Guias de Arborização Urbana

É um assunto interessante e recorrente, a necessidade de podar árvores e arborizar as cidades. Eis um vasto material sobre estes assuntos. Divirtam-se!

>>>

Técnicas de arborização urbana inteligente

As árvores não devem ser podadas sem uma boa causa.

A poda pode ser justificada quando os galhos estão colocando em risco a segurança das pessoas, ou se a planta apresenta ramos adoecidos ou secos. Além disso, poda ou qualquer corte de árvores sem autorização da prefeitura é ilegal – consulte as informações da sua cidade.

Convém conhecer, no entanto, algumas técnicas e práticas adotadas para casos de emergência. Os textos selecionados e apresentados aqui são apenas referências para essas situações.

Manual Técnico de Arborização Urbana – PDF 803 Kb


Manual Técnico de Poda – PDF 453kb


Guia de Arborização Urbana – PDF 1.745kb
Coelba, Bahia.


A Poda de Árvores Urbanas – PDF 1.678kb
SEITZ, R.A.


Manual de Poda de Espécies Arbóreas Florestais – PDF 2.311kb
SEITZ, R.A.


Guia de Arborização

A intenção deste Guia é conscientizar a todos da necessidade de uma arborização planejada e orientar as autoridades e demais pessoas interessadas a maneira mais adequada de desenvolvê-la, tendo em vista o aspecto estético da paisagem urbana e o bom funcionamento dos equipamentos públicos.

A arborização é da mais alta importância para a qualidade da vida humana. Ela age simultaneamente sobre o lado físico e mental do Homem, absorvendo ruídos, atenuando o calor do sol; no plano psicológico, atenua o sentimento de opressão do Homem com relação às grandes edificações; constituindo-se em eficaz filtro das partículas sólidas em suspensão no ar e contribui para a formação e o aprimoramento do senso estético. Por outro lado, o Homem necessita do gás, do telefone, do esgoto, da água, da energia elétrica, etc., que são instalados nas vias públicas. Urge portanto compatibilizar a arborização urbana com os equipamentos utilizados pelas empresas prestadoras de serviços públicos.

Esta compatibilização é possível desde que utilizemos espécies vegetais adequadas nos locais adequados. Com isso, estaremos preservando árvores e equipamentos públicos. O uso inadequado da arborização acarreta vários prejuízos, além dos riscos de acidentes à população beneficiada, pois exige que os órgãos prestadores de serviços públicos realizem podas periódicas, cortes drásticos e até mesmo a eliminação da vegetação existente.

Essas operações, obrigatórias em muitos casos, além de dispendiosas desfiguram a paisagem, provocando um descontentamento geral. Isso pode ser evitado desde que se faça um planejamento, de modo a se plantar árvores certas nos locais certos.

O plantio de uma árvore deve levar em conta os interesses da comunidade, não devendo se limitar apenas à vontade individual do interessado.

É necessário que se faça um planejamento da arborização para que se obtenha o máximo de benefícios propiciados por um plantio adequado, evitando-se interferências com a prestação de serviços públicos.

Além disso, deve-se considerar também o conforto ambiental e o bem-estar da comunidade, fatores que dependem muito da maneira correta de plantar e das espécies utilizadas.

Utilize o sol como forma de aquecimento, plantando a árvore de maneira que no verão ela prejete sombra na casa, durante os períodos de insolação mais intensa (à tarde) e no inverno evite o excesso de sombreamento.

Observe a proximidade de coletores solares ou outros equipamentos existentes e ainda aqueles a serem instalados.

Considere a posição do sol e a queda das folhas com a mudança das estações, de maneira a permitir sombra no verão e aquecimento no inverno.

As árvores devem permitir a incidência do sol, tão necessário nos jardins residenciais. Por isso, evite espécies geradoras de sombreamentos excessivos ou plantadas muito próximas à casa. Selecione as espécies mais resistentes às pragas e doenças.

Considere que algumas espécies sofrem quedas de folhas ou ramos, especialmente durante o outono e inverno. Isto pode causar entupimento de calhas e canalizações ou danificar coberturas e telhados.

Observe a proximidade da árvore à casa que pode causar interferências em futuras ampliações das construções.

