos: tudosobreplantas@gmail.com

Bom curso a todos!

SiSTSP – Guapuruvu (Schizolobium parahyba)

NOME CIENTIFICO: Schizolobium parahyba
NOME(S) POPULAR(ES): Guapuruvu, Ficheira, Pataqueira, Baageiro, Bacumbú, Bacuparu, Bacuru, Bacurubu, Bacuruva, Espanador-do-céu, Fava-divina, Bageiro, Bandarra, Beri, Birosca, Bocurubu, Breu, Bucuruva, Faveira, Faveiro, Ficha, Ficheiro, Gabiruvu, Garapuava, Garapuvu, Guaburuvu, Guaperubu, Guaperuvu, Guapiruvu, Guapivuçu, Guaporuva, Guapububu, Guapurubu, Guapururru, Guarapuvu, Igarapobu, Paricá, Pau-vintém, Pau-de-canoa, Pau-de-tambor, Pau-de-vintém, Pinho, Pinho-branco, Pino, Pirosca
FAMILIA (Cronquist): Fabaceae
FAMILIA (APG): Fabaceae
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
O guapuruvu (Schizolobium parahyba) é uma árvore da família das fabáceas, notável pela sua velocidade de crescimento que pode atingir 3 metros por ano.

Foi inicialmente descrita por J. M. C. Vellozo em 1825 sob o nome de Cassia parahyba.

Guapuruvu é o simbolo da vale do Paraiba.[3]

A árvore atinge rapidamente boa altura, porém tem galhos frágeis que se quebram facilmente em ventanias. Em geral a árvore adulta morre após algumas dezenas de anos (40 a 50 anos).[2]

Quando em condições ambientais e de cultivo adequada, o guapuruvu é uma das espécies de mais rápido crescimento nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, impressionando pelo crescimento inicial e pela forma das plantas.[4]
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
ficha disponivel online em:
http://www.tudosobreplantas.com.br/asp/plantas/ficha.asp?id_planta=24896
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
| SiSTSP – Banco de Plantas Notaveis – Projeto Tudo Sobre Plantas
| registro atualizado em: 13/10/2014 14:59:40, por Anderson Porto.
=-=-

SiSTSP – Hosta-africana (Drimiopsis maculata)

NOME CIENTIFICO: Drimiopsis maculata
NOME(S) POPULAR(ES): Hosta-africana
FAMILIA (Cronquist): Asparagaceae
FAMILIA (APG): Asparagaceae
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
Da mesma família dos Jacintos, a hosta africana é uma folhagem de origem sul-africana bem difundida no Brasil como planta de interior.

Trata-se de uma espécie altamente resistente a situações extremas de sombra e seca, cujo principal atrativo são folhas vistosas, de um verde escuro marcante.

As flores são de uma importância ornamental secundária, sendo desprezada por alguns admiradores desta espécie.[2]

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
ficha disponivel online em:
http://www.tudosobreplantas.com.br/asp/plantas/ficha.asp?id_planta=16688
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
| SiSTSP – Banco de Plantas Notaveis – Projeto Tudo Sobre Plantas
| registro atualizado em: 10/10/2014 21:50:57, por Anderson Porto.
=-=-

SiSTSP – Maria-preta (Solanum americanum)

NOME CIENTIFICO: Solanum americanum
NOME(S) POPULAR(ES): Maria-preta, Maria-pretinha, Aguarágua, Aguaraquiá, Aguaraquiá-açú, Araxixu, Caaxixá, Carachichu, Caraxiocu, Caraxixá, Caraxixu, Erva-de-bicho, Erva-mocó, Erva-moura, Guaraquim, Guaraquinha, Pimenta, Pimenta-de-cachorro, Pimenta-de-galinha, Pimenta-de-rato, Sué, Erva-de-Santa-Maria
FAMILIA (Cronquist): Solanaceae
FAMILIA (APG): Asparagaceae
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
A Solanum americanum, popularmente conhecida como maria-pretinha, é uma erva daninha pertencente à família das solanáceas nativa das Américas com ocorrência entre o sudoeste dos Estados Unidos da América e o sul do Peru e do Paraguai, sendo uma planta muito comum no Brasil.

Apesar de possuir bagas comestíveis, com valor medicinal, deve ser ingeridos com prudência, pois os seu frutos negros podem ser confundidos com os da beladona, planta de elevado grau de toxicidade.

A espécie encontra-se naturalizada em todas as regiões tropicais e subtropicais, sendo considerada por alguns autores como nativa do Hawaii ou pelo menos como uma introdução remota, provavelmente devida aos povos polinésios. É usada como planta medicinal nos Camarões, Quénia, Hawaii, Panamá, Serra Leoa e Tanzânia.[3]

Os frutos verdes são tóxicos, possuem um princípio ativo chamado alcalóide indólico.[4]

É considerada como planta daninha, infestando lavouras, pomares, cafezais, jardins e terrenos baldios.[4]
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
ficha disponivel online em:
http://www.tudosobreplantas.com.br/asp/plantas/ficha.asp?id_planta=21398
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
| SiSTSP – Banco de Plantas Notaveis – Projeto Tudo Sobre Plantas
| registro atualizado em: 10/10/2014 19:22:10, por Anderson Porto.
=-=-