O poder cicatrizante da semente da jaca

A jaca é o centro das atenções dos pesquisadores do Departamento de Biologia Celular e Molecular da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto, interior paulista.

A espécie não é nativa mas se adaptou perfeitamente ao Brasil. Segundo a professora Maria Cristina Roque Barreira, a jaca é originária da Malásia e, na verdade, faz parte da biodiversidade brasileira porque ela está implantada principalmente na região de litoral.”.

Desde a década de 80, estudos mostram que dessas sementes podem surgir novos produtos.

Em 1984, a pesquisadora Maria Cristina Roque Barreira descobriu uma substancia, a jacalina ,feita da semente da jaca. Mas na época a legislação brasileira não permitia o registro de produtos a partir de vegetais. E a jacalina não foi patenteada. Mas ela é produzida e vendida por empresas de biotecnologia praticamente no mundo inteiro sem que o Brasil receba nada por isso.

A jacalina é um reagente bioquímico que identifica se a mãe tem ou não anticorpos no leite materno para repassar ao récem-nascido, o que garante a imunidade do bebê. Além da jacalina, a semente da jaca tem outros potenciais. Todos os anos segundo o Ministério da Saúde mais de 26 mil casos de queimados são registrados no Brasil, na maioria crianças. Mas esse número deve ser muito maior já que nem todos os casos são registrados.

A descoberta da substância KM+ na semente da jaca pode ajudar, e muito, a diminuir o sofrimento das vítimas de queimaduras. KM+ é uma proteina da classe das lectinas. A partir dela,foi desenvolvida uma pomada.

A pesquisadora Maria Cristina Roque Barreira afirma:” Verificamos que o efeito de KM+ em tecidos queimados, experimentalmente era um efeito muito precoce e que cerca de 12 horas depois de provocada a queimadura e de iniciado o tratamento com KM+ a pele já tinha um aspecto muito diferente daquela que não continha lectina. Como apenas meio por cento das proteínas da da semente de jaca correspondem a KM+, a solução para permitir produção da pomada em escala industrial foi obter a proteína em laboratório”.

Jeanne Blanco, pesquisadora da Usp diz: “Aqui no laboratório de biologia molecular de plantas nós fomos em busca do gene da jaca que codifica a proteína KM+. Esse processo demorou aproximadamente 2 anos”.

Foi montada uma espécie de fábrica de KM+. O gene isolado em laboratório foi introduzido em bactérias e leveduras, que passaram a produzir a proteína.

PROF. MARIA CRISTINA BARREIRA –
CAMPUS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO – PRÉDIO CENTRAL

Pesquisa Semente de Jaca:
FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO.
AV. BANDEIRANTES 3.900, Ribeirão Preto
TELEFONE – (0xx16) 6023062

Fonte: [ TV Cultura ]

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Biopirataria, Fitoterápicos, Plantas Medicinais

2 Respostas para “O poder cicatrizante da semente da jaca

  1. renato

    Prezada Professora Maria

    Assisti hoje a reportagem sobre a sua pesquisa no Globo Ciências.
    Trabalho com laboratório de plantas e desenvolvo processos de clonagem com orquídeas.
    Um dos maiores entraves no procedimento é a oxidação do tecido meristemático após sua extração, por causa dos cotes que sofre.
    Quem sabe essa substância ajude a contornar o problema.
    Gostaria de testar o produto aqui.
    Teria como conseguir uma pequena amostra dessa substância isolada para fazer testes.
    Ou, será que posso extrair um pouco dessa substância direto da semente da jaca deixando em repouso em éter ou coisa assim…
    Se lhe interessar, podemos trocar informações. Uma possibilidade: Posso montar um experimento para depois publicarmos os resultados.
    Sou Eng. Agrônomo com mestrado em produção vegetal e tenho um laboratório de cultivo in vitro de orquídeas.

    attc. Renato Moraes Abreu

    Curtir

  2. renato

    Prezada Professora Maria

    Trabalho com laboratório de plantas e desenvolvo processos para clonagem com orquídeas.
    Um dos maiores entraves no procedimento é a oxidação do tecido meristemático logo após a sua extração, por causa dos cotes que sofre.
    Quem sabe essa substância ajude a contornar o problema?
    Gostaria de testar o produto?
    Se concordar, posso fazer isso, depois publicamos os resultados.
    Sou Eng. Agrônomo com mestrado em Produção Vegetal e tenho um laboratório de cultivo in vitro de orquídeas.
    Renato Moraes Abreu

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s