Multimistura – fatos, dúvidas e dados

Circulando na rede um e-mail contando os apuros que a Dra. Clara Brandão estaria passando no Ministério da Saúde, e toda uma trama para provar à possível troca da Multimistura por produtos industrializados.

Esclarecendo:

Primeiro a Dra. Clara pediu a aposentadoria no fim da gestão anterior do Ministério da Saúde, quando o Sr. Humberto Costa era ministro. Nesta época para forçar este pedido, foi que ela teve a luz cortada de sua sala, entre outras pressões.

O atual Ministro o Sr. Temporão não a recebe sob alegação que há meses atrás um estudo feito por uma Universidade de Medicina do RS, provou que a multimistura nada acrescenta a alimentação infantil. Por isso o programa [foi] excluído do Ministério da Saúde.

São trinta e cinco anos de uso da multimistura pela Pastoral da Criança com resultados que derrubam qualquer estudo recente. E logo após o resultado deste suspeito estudo o programa Globo Repórter apresentou uma reportagem mostrando as vantagens de se usar este tipo de alimentação.

Quanto as distorções que o e-mail apresenta a Dra. Clara atribui a exageros de alguém que quer ajudar, e ela pensa como eu, é preferível mostrar a verdade para não permitir um desmentido depois, com a manutenção da inverdade sobre a multimistura.

Só que uma duvida surgiu, o porquê deste estudo??? Porque eliminar um produto consagrado pelo resultado que apresenta ao longo de 35 anos????

Me preparei para uma longa investigação, e mais uma vez logo veio a resposta. Procurei primeiro o trabalho de campo da Pastoral da Criança, fui a algumas igrejas saber o que está no lugar da multimistura, e ai a maior surpresa de todas, no lugar da multimistura, se continua usando a multimistura. Pelo menos aqui no Rio. A Multimistura usa matos em sua confecção, e como não tem verba para compra de outros produtos aqui no Rio continua a se usar a banida Multimistura. Principalmente porque a multimistura funciona.

Os matos continuam plantados, o uso continua, e a verba, bem se o programa foi extinto, cabe ao Ministério da Saúde dizer o que foi feito da verba do extinto programa, já que nada chega para o trabalho da Pastoral da Criança??????

E não vale dizer que as crianças estão gordinhas por causa do bolsa família, pois quem realmente precisa não recebe. Só faltava essa, o governo afirmar que o fim da desnutrição infantil se deve ao bolsa família, se fizer isto na futura campanha, tenho muita prova para desmentir esta afirmação.

fonte: [ Revista Amigos da Web ]

>>>

Multimistura

As vantagens da boa alimentação – complementação alimentar

Antigamente, o solo era rico e por isso os alimentos eram mais completos. Naquele tempo não se usavam produtos químicos. A poluição industrial, o uso de adubos químicos, hormônios em animais e pesticidas colaboram para que tenhamos menos saúde e contaminam o meio ambiente, o produtor e o consumidor.

O uso de concentrados de minerais e vitaminas (farelos, pó de folhas, pó de sementes, pó de casca de ovo) em doses mínimas, mas constantemente acrescidos à nossa alimentação tradicional, fornece nutrientes que são indispensáveis para:

  • promover o crescimento (dentro e fora do útero),
  • aumentar a resistência às infecções,
  • prevenir e curar a anemia nutricional,
  • diminuir diarréias,
  • diminuir doenças respiratórias e
  • manter a saúde.

