Planta destinada à exportação previne úlceras

Duas espécies de plantas comumente destinadas à exportação são capazes de prevenir a formação de úlceras no trato gastrointestinal, problema que atinge cerca de 10% da população mundial. A pesquisadora Leônia Maria Batista, do Departamento de Fisiologia e Biofísica do Instituto de Biologia da Unicamp, estudou os efeitos da Syngonanthus bisulcatos e Syngonanthus arthrotrichus, duas das espécies popularmente conhecidas como sempre-vivas, em modelos animais que reproduzem as úlceras do homem. “Os experimentos mostraram excelente proteção da mucosa gástrica contra os agentes indutores de úlceras”, revela Batista.

[img:plantas1.jpg,full,vazio]
Espécie arthrotrichus, do gênero Syngonanthus que segundo Batista é rico em substâncias com atividade antioxidante
Crédito: Laboratório de Produtos Naturais da Unicamp

A úlcera pode ser causada pelo consumo de álcool e cigarros, pelo uso contínuo de antiinflamató rios, como piroxicem, diclofenaco de sódio ou de potássio, nimesulida, aceciofenaco e ibupofeno, e por alimentação inadequada. O desenvolvimento de úlceras no organismo pode estar associado ainda a um agente infeccioso, como a bactéria Helicobacter pylori, mas o indivíduo também pode ter predisposição genética ao problema.

A pesquisa representa uma estratégia para o isolamento de substâncias ativas que possam gerar medicamentos nacionais eficazes e seguros que atuem na prevenção ao desenvolvimento de úlceras, pois essas espécies são encontradas em território brasileiro. Apesar dessa possibilidade, a pesquisadora ainda não tem previsões sobre o possível desenvolvimento de medicamentos ou estímulos ao uso fitoterápico da planta.

O gênero Syngonanthus pertence à família Eriocaulacea, que compreende as espécies conhecidas como sempre-vivas, que ocorrem em países tropicais. No Brasil, as duas espécies avaliadas no estudo são encontradas na Chapada Diamantina, Bahia, e na Serra do Cipó, em Minas Gerais. Em geral, as sempre-vivas são utilizadas na confecção de arranjos e buquês. Estados Unidos, Japão, Canadá, Espanha e Itália estão entre os países compradores desse tipo de flor. A coleta das plantas para exportação garante o sustento de muitas famílias das regiões onde elas são encontradas, mas também coloca em risco de extinção várias espécies de sempre-vivas.

A pesquisa desenvolvida por Batista, sob orientação da professora Alba Regina Souza Brito, coordenadora do Laboratório de Produtos Naturais, resultou em tese de doutorado, defendida em dezembro, na Unicamp. Os resultados obtidos no estudo serão agora enviados para publicação em revistas internacionais.

Fonte: [ Revista ComCiência ]

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.