Colonialismo e Agroenergia

Objetivo central do encontro do presidente Lula com George W. Bush foi melhorar a imagem do governo estadunidense na América Latina

02/04/2007

Maria Luisa Mendonça e Marluce Melo *

“Poderíamos construir projetos para países pobres não verem nos países ricos apenas países exploradores”. Essa proposta feita pelo presidente Lula durante a visita de Bush ao Brasil, no dia 9 de março, sintetiza o principal objetivo do encontro — melhorar a imagem do governo estadunidense na América Latina.

Para isso, agenda oficial da viagem de Bush ao Brasil utilizou a agroenergia como tema central. “Todos nós nos sentimos na obrigação de sermos bons cuidadores do meio ambiente”, afirmou Bush em seu discurso oficial. E Lula acrescentou “Queremos ver as biomassas gerarem desenvolvimento sustentável na América do Sul, na América Central, no Caribe e na África”. O Brasil e os estados Unidos são responsáveis por 70% da produção de etanol no mercado mundial.

Sob o pretexto de contribuir para o “bem da Humanidade” (frase utilizada por Lula em seu discurso), o encontro representou, na verdade, uma estratégia de marketing para Bush, para transnacionais que pretendem lucrar com agroenergia e para os usineiros no Brasil, acusados historicamente de violar direitos trabalhistas e destruir o meio ambiente. Dias depois, Lula afirmou que os usineiros são “heróis nacionais e mundiais”.

O principal resultado do encontro entre os dois presidentes foi a assinatura de um memorando de intenções para estimular a produção de etanol em diversos países. Segundo o subsecretário de Assuntos Políticos do Departamento de Estado dos EUA, Nicholas Burns, essa parceria pode significar uma “revolução mundial”.

Apesar do esforço dos dois governos para tornar o encontro bem sucedido, a medida considerada mais importante por Lula e pelos usineiros durante a visita de Bush, que era a suspensão da sobretaxa de importação do etanol brasileiro nos Estados Unidos, não foi atendida. A idéia é levar o tema para o âmbito da OMC (Organização Mundial do Comércio). Nesse sentido, Lula propôs que Brasil e Estados Unidos chegassem a um acordo para retomar as negociações da Rodada de Doha na OMC. Há especulações de que o Brasil estaria negociando um acordo a qualquer preço, inclusive para influenciar outros países a fazerem o mesmo.

Para Bush, os objetivos são claros: melhorar sua imagem junto à opinião pública internacional, já que os Estados Unidos são responsáveis por 25% da poluição atmosférica do mundo e, principalmente, contrapor a influência de países latinoamericanos onde existe forte sentimento antiimperialista, como Cuba, Venezuela, Bolívia e Equador.

Porém, além de enfrentar protestos e ter que montar esquemas de segurança jamais vistos na história (na cidade de São Paulo foram interditados 35 km durante a visita), a viagem de Bush à América Latina foi ofuscada pela gira simultânea de Hugo Chávez na região. Por onde passou, o presidente Chavez foi recebido com grandes comícios e manifestações de apoio. Na Argentina, falando para um público de cerca de 40 mil pessoas, afirmou que “é loucura utilizar as boas terras e as águas doces que nos restam para alimentar os veículos do Norte”.

O governo dos Estados Unidos oferece incentivos fiscais para que suas indústrias aumentem o percentual de óleo vegetal no diesel comum. Porém, seria necessário utilizar 121% de toda a área agrícola dos EUA para substituir a demanda atual de combustíveis fósseis naquele país.

Neste contexto, o papel do Brasil seria fornecer energia barata para países ricos, o que representa uma nova fase da colonização. As atuais políticas para o setor são sustentadas nos mesmos elementos que marcaram a colonização brasileira: apropriação de território, de bens naturais e de trabalho, o que representa maior concentração de terra, água, renda e poder.

O falso conceito de energia “limpa e renovável”

É preciso desmistificar a propaganda sobre os supostos benefícios dos agrocombustíveis. O conceito de energia “limpa” e “renovável” deve ser discutido a partir de uma visão mais ampla que considere os efeitos negativos destas fontes. No caso do etanol o cultivo e o processamento da cana poluem o solo e as fontes de água potável, pois utilizam grande quantidade de produtos químicos. Cada litro de etanol produzido consome cerca de12 litros de água, o que representa um risco de maior escassez de fontes naturais e aqüíferos.