O Brasil é um país muito rico em alimentos. Cada região precisa valorizar essa riqueza para que todos possam comer melhor. Vejamos:

  1. No Norte: jambu, jambo, castanha-do-pará, macaxeira, caruru, abóbora, manga, coentro, vinagreira, maniçoba, tucupi, pupunha, buriti, peixes, piracuí, tacacá, milho, dendê, gergelim etc.
  2. No Nordeste: caju, jaca, coco, macaxeira, inhame, camarão, mariscos, peixes, abóbora, coentro, bredo, vinagreira, manga, quiabento, quiabo, cuxá, castanha, óleo e mesocarpo de babaçu, vatapá, caruru, milho etc.
  3. No Centro-Oeste/Sudeste: Pequi, buriti, guariroba, jaca, abóbora, mandioca, serralha, caruru, beldroega, coentro, galinhada, maria-isabel, baião-de-dois, ora-pro-nóbis, milho, pamonha, angu, feijoada etc.
  4. No Sul: abóbora, mandioca, peixes, camarão, serralha, beldroega, almeirão, escarola, rúcula, arroz-carreteiro, feijão tropeiro, milho, polenta, cevada, aveia, centeio, trigo, açúcar mascavo, linhaça.

Hoje estão sendo muito valorizados os alimentos funcionais (nutracêuticos). São alimentos que previnem, retardam e até curam doenças. São alimentos que promovem e mantém a saúde.

A mandioca é um exemplo. Sua folha é riquíssima em minerais e vitaminas e é quase toda desperdiçada. Tem mais ferro que a carne, mais vitamina A que o leite. E a composição e proporção entre seus nutrientes é tão perfeita que pequenas quantidades do seu pó acrescentadas todos os dias em nossa comida, pode, por exemplo, controlar a anemia, aumentar a imunidade e reduzir a gravidade das infecções como a dengue, malária, pneumonia, diarréia, aids, tuberculose, hanseníase, gripe. E também a cegueira noturna e a coceira dos olhos por deficiência de vitamina A.

A raiz, quando moída e prensada, libera o tucupi (manipuera) que serve como inseticida, mata saúva, dá um molho fantástico com ou sem pimenta, pode ser usado no tacacá, pato, carne etc. Vai bem na sopa e no arroz. Com jambu fica ainda melhor e mais completa em nutrientes. Logo teremos no comércio o tucupi em pó. Dele se extraem nutrientes muito caros e raros.

Também a fibra que sobra da extração do amido é mais cara que ele, devido a sua importância para prevenir câncer de intestino, reduzir tóxicos, normalizar colesterol etc., mas não está disponível comercialmente, ainda.

Lembre-se: a mandioca é orgânica, preserva o meio ambiente, o produtor e o consumidor. Nasce em todo o país. É brasileira.

O camapu, fisalis ou tomate de capote é um mato cujas folhas amargas protegem o fígado. Seus frutos ricos em vitaminas A, C e E, se usados desde criança, previnem a catarata e aumenta a resposta imunológica.

A chave de uma boa alimentação está ao alcance de todos.

Existem vários alimentos nutritivos, mas pouco valorizados. Entre eles, 4 pós se destacam pela facilidade de uso e disponibilidade em todas regiões do país:

FARELOS DE ARROZ E/OU DE TRIGO

O farelo é obtido quando os grãos integrais do arroz e do trigo são polidos e transformados em arroz branco e farinha branca.

Assim o arroz e o trigo polidos ficam mais pobres e os “bichos” atacam menos. Em compensação, esses alimentos, quando usados pelo homem, desequilibram o seu organismo, porque perdem em cada 100g:


Fonte: IBGE

Com o polimento se perde o “olho”, chamado gérmen e a cutícula que reveste o grão.

Os farelos de arroz e de trigo são concentrados de minerais (Ferro, Cálcio, Zinco, Magnésio) e de vitaminas (B1, B2, Niacina etc.). Possui também proteínas, hidratos de carbono, gorduras e fibras. Transformam qualquer “comida pobre” em “comida rica”.

Os farelos são chamados de subprodutos e, por isso, vendidos para ração animal. Muita gente acha que é comida de porco. Mas nós comemos a mandioca, o milho, a abóbora que o porco come, e também a carne do porco.