Árvores cujas copas são adequadas aos espaços físicos, permitem o livre trânsito de veículos e pedestres e facilita o seu desenvolvimento natural.

Escolha árvores cujo porte e raízes se desenvolvam sem causar prejuízos às calçadas e ruas.

O plantio correto permitirá a coexistência com as redes aéreas, facilitando seu funcionamento e manutenção.

Utilize árvores de pequeno porte e raízes superficiais que não interferem na construção e operação de redes subterrâneas de água, esgoto e, eventualmente, energia elétrica.

Interferências causadas por uma espécie inadequada à arborização urbana, sendo normalmente submetidas a cortes indesejáveis à formação do vegetal.

  1. Forma natural da árvore.
  2. Poda para passagem de linha aérea da companhia de serviços públicos.
  3. Poda para passagem de veículos.
  4. As raízes danificam as ruas e acostamentos.
  5. As raízes danificam as calçadas.
  6. Poda para passagem de pedestres.

As árvores plantadas para proteção contra o vento reduzem a força deste, porque elevam a corrente de ar.

[imgs]

Como Planejar a Arborização Urbana

O planejamento da arborização de uma cidade deve considerar os aspectos culturais e históricos da população local, suas necessidades e anseios aliados a uma análise das atividades desenvolvidas (indústria, comércio, habitação), da infra-estrutura (rede elétrica, de água, esgoto, etc.), além do espaço físico disponível e vegetação local.

Todas as informações obtidas a partir desse levantamento serão analisadas e resultarão no plano geral que irá determinar os locais a serem arborizados, os espaçamentos a serem obedecidos e os tipos de árvores a serem plantados.

A árvore deverá satisfazer tanto aos interesses do morador da residência em frente à qual ela se localiza, quanto aos interesses da comunidade como um todo.

A ação de plantar uma árvore deve ser precedida de uma preparação, seguindo um roteiro adequado e determinado. A solução precisa ser estudada e aplicada para cada cidade isoladamente, aumentando a complexidade na proporção em que as cidades se desenvolvam.

A – Árvores fornecem sombra à casa e ajudam a mantê-la fresca no verão.

B – Nas áreas residenciais particulares recomenda-se o plantio de espécies que não comprometam a construção civil, o sistema de drenagem, esgoto e redes aéreas.

C – Árvores médias de copas densas servem para propiciar sombreamento em áreas de estacionamento.

D – Árvores pequenas (arvoretas) permitem o livre funcionamento da rede de energia elétrica, livre passagem de pedestres e não danificam canalizações subterrâneas.

E – Árvores colunares e palmáceas são adequadas em avenidas com canteiros centrais podendo, no caso de canteiros com mais de 3 metros de largura, ser plantadas em duas fileiras, em zigue-zague, e mantendo preferencialmente a mesma espécie.

F – Ruas de menos de 14 metros de largura, sem afastamento da construção civil em relação ao limite da rua, conforme posturas municipais (recuos uniformes), podem ser adornadas com plantas pequenas, arvoretas, ou manter-se sem arborização.

G – Ruas de mais de 14 metros, com recuo uniforme, podem ser adornadas com árvores de porte médio, do lado apropriado para sombreamento dos pedestres, veículos e residências, ficando o lado oposto para uso das empresas de serviços públicos.

H – Nos parques, praças ou jardins, onde estejam programadas árvores de diversos tamanhos, recomenda-se plantá-las a uma determinada distância dos passeios, de forma que as futuras copas ou raízes facilitem o trânsito de pedestres sem prejuízo dos benefícios esperados.

A altura da árvore deverá ser inferior àquelas estabelecidas para os fios aéreos, conforme preceitua a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), evitando-se, dessa forma, podas desnecessárias.

Calçadas circundando praças devem ficar isentas de arborização.

Avenidas com recuo uniforme e canteiro central devem ter árvores colunares ou palmáceas no canteiro central e arvoretas nas calçadas laterais.

Em ruas com largura acima de 14 metros e recuo uniforme devem ser plantadas árvores de porte médio nas calçadas Leste e Sul e arvoretas nas Oeste e Norte.

Em ruas com menos de 14 metros, sem recuo uniforme, é recomendável somente o plantio de arvoretas, ou manter as mesmas sem arborização.