A queimada da cana serve para facilitar a colheita, porém essa prática destrói grade parte dos microorganismos do solo, polui o ar e causa doenças respiratórias. O processamento da cana nas usinas também polui o ar através da queima do bagaço, que produz fuligem e fumaça. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais tem decretado estado de alerta na região dos canaviais em São Paulo (maior produtor de cana do país) porque as queimadas levaram a umidade relativa do ar a atingir níveis extremamente baixos, entre 13% e 15%.

No caso da soja, as estimativas mais otimistas indicam que o saldo de energia renovável produzido para cada unidade de energia fóssil gasto no cultivo é de 0,4 unidades. Isso se deve ao alto consumo de petróleo utilizado em fertilizantes e em máquinas agrícolas. Além disso, a expansão da soja tem causado enorme devastação das florestas e do cerrado no Brasil.

Mesmo assim, a soja tem sido apresentada pelo governo brasileiro como principal cultivo para agrodiesel, pelo fato do Brasil ser um dos maiores produtores do mundo. “A cultura da soja desponta como a jóia da coroa do agronegócio brasileiro. A soja pode ser considerada a cunha que permitirá a abertura de mercados de biocombustíveis”, afirmam pesquisadores da Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária.

O governo estima que mais de 90 milhões de hectares de terras brasileiras poderiam ser utilizadas para produzir agrocombustíveis. Somente na Amazônia, a proposta é cultivar 70 milhões de hectares com dendê (óleo de palma). Este produto é conhecido como “diesel do desmatamento”. Sua produção já causou a devastação de grandes extensões de florestas na Colômbia, Equador e Indonésia. Na Malásia, maior produtor mundial de óleo de palma, 87% das florestas foram devastadas.

Além da destruição de terras agrícolas e de florestas, há outros efeitos poluidores neste processo, como a construção de infraestrutura de transporte e armazenamento, que demandam grande quantidade de energia. Seria necessário também aumentar o uso de máquinas agrícolas, de insumos (fertilizantes e agrotóxicos) e de irrigação para garantir o aumento da produção.

No Brasil, a expansão de monoculturas para a produção de agrocombustíveis deve ampliar a grilagem de grandes áreas de terras públicas pelas empresas produtoras de soja, além de “legalizar” as grilagens já existentes. O ciclo da grilagem no Brasil costuma começar com o desmatamento, utilizando-se de trabalho escravo, depois vem a pecuária e a produção de soja. Atualmente, com a expansão da produção de etanol, este ciclo se completa com a monocultura da cana. Estas terras poderiam ser utilizadas na reforma agrária, para a produção de alimentos e para atender a demanda histórica de cerca de cinco milhões de famílias sem terra.

Em muitas regiões do país, o aumento da produção de etanol tem causado a expulsão de camponeses de suas terras e gerado dependência da chamada “economia da cana”, onde existem somente empregos precários nos canaviais. O monopólio da terra pelos usineiros gera desemprego em outros setores econômicos, estimulando a migração e a submissão de trabalhadores a condições degradantes.

Apesar da propaganda de “eficiência”, a indústria de agroenergia está baseada na exploração de mão-de-obra barata e até mesmo escrava. Os trabalhadores são remunerados por quantidade de cana cortada e não por horas trabalhadas. No estado de São Paulo, maior produtor do país, a meta de cada trabalhador é cortar entre 10 e 15 toneladas de cana por dia. Entre 2005 e 2006 foram registradas 17 mortes de trabalhadores por exaustão no corte da cana. Esse padrão de exploração está presente na indústria da cana em toda a América Latina e agora deve se expandir sob o falso argumento de que representa uma fonte de energia “renovável”.

Durante a chamada “crise do petróleo”, na década de 70, o Brasil passou a desenvolver tecnologia para a produção de etanol. Naquele período, o projeto denominado Pró-Álcool” foi combatido por empresas petroleiras, inclusive pela Petrobrás. Atualmente a situação se inverteu, pois empresas petroleiras vêem com grande interesse a possibilidade de lucrar com a distribuição de agrocombustíveis. Há ainda a participação de empresas automotoras no setor, que já prevêem o aumento das vendas de veículos “flex”, movidos tanto a gasolina como etanol.