Não é só questão de preconceito? Repare que a porca e a vaca sempre têm leite suficiente para os filhotes. Eles dificilmente nascem desnutridos ou se tornam depois, porque a mãe está bem alimentada.

O arroz e o trigo nunca foram alimentos para animais ao longo da história. Portanto, é o porco que come alimentos do homem e não o contrário.

Em países ricos como Japão, Estados Unidos e os da Europa, o farelo é muito consumido pela população, que conhece suas qualidades e é vendido em qualquer supermercado, além de enriquecer alimentos como biscoitos, balas, tira-gostos e cereais para o café da manhã.

Não existe uma comida boa para ricos e outra para pobres.

O meu corpo não sabe se eu sou rico ou pobre nem quanto eu ganho. Portanto, ou o alimento é bom para qualquer pessoa ou não serve para ninguém.

Modo de Preparo dos farelos

O uso deve ser diário, como o sal: pouco e sempre.

Usar 1 a 2 colheres de sopa (rasas) para cada pessoa, por dia.

Farelo de arroz

O farelo de arroz é comprado em usina de arroz e deve ser imediatamente preparado e torrado. Deve ser sempre novo, sem cheiro de ranço ou de mofo.

O farelo de arroz deve ser peneirado aos poucos, em peneira fina, para separar a casca e o arroz quebradinho. Pode-se passar mais uma vez na peneira, se tiver ainda muita palha.

Torrar em panela grande, com colher de pau, mexendo sempre, por no mínimo, 25 minutos em fogo baixo (depois que a panela e o farelo estiverem quentes).

Não colocar mais de um terço (1/3) da capacidade da panela, para se conseguir um farelo torrado homogeneamente.

Esfriar e guardar em vasilhas fechadas ou no freezer.

O óleo de farelo de arroz pode ser frito várias vezes e não se decompõe. Tem álcool triterperno, que acelera a formação e a fixação da memória e outras propriedades mais. Os farelos neutralizam o componente nutricional da TPM, cólica menstrual, do alcoolismo e contribuem para uma qualidade de vida melhor. Normaliza o crescimento dentro e fora do útero, reduz a anemia, regulariza a função intestinal, melhora a dor nas pernas, o calcanhar rachado, a cicatrização, a assadura etc.

Farelo de trigo (contém glúten)

Passar em peneira não muito fina. Convém torrar para ser usado em preparações que não vão ao forno ou fogo.

Para crianças pequenas, tem que ser passado em peneira fina.

Misturar em sopas, mingaus, leite, arroz, feijão, bolo, cuscuz, beiju, pão, molho de macarrão…

Dividir em todas as refeições usadas durante o dia.

Dentro do princípio da MULTIMISTURA, se você tiver os 2 farelos, pode misturá-los e usar na mesma quantidade acima mencionada.

Hoje, conhecemos os efeitos maléficos dos metais pesados como o mercúrio, chumbo, cádmio, alumínio, níquel, porém, nutrientes contidos nos farelos e nos pós de folhas verde-escuras comestíveis podem neutralizar sua ação total ou parcialmente, dependendo da sua concentração, assim como outros alimentos, como as frutas, verduras, cereais integrais, que também têm componentes funcionais ou inteligentes.

PÓ DE FOLHAS VERDE-ESCURAS

São ricas fontes de vitamina A, vitaminas do complexo B, vitamina C etc., além de ferro e cálcio.

O Brasil, por ser um país imenso, tem plantas próprias em cada região. Se você conversar com as pessoas mais velhas da comunidade, vai aprender muito do que era usado antigamente e assim poderá enriquecer, ainda mais, o que come no dia-a-dia. Exemplos: abóbora, alfavaca, batata-doce, beldroega, bredo, chaguinha, cansação, capeba, cariru, caruru, coentro, dente-de-leão, folhas de chuchu, hortelã, jambu, língua-de-vaca, manjericão, marianica, ora-pro-nóbis, picão-branco, pimentão, quiabento, quioiô, serralha, taioba, uva, vinagreira etc.

Para facilitar o uso, principalmente por crianças pequenas, pode-se transformar as folhas em pó. A folha da mandioca, além de ser a mais rica, é a mais fácil de ser preparada.

Vamos comparar a quantidade de vitamina A e ferro das folhas verde-escuras ( folha de mandioca, folha de batata-doce), com a das folhas verde-claras (alface e repolho).

Essas folhas escuras, chamadas de mato, têm a vantagem de crescer naturalmente, sem precisar de muitos cuidados no cultivo, sendo mais nutritivas que as folhas claras como alface e repolho.

Que diferença, não é mesmo?

A folha da mandioca é uma rica fonte de minerais e vitaminas.

Acrescente (1) pitada do pó de folhas no prato, já pronto, em todas as refeições.

Preparo:

As folhas, depois de lavadas, ficam em 1 litro de água + 1 colher (sopa) de água sanitária por 20 minutos.

Secar as folhas em lugar ventilado, à sombra, ao sol ou em forno entreaberto até se tornarem crocantes. Amassar bem e passar no pilão, no liquidificador, no moedor de cereal ou peneira fina.

Com esse processo, elimina-se o ácido cianídrico.

PÓ DE SEMENTES

Sementes são alimentos de grande valor que a natureza colocou à nossa disposição. Concentram muitos sais minerais, vitaminas, óleos essenciais e proteínas muito importantes para o funcionamento do organismo.

Exemplo: sementes de abóbora, melancia, melão, girassol, linhaça, gergelim, castanha de caju, castanha-do-pará, babaçu, amendoim, pecã, jaca, sapucaia etc.

Use no preparo de paçocas, farofa, granola, mingau, bolo, cuscuz.

PÓ DE CASCA DE OVO

Os nossos bisavós já usavam o pó da casca do ovo porque é uma grande fonte de cálcio, importantíssimo para:

  • o crescimento;
  • a gravidez;
  • a amamentação;
  • a recuperação da saúde;
  • a conservação dos dentes e
  • a prevenção da osteoporose (não esquecer de tomar sol).

Preparo:

Lavar bem as cascas dos ovos e depois amassá-las. Fervê-las por 20 minutos e lavar bem para retirar a espuma branca. Deixar de molho por 30 minutos em 1 litro de água para uma colher de (sopa) de hipoclorito ou água sanitária. Secar ao sol ou ao forno. Liquidificar ou pilar. É bom passar em pano fino para ficar como talco.

Nota: usar máscara para impedir a contaminação e a aspiração do pó.

Colocar 1 colher (chá), por pessoa, de suco de limão. Esperar ferver ( como sonrisal) e tomar. Antes de usar, pode deixar também em vinagre, por algumas horas, para ser melhor aproveitado pelo organismo.

Usar em sopas, mingaus, farofa, paçoca, bolo.

MULTIMISTURA

É um princípio básico de nutrição:

A Qualidade é dada pela Variedade e não apenas pela carne, ovo, peixe, frango.

Não há alimentos fortes ou fracos, mas complementares.

Exemplo: A combinação de arroz, feijão e carne fica mais completa com salada de alface, salsa, coentro, hortelã, cebola, couve, grãos de gergelim temperados com sal iodado, limão e óleo.

Pode-se enriquecer a alimentação do dia-a-dia com uma farinha composta de:

70% de farelo (arroz e ou trigo) tostado,
15% de pó de folhas (mandioca, batata-doce, etc.),
15% de pó de sementes (gergelim, abóbora, linhaça, girassol).

Se tiver pó de cascas de ovo, a mistura fica assim:

70% de farelo tostado,
10% de pó de folhas verde-escuras,
10% de pó de sementes,
10% de pó de casca de ovo.