A expansão da produção de agroenergia é também de grande interesse para empresas de organismos geneticamente modificados como Monsanto, Syngenta, Dupont, Dow, Basf e Bayer, que esperam obter maior aceitação do público se difundirem os produtos transgênicos como fontes de energia “limpa”. No Brasil, a empresa Votorantin tem desenvolvido tecnologia para a produção de cana transgênica para a produção de etanol. Muitas dessas empresas passaram a desenvolver tipos de culturas não comestíveis, somente para a produção de agroenergia. Como não há meios de evitar a contaminação dos transgênicos em lavouras nativas, essa prática coloca em risco a produção de alimentos.

A expansão da produção de agrocombustíveis coloca em risco a soberania alimentar e pode agravar o problema da fome no mundo. No México, por exemplo, o aumento das exportações de milho para abastecer o mercado de etanol nos Estados Unidos causou um aumento de 400% no preço do produto, que é a principal fonte de alimento da população.

Experiências de produção de matéria prima para agroenergia por pequenos agricultores demonstraram o risco de dependência a grandes empresas agrícolas, que controlam os preços, o processamento e a distribuição da produção. Os camponeses são utilizados para dar legitimidade ao agronegócio, através da distribuição de certificados de “combustível social”.

Este modelo causa impactos negativos em comunidades camponesas, ribeirinhas, indígenas e quilombolas, que têm seus territórios ameaçados pela constante expansão do capital. Além disso, a falta de uma política de apoio à produção de alimentos pode levar camponeses a substituir seus cultivos por agrocombustíveis e, com isso, comprometer a soberania alimentar. No Brasil, os pequenos e médios agricultores são responsáveis por 70% da produção de alimentos para o mercado interno.

Historicamente, a rebeldia camponesa contra o avanço do capital no meio rural tem garantido a alimentação de nossos povos. Grandes multinacionais disputam o controle de recursos naturais como terra, água e biodiversidade, o que coloca em risco a identidade camponesa e até mesmo a sobrevivência de nossas sociedades. Portanto, o que está em jogo é o enfrentamento a um modelo colonial, com todas as características próprias da colonização—predatória, destrutiva, exploradora, violenta.

Esta é a verdadeira face da indústria da agroenergia, controlada pelas mesmas empresas petroleiras, automotivas e agrícolas que destroem as florestas e poluem o meio ambiente. Sob o pretexto de criar a nova “civilização da fotossíntese” ou dos supostos benefícios de uma nova matriz baseada na agroenergia, grandes transnacionais e elites locais procuram expandir seu monopólio em nossos territórios.

– Maria Luisa Mendonça é membro da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos.

– Marluce Melo é membro da Comissão Pastoral da Terra (CPT).

Fonte: Brasil de Fato

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Transgênicos

3 Respostas para “Colonialismo e Agroenergia

  1. Missao Tanizaki

    Transgênicos & Patentes

    Prezado Cidadão Brasileiro,

    A Equipe BR do AGUAPÉ não é contra a Biotecnologia & Transgênicos e muito menos contra as PATENTES, mas totalmente contra os ABUSOS das Multinacionais & Postura NÃO–ÉTICA de Muitos Servidores Públicos que sabem quem produz as POLUIÇÕES que estão atingindo o Meio Ambiente, em especial nos Lagos / Rios / Mares / Oceanos / Lençóis Freáticos, colocando em RISCO toda BIODIVERSIDADE do Planeta TERRA, onde se inclui a Própria HUMANIDADE – as referidas Multinacionais & Muitos Servidores Públicos já tem conhecimento dos poucos Recursos Naturais que tem a Capacidade de DESPOLUIR ou seja realizar o INVERSO, mas até HOJE nada fizeram à seu Próprio FAVOR, apoiando nossa Luta NOBRE da Produção & Industrialização do AGUAPÉ.

    O AGUAPÉ é o mais Importante DESPOLUIDOR das ÁGUAS, mas ainda não conseguimos, até a presente data, sensibilizar as Autoridades & Classe Empresarial, como, também, da nossa Classe Política – não se Interessaram por esse FANTÁSTICO Recurso Natural, mas sabem PORQUE ? ? ? ? ?