Usar uma colher de sopa por pessoa, por dia, dividida nas três refeições. Serve para todas as idades. É um alimento, não um medicamento. É a multimistura básica. Contém um concentrado de minerais e vitaminas. Funciona como o sal: um pouco todos os dias. Repõe nutrientes fundamentais como o zinco, magnésio, ferro, vitamina A, vitaminas do complexo B e outras. Também reduz a absorção de metais nocivos como o mercúrio, chumbo, alumínio.

Milagre? Não. Estamos repondo o que a natureza fez e o que foi retirado pela industrialização. “Bicho não come o que não presta“. Ou seja, um arroz branquinho, mas fraco, não é atacado por insetos e roedores, como é atacado o arroz integral, e se conserva por muito mais tempo. O comerciante vende mais e ganha mais.

PS: O farelo de trigo contém glúten.

Como muitas pessoas perguntam onde encontrar a Multimistura já pronta, informamos que pode ser procurada:

  • na Pastoral da Criança de sua cidade;
  • em Mercados Públicos (no de Porto Alegre tem em várias bancas);
  • em lojas ou entrepostos de produtos naturais ou orgânicos;
  • em mercados;
  • em ONGs que trabalham com Alimentação Alternativa;
  • em associações comunitárias, tais como, por exemplo, no DF, a Cooperunião em São Sebastião e no Centro Comunitário da Criança da Ceilândia.

É importante que estejam discriminados os ingredientes e que contenha:

– 70% de farelos;
– 15% de pó de sementes; e
– 15% de pó de folhas verde-escuras, sendo a principal a da mandioca.

Fonte:  [ www.Multimistura.org.br ]

Anúncios

12 Comentários

Arquivado em Alimentos

12 Respostas para “Multimistura – fatos, dúvidas e dados

  1. Simplesmente sensacional o trabalho desta doutora… e por isso mesmo desprezado e sacaneado pelos ladrões do phoder

    Curtir

  2. Kerber

    !!!!!!!!! As proteínas dos alimentos nós damos para as vacas e porcos, (farelo de trigo, arroz etc) Pão de brasileiro tem de ser branquinho, farelento, puro bromato. Arroz tem de ser soltinho e branco ( parece racismo). Depois que as empresas encaixotadores de comida entraram no Brasil, feijão, carne, arroz e um “zoiudo” deixaram de ter a preferência na alimentação. Agora à semelhança dos Staites, tudo que é bom vem numa caixa, enrolado num plástico para poluir bastante. Macaquice. Para as crianças recém nascidas, leite da Nestlé que é melhor. Assim vai.
    Soja tem que ser da Monsanto. Milho da Syngenta. Veneno bom é da Bayer. Trator é da AGCO que matou a fabrica de Canoas no RS e vai levar o maquinário pra China.
    A Valtra ex Valmet também é deles. Colheitadeira SLC de Horizontina agora é da John Deere. Nas mãos de quem está a agricultura? A comida?

    Curtir

  3. Amanda

    Se tem tanta vantagem nessa multimistura pq ainda não apresentaram um estudo científico pra provar isso?!

    Curtir

  4. Amanda, se tiver curiosidade continue procurando que você vai descobrir a verdade.

    Curtir

  5. Hemerson

    Por que crianças que fazem o uso da multimistura, quando numa idade de cinco anos, param de ter ganho de peso?

    Curtir

  6. Pingback: Receita multimistura – Controle de desnutrição e auxilia formação de plaquetas | Plugbr.net

  7. monica pereira de araujo

    onde encontro uma pastoral para obter a multimistura?
    sou do rio de janeiro capital.
    obrigada .

    Curtir

    • Se não conseguir abri o link…

      Endereços e telefones:

      RIO DE JANEIRO
      Setor: Barra Do Piraí – Volta Redonda
      Diocese : Barra Do Piraí – Volta Redonda
      Coordenadora: Sra. Carminha
      Nome Completo: Maria Do Carmo Carbogim Maciel
      Rua 21, 34
      27260-610 – Volta Redonda
      Telefones:
      Email do Setor: s152@pastoraldacrianca.org.br
      Setor: Campos
      Diocese : Campos
      Coordenadora: Sra.
      Nome Completo: HeloÍza Helena Barreto Carvalho
      Rodovia Sergio Viana Barroso, 112
      28110-000 – Campos Dos Goytacazes
      Telefones:
      Celular: (22) 9904-6655
      Email do Setor: s161@pastoraldacrianca.org.br
      Setor: Duque De Caxias
      Diocese : Duque De Caxias
      Coordenadora: Sra. Sandra
      Nome Completo: Sandra Oliveira Barros De Carvalho
      Av. Almirante Sílvio Hecker, 109 Ap. 10
      25510-300 – Sao Joao De Meriti – RJ
      Telefones:
      Residencial: (21) 2656-0801
      Celular: (21) 9234-8657
      Email do Setor: s154@pastoraldacrianca.org.br
      Setor: Itaguaí
      Diocese : Itaguaí
      Coordenadora: Sra. Auriléia
      Nome Completo: Aurileia Pinto Fernandes
      Rua Doce Paraiso, 64-bnh 2
      23905–00 – Angra Dos Reis – RJ
      Telefones:
      Comercial: (24) 3361-3269
      Email do Setor: s156@pastoraldacrianca.org.br
      Setor: Niterói
      Arquidiocese : Niterói
      Coordenador: Sr. Chaves
      Nome Completo: Antonio Gomes Chaves
      Rua B, 370
      25045-070 – Duque De Caxias – RJ
      Telefones:
      Residencial: (21) 3134-3958
      Celular: (21) 9649-3699
      Escritório: (21) 3774-7277
      FAX: (21) 3777-8261
      Email do Setor: s157@pastoraldacrianca.org.br
      Setor: Nova Friburgo
      Diocese : Nova Friburgo
      Coordenadora: Irmã Leda
      Nome Completo: Leda Torres Barbosa
      Rua João Agostinho Alves Da Costa, 130 F
      28635-070 – Nova Friburgo
      Telefones:
      Celular: (21) 9873-7196
      FAX: (22) 2541-1395
      Residencial: (22) 2541-1395
      Email do Setor: s160@pastoraldacrianca.org.br
      Setor: Nova Iguaçú
      Diocese : Nova Iguaçu
      Coordenadora: Irmã Roza
      Nome Completo: Roza Emilienne Angela Vos
      Rua Russani Elias Jose, 101
      26001-970 – Nova Iguacu – RJ
      Telefones:
      Residencial: (21) 2698-8707
      Recado: (21) 2767-8957
      FAX: (21) 2767-8957
      Celular: (21) 8869-3122
      Email do Setor: s151@pastoraldacrianca.org.br
      Setor: Petrópolis
      Diocese : Petrópolis
      Coordenadora: Sra. Bia
      Nome Completo: Beatriz Consuelo Silva Nascimento
      Rua Alvarez De Azevedo, 482 Lote 10
      25730–02 – Petropolis – RJ
      Telefones:
      Residencial: (24) 2221-3588
      Escritório: (24) 2237-5636
      Celular: (24) 8811-1106
      Celular: (24) 8809-3806
      Email do Setor: s158@pastoraldacrianca.org.br
      Setor: São Sebastião Do Rio De Janeiro
      Arquidiocese : São Sebastião Do Rio De Janeiro
      Coordenadora: Sra. Lúcia
      Nome Completo: Lucia Maria Pereira Dos Santos
      Rua Serrão 200 Bloco 02 Apt 203
      21930-190 – Rio De Janeiro
      Telefones:
      Email do Setor: s149@pastoraldacrianca.org.br
      Setor: São Sebastião Do Rj – Leopoldina