    A RESPOSTA é SIMPLES: Através de uma Boa Reflexão pode–se chegar a CONCLUSÃO que os Seres Humanos não são Inteligentes como se pregam – os Seres Humanos conseguem raciocinar, mas não conseguem se LIBERTAR das Diversas Formas de ESCRAVIDÃO e a Grandíssima Maioria continuam sendo as “Marias que vão com as OUTRAS” e VÍTIMAS do MODISMO que invadem os nossos LARES, através da MÍDIA mantida pelos VAMPIROS do Comércio & Negócio NÃO–ÉTICO.

    CUIDADO: O AGUAPÉ, na maioria das situações, pode estar contaminado por Microorganismos Patogênicos ou Produtos Tóxicos que pode atingir / contaminar as Pessoas Inexperientes e ser FATAL, portanto recomenda–se a utilização de Sistema de Proteção apropriado – Mais Perigosos são os Seres Humanos NÃO–ÉTICOS.

    NOTA 01: a Equipe BR do AGUAPÉ recomenda ampla utilização do AGUAPÉ à todos que acreditam na Química VERDE, certo que a Produção do AGUAPÉ se tornará na MINA VERDE SUSTENTÁVEL que a HUMANIDADE necessita para o seu Desenvolvimento SOCIAL & Econômico, de FATO, SUSTENTÁVEL.

    NOTA 02: o RELATO da sua Experiência de Vida pode VALER muito mais que RESULTADOS de PESQUISAS NÃO-ÉTICOS, Novas LEIS, entre outros recursos, estabelecidos e aprovados por Deputados / Senadores pouco PREPARADOS para estabelecer as Verdadeiras Soluções para essa e outras QUESTÕES.

    NOTA 03: é de sua RESPONSABILIDADE a utilização CORRETA / ÉTICA das INFORMÇÕES repassadas pela Equipe BR do AGUAPÉ.

    NOTA 04: “Quando Sonhamos SOZINHOS é só um SONHO, mas quando Sonhamos JUNTOS é o início de uma Nova Realidade” (D. Helder Câmara) – apresente as suas MANIFESTAÇÕES (Críticas, Sugestões, ETC.), utilizando o Endereço Eletrônico: missao.tanizaki@gmail.com, certo que muitos na Sociedade Brasileira, inclusive a Equipe BR do AGUAPÉ, te agradeçerão.

    NOTA 05: torne-se DIFERENTE no seu Dia a Dia, certo que no FUTURO, não distante, conseguirá FANTÁSTICOS RESULTADOS que poucos conseguem – na medida do possível inicie o seu DIA, arregaçando as mangas & mãos as obras no cumprimento das suas Obrigações / Deveres, certo que vai Pré-Aquecer a sua MENTE para realizar, com SABEDORIA os TRABALHOS do DIA a DIA, entre OUTROS.

    NOTA 06: a Equipe BR do AGUAPÉ já tomou as iniciativas para a criação da OSCIPE – Equipe BR do AGUAPÉ, visando abrir OFICIALMENTE as PORTAS para toda Sociedade Brasileira, principalmente para os PESQUISADORES, AUTORIDADES e os POLITICOS que se apresentarem Interessados pelo AGUAPÉ.

    Um Abraço Fraterno aos Interessados pelo AGUAPÉ,

    MISSAO TANIZAKI
    Servidor Público Federal
    Bacharel em Química
    missao.tanizaki@gmail.com (Usual)
    missaotanizaki@yahoo.com.br (Alternativo)
    OSCIPE – Equipe BR do AGUAPÉ
    TUDO POR UM BRASIL & MUNDO MELHOR

    Equipe BR do AGUAPÉ:
    1. Adriane Alves / Prof.POA
    2. Amadeu Elizeu Ribeiro Neto / MAPA
    3. Antônio Ugattis / SP”
    4. Ayrton Jun Ussami / MAPA
    5. Bernardo Sayão / MAPA
    6. Celso Cordeiro Silva / MAPA
    7. FENDEL
    8. Kleber Souza dos Santos / Orgânicos / MAPA
    9. Lázaro Cabral da Costa
    10. Marcus Fonseca
    11. Miguel Nicolau
    12. Missao Tanizaki
    13. Motezuma
    14. MT JR
    15. Murilo Carlos Muniz Veras
    16. RENNER
    17. Rodrigo Batista de Paula
    18. Rogério Lellis
    19. Sylmar / CATI

    Curtir

  2. Missao Tanizaki

    Biotecnologia–ÉTICA de Interesse da HUMANIDADE & A G U A P É

    Prezados Cidadãos Brasileiros & Interessados pelo AGUAPÉ,

    A Equipe BR do AGUAPÉ por meio deste ALERTA informa as Autoridades Mundiais que as “MENTIRAS que se tornam VERDADES” precisam ser COMBATIDAS, com ÉTICA, como o Maior INIMIGO da HUMANIDADE.