      Arquidiocese : São Sebastião Do Rio De Janeiro
      Coordenadora: Sra. Geralda
      Nome Completo: Geralda Celia Da Silva Dias
      Est. Do Galeao, 2840 C. 132 Estoril 01
      21931-003 – Rio De Janeiro – RJ
      Telefones:
      Residencial: (21) 3393-2567
      FAX: (21) 3393-1832
      Celular: (21) 8293-2567
      : (21) 2193-1582
      Email do Setor: s145@pastoraldacrianca.org.br
      Setor: São Sebastião Do Rj – Norte
      Arquidiocese : São Sebastião Do Rio De Janeiro
      Coordenadora: Sra. Regina
      Nome Completo: Regina Celia Verissimo Da Silva
      R: Velinda Mauricio Fonseca, 186 Apt 203
      20785-210 – Rio De Janeiro – RJ
      Telefones:
      Residencial: (21) 2581-7864
      Celular: (21) 8100-7338
      Escritório: (21) 2268-4088
      Email do Setor: s146@pastoraldacrianca.org.br
      Setor: São Sebastião Do Rj – Oeste
      Arquidiocese : São Sebastião Do Rio De Janeiro
      Coordenadora: Sra. Maria Da Gloria
      Nome Completo: Maria Da Gloria Mauricio Da Rocha
      R.cel. Tito Porto Carreiro, 17
      23580-010 – Rio De Janeiro – RJ
      Telefones:
      : (21) 3314-8476
      : (21) 9558-2967
      Email do Setor: s150@pastoraldacrianca.org.br
      Setor: São Sebastião Do Rj – Suburbano
      Arquidiocese : São Sebastião Do Rio De Janeiro
      Coordenadora: Sra. Roseli
      Nome Completo: Roseli Bitton Migon
      Rua Correio Do Rio , 420 – Casa 5
      22715-010 – Rio De Janeiro – RJ
      Telefones:
      Residencial: (21) 2446-5859
      Celular: (21) 8727-1827
      Comercial: (21) 2435-7026
      Email do Setor: s147@pastoraldacrianca.org.br
      Setor: São Sebastião Do Rj – Sul
      Arquidiocese : São Sebastião Do Rio De Janeiro
      Coordenadora: Professora Mirza
      Nome Completo: Mirza Straub Da Costa
      Av. José Luiz Ferraz, 355 Ap. 602
      22790-587 – Rio De Janeiro – RJ
      Telefones:
      Residencial: (21) 2104-3062
      Escritório – casa: (21) 2490-2938
      Email do Setor: s148@pastoraldacrianca.org.br
      Setor: São Sebastião Do Rj – Urbano
      Arquidiocese : São Sebastião Do Rio De Janeiro
      Coordenador: Sr. Chaves
      Nome Completo: Antonio Gomes Chaves
      Rua B, 370
      25045-070 – Duque De Caxias – RJ
      Telefones:
      Residencial: (21) 3134-3958
      Celular: (21) 9649-3699
      Escritório: (21) 3774-7277
      FAX: (21) 3777-8261
      Email do Setor: s144@pastoraldacrianca.org.br
      Setor: Valença
      Diocese : Valença
      Coordenadora: Sra. Carla
      Nome Completo: Carla Bernardes Soares
      Praca Avelino Gomes, 25
      27700-000 – Vassouras
      Telefones:
      Email do Setor: s155@pastoraldacrianca.org.br

      Curtir

  8. jaime dantas

    Boa Noite, meu nome é Jaime tenho um filho com problema de obsidade ,decorrente de uma síndrome chamda Prader wille, e gostaria de saber se existe algum alimento para dininuir a anciedade e ou até mesmo peso.

    Curtir

  9. luciana gaspar

    É incrivel o poder da multi mistura,minha filha e falcemica soó vivvia mal a poder d remedios fortes depos do uzo diario da multe mistura e outra criança,q deus prezerve e de a cada dia mas sabedoria aus homens nessa terra

    Curtir

  10. Onde acho miltimistura em rio claro sp

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s