    Na QUESTÃO das Mudanças Climáticas que preocupam Muitas Autoridades Mundiais, o PETRÓLEO & Seus MALEFÍCIOS chegam a ser IRRISÓRIOS se for comparado ao que o CARVÃO MINERAL pode causar ao Planeta TERRA & BIODIVERSIDADE, onde inclui–se a própria HUMANIDADE – Essa QUESTÃO vem sendo conduzida / tratada de forma EQUIVOCADA porque as Autoridades Mundiais não tem percebido como as “MENTIRAS que se tornam VERDADES” ou porque muitos são INDIVÍDUOS NÃO–ÉTICOS.

    Tudo que vem sem realizado para Combater as Mudanças Climáticas é INSUFICIENTE para evitar a PIOR de todas as CATÁSTROFES, essa afirmação tem por base ao FATO que segue.

    As RESERVAS do PETRÓLEO devem se esgotar em 40 a 60 anos e o CARVÃO MINERAL levará entre 150 a 200 anos – facilmente percebemos que a HUMANIDADE ainda NÃO ENXERGOU o Seu MAIOR INIMIGO & PERIGO.

    Biotecnologia–ÉTICA de Interesse da HUMANIDADE & AGUAPÉ: a nossa PROPOSTA é a de desenvolver o AGUAPÉ TRANSGÊNICO que poderá / deverá ser utilizadas nas Fazendas Marinhas, para a Produção & Industrialização do AGUAPÉ, em MEGA ESCALA, visando a Substituição TOTAL do PETRÓLEO & CARVÃO MINERAL, certo que conseguiremos efetivar a mais AMPLA DESPOLUIÇÃO das suas ÁGUAS.

    OBSERVAÇÃO: recomendamos a VOCÊ contribuir para uma Ampla DIVULGAÇÃO quanto ao exposto, se acredita em Biotecnologia–ÉTICA & Química VERDE.

    NOTA: “Quando Sonhamos SOZINHOS é só um SONHO, mas quando Sonhamos JUNTOS é o início de uma Nova Realidade” (D. Helder Câmara) – apresente as suas MANIFESTAÇÕES (Críticas, Sugestões, ETC.), utilizando o Endereço Eletrônico: missao.tanizaki@gmail.com, certo que muitos na Sociedade Brasileira, inclusive a Equipe BR do A G U A P É, te agradeçerão.

    LEMBRETE: um dia nos APOSENTAMOS dos Trabalhos que garantem o Pão Nosso de Cada Dia, mas muitos Trabalhos Nobres estão aguardando por nossa AJUDA – Desenvolver os referidos Trabalhos Nobres faz parte dos Nossos DEVERES / OBRIGAÇÕES NOBRES e são BÁSICOS para nos manter FELIZ no Dia a Dia ! ! ! ! ! !

    Um Abraço Fraterno aos Interessados pelo A G U A P É,

    MISSAO TANIZAKI
    Servidor Público Federal
    Bacharel em Química
    missao.tanizaki@gmail.com (Usual)
    missaotanizaki@yahoo.com.br (Alternativo)
    OSCIPE (*) – Equipe BR do A G U A P É
    TUDO POR UM BRASIL & MUNDO MELHOR

    (*) REF.: Definições do SEBRAE

    Curtir

  3. Missao Tanizaki

    AGUAPÉ: SONHO / REALIDADE na ÁFRICA ! ! ! ! !

    Prezados Cidadãos Brasileiros,

    PARTE I

    O Povo AFRICANO já encontrou o CAMINHO da SUSTENTABILIDADE iniciando a utilização do AGUAPÉ que, ainda Prolifera no Lago VITÓRIA e isso pode ser verificado em Matérias divulgadas na Internet – através de uma Busca com a Palavra Chave: “Lago Vitória””Crassipes” poderá encontrar Muitas Matérias, onde alguns consideram o AGUAPÉ como uma PRAGA, mas outros acreditam ser a Grande SOLUÇÃO para MUITOS – a Equipe BR do AGUAPÉ há muito tempo vem acreditando se tratar de Uma Grande SOLUÇÃO para MUITOS, certo que poderá substituir toda Produção Mundial do PETRÓLEO POLUIDOR rumo a Um MUNDO SUSTENTÁVEL, de FATO.

    Nota: na atualidade a Proliferação é EXCESSIVA, causadora dos Baixos Níveis de Oxigenação das ÁGUAS causando Mortandade à Várias Espécies Aquáticas – Além da Correta Distribuição é necessários que as Planta Aquáticas não ultrapassem o limite de 20 % da Área Superficial das Lâminas D’Água.

    PARTE II

    Quem atua na Produção Agropecuária CONVENCIONAL / TÓXICA, certamente verão Filhos & Netos se tornarem VÍTIMAS SÉRIAS dos Seus Próprios ERROS – Recomendo uma Profunda REFLEXÃO ! ! ! ! ! !

    Na Agropecuária CONVENCIONAL / TÓXICA se faz uso / abuso do consumo excessivo da ÁGUA & SOL e Produtos TÓXICOS, mas na Agropecuária ORGÂNICA, de FATO, SUSTENTÁVEL todos os RECURSOS são utilizados de forma mais CORRETA, em todos os sentidos.

    Qualquer Produtor Rural sabe o quanto os AGRO–TÓXICOS são RUINS para a SAÚDE dos Seres Humanos e para a NATUREZA – A MAIORIA não sabe que POLUINDO as ÁGUAS está colocando VENENO em Seu Próprio Prato, pois ele retorna pelas ÁGUAS (Recomenda– se uma Atenção Especial aos Metais PESADOS).

    PARTE III

    Uma BOA PARTE dos VEGETAIS não suportam muito a Irradiação SOLAR DIRETA e também podem requer muita ÁGUA para Desenvolver–se Bem – o exposto levou a Equipe BR do AGUAPÉ a uma Boa Reflexão fazendo mais uma vez questionar a SUSTENTABILIDADE das Grandes MONOCULTURAS.

    As Grandes MONOCULTURA está Muito Mais sujeita a Infestação de DOENÇAS & “PRAGAS”, requerendo Muita Utilização de Produtos TÓXICOS e com isso tem produzido Muito DES–CRÉDITO perante os CONSUMIDORES – a ALTERNATIVA adotada pelos Produtores Rurais na atualidade é BURRA, pois geram PROBLEMAS aos Seres Humanos e as “PRAGAS” (Parte da Biodiversidade), levando a NATUREZA SÁBIA estabelecer as SOLUÇÕES de que necessitamos, como, também, as PUNIÇÕES /JUSTIÇAS MERECIDAS aos NÃO–ÉTICOS no seu devido tempo.

    Preservando o Meio ambiente & Biodiversidade e Adotando Práticas SUSTENTÁVEIS, no mínimo, estará garantindo uma RENDA EXTRA, pois deixará de utilizar AGRO–TÓXICOS, ao menos o EXCESSO – O exposto é VÁLIDO / RECOMENDADO, em ESPECIAL para a atual Agricultura FAMILIAR, mas é necessário que toda Sociedade Brasileira passem a Somar Esforços na CONCRETIZAÇÃO dessa IDÉIA da Equipe BR do AGUAPÉ, reduzindo–se o VENENO que colocam em Nossos PRATOS do DIA a DIA.

    Com a ADOÇÃO de Práticas SUSTENTÁVEIS o Produtor Rural da Agricultura Familiar pode até mesmo eliminar o uso dos AGRO–TÓXICOS e com isso alcançar mais facilmente a Sua SONHADA RENDA – A RENDA ATUAL é MALÉFICA para a HUMANIDADE e o Planeta TERRA, tendo levado os Pequenos & Grandes Produtores Rurais a Prosseguir na Contra–Mão da Sustentabilidade e com isso entram em ATOLEIRO que aumentam suas DESPESAS com a SAÚDE de toda Sua Família e da Sociedade Brasileira, COMPROMETENDO o Meio Ambiente & Biodiversidade.

    Nota: Estamos acreditando que em várias Culturas Multi–Consorciadas ou Pequenas Mono– Culturas o Produtor Rural poderá fazer uso de algumas Variedades de Gramíneas, como o Santo Agostinho, pois ela desenvolve bem em Ambiente Sombreado, servindo como ALIMENTO para as “PRAGAS”, Importante Parte da Biodiversidade, bem como PASTO no Períodos das SECAS, entre outros BENEFÍCIOS – isso pode levar o Produtor Rural até abandonar o uso dos AGRO–TÓXICOS.

    PARTE IV

    Provavelmente, ainda nesta década, através da utilização de Nano–Materiais (Sempre há os PRÓS & CONTRAS) os Produtores Rurais poderão serem contemplados com RECURSOS INOVADORES para Produção de Energia dos VENTOS – Essa IDÉIA está prevista nos Projetos da Equipe BR do AGUAPÉ.

    Uma Nova IDÉIA da Equipe BR do AGUAPÉ é do Desenvolvimento de um Veículo Aero–Espacial, Eletro–Magnético, Retrátil / Modular que deverá ser AUTO–SUSTENTÁVEL, capaz de se Movimentar na Atmosfera Rarefeita fazendo uso de um Motor que utiliza o Efeito do Campo Magnético do Nosso Planeta TERRA, sem necessidade de Consumo de Combustíveis ou Energias Usuais – Não se trata de um Moto–Contínuo, pois empregará a ENERGIA POTENCIAL que o Campo Magnético Terrestre nos Disponibiliza Gratuitamente. A IDÉIA da Equipe BR do AGUAPÉ não é UTOPIA, pois tudo que necessitamos já existe e o que só falta é tornar os Nano–Materiais acessíveis e com PREÇOS comercialmente viáveis, como Desenvolver Tecnologia para Construção / Montagem do Veículo Aero–Espacial.

    APOIO: A Equipe BR do AGUAPÉ tem a informar que Não Basta as Boas IDÉIAS – hoje, mais do que nunca, é FUNDAMENTAL a Soma de ESFORÇOS, certo que se isso não for possível aqui, certamente haverá Soma de ESFORÇOS em Outros PAÍSES.

    ALERTA

    A Equipe BR do AGUAPÉ recomenda o ALERTA as todas Sociedade Brasileira, em Especial as AUTORIDADES BRASILEIRAS & Grandes EMPRESAS /MULTINACIOANIS: é previsível que em BREVE deverá ocorrer Muitas QUEBRADEIRAS e que chegou a VEZ dos PEQUENOS–ÉTICOS voltarem as Suas ORIGENS (O CAMPO) para atuar, de FATO, com SUSTENTABILIDADE / DIGNIDADE, certo que poderão por FIM à Escravidão ECONÔMICA / Materialista a que vem enfrentando a HUMANIDADE desde que surgiram os Primeiros Povos.

    OBSERVAÇÃO: Os Cidadãos Brasileiros das Nossas Forças Armadas podem / devem assumir os Seus PAPÉIS nas Lutas NOBRES por um BRASIL & MUNDO, de FATO, SUSTENTÁVEL.

    NOTA: “Quando Sonhamos SOZINHOS é só um SONHO, mas quando Sonhamos JUNTOS é o início de uma Nova Realidade” (D. Helder Câmara) – apresente as suas MANIFESTAÇÕES (Críticas, Sugestões, ETC.).

    LEMBRETE: um dia nos APOSENTAMOS dos Trabalhos que garantem o Pão Nosso de Cada Dia, mas muitos Trabalhos Nobres estão aguardando por nossa AJUDA – Desenvolver os referidos Trabalhos Nobres faz parte dos Nossos DEVERES / OBRIGAÇÕES NOBRES e são BÁSICOS para nos manter FELIZ no Dia a Dia ! ! ! ! ! !

    Um Abraço Fraterno aos Interessados pelo AGUAPÉ,

    MISSAO TANIZAKI
    Servidor Público Federal
    Bacharel em Química
    missao.tanizaki@gmail.com (Problema / Não Solucionado)
    missaotanizaki@yahoo.com.br (Alternativo)
    OSCIPE (*) – Equipe BR do AGUAPÉ
    TUDO POR UM BRASIL & MUNDO MELHOR

    (*) REF.: Definições do SEBRAE

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.