A escolha da espécie adequada envolve uma série de fatores específicos como insolação, vento, embelezamento, pragas, tamanho, forma e resistência das folhas, coloração das flores, frutos, tamanho e forma de copa, sistema radicular e ausência de princípios tóxicos ou alérgicos. Não é recomendável o plantio de árvores frutíferas comerciais nas vias públicas, porém é desejável o plantio de frutíferas silvestres, pois atraem e alimentam os pássaros.

Escolha da Árvore

Deve-se lembrar que as espécies de grande porte, com altura superior a 6 metros, não são recomendadas para arborização de ruas, sendo mais adequadas aos locais de visitação pública como bosques, praças e áreas verdes abertas. Deve-se observar o espaçamento mínimo recomendado entre as plantas e o clima adequado para seu desenvolvimento pleno. E dar preferência às árvores nativas regionais, que são as espécies naturais já adaptadas ao habitat local. Exemplo: no litoral usar manacá-da-serra, algodão da praia etc.

Plantio

A época adequada para o plantio é o início do período de chuvas, portanto, na ocorrência de períodos de seca, as mudas deverão ser irrigadas. Na definição do espaçamento entre as mudas, respeitar distâncias mínimas:

  • entre árvores de pequeno porte: maior ou igual a 5 metros
  • entre árvores de médio porte: maior ou igual a 7 metros
  • entre árvores de pequeno porte e poste: maior ou igual a 5 metros
  • entre a esquina e as árvores: maior ou igual a 5 metros
  • entre as árvores e entradas de garagens: maior ou igual a 1 metro

A forma certa de plantar:

  1. Mudas de 1,80 a 2,20 metros de altura para ruas e avenidas.
  2. Covas de 60x60x60 centímetros e a muda com o “colo” 15-20 centímetros abaixo da superfície do solo.
  3. Estaca de madeira ou bambu, com 1 metro de engastamento no solo e 2 metros de altura, para garantir crescimento reto e evitar tombamento.
  4. A complementação do enchimento da cova deve ser feita com mistura de solo na proporção de 1/3 de terra argilosa, 1/3 de terra arenosa e 1/3 de esterco de curral curtido, devendo ser aproveitada a camada superficial orgânica do próprio local da cova.
  5. O amarrio deve ser de material que não cause danos ao tronco do vegetal (sisal, corda, mangueira de borracha), no formato de um oito deitado.

O canteiro ideal, para um bom desenvolvimento de árvores situadas em vias públicas, é de 1 m², preferencialmente gramado, devendo ser mantido livre de ervas daninhas. A distância entre a muda e o meio fio deverá ser 50 centímetros.

Outro processo para evitar o afloramento das raízes das árvores consiste em revestir a metade superior da cova com uma parede de tijolos em espelho revestido de cimento, cujo acabamento pode ser completado com o calçamento da rua.

É de fundamental importância a escolha da muda para se ter sucesso no plantio de árvores. Escolha as espécies mais resistentes à multiplicação de pragas e doenças e atente cuidadosamente para as formigas, em especial a “saúva cortadeira”.

Compre apenas mudas sadias, adquiridas de viveiristas idôneos, com o mínimo de 3 pernadas bem espaçadas e alternadas.

Para a arborização de ruas o tronco deve estar livre de ramos até 1,80 – 2,00 metros.

Escolha de preferência um dia nublado ou úmido para transplantar.

Conserve úmidas as raízes das mudas através de irrigações periódicas do torrão e retire a embalagem da muda por ocasião do plantio.

Após o plantio é muito importante a proteção da muda por meio de um gradil de madeira, por exemplo, contra veículos, animais, etc.

Condução e Manutenção da Muda

As mudas plantadas devem ser regularmente observadas para que se possa avaliar o seu desenvolvimento e tomar as medidas necessárias para correção de distorções no crescimento das mesmas. Assim, deve-se verificar se está ocorrendo ataque de pragas e doenças, brotações, ramificações indesejáveis, etc.

Amarrios, tutores (estacas de bambu ou madeira), e cercas devem ser substituídos à medida que se apresentem danificados e sem condições de proteger a muda.

Irrigar a muda sempre que necessário para o seu melhor desenvolvimento.

Todos os ramos que nascerem abaixo de 1,80 metros de altura devem ser eliminados. Para melhor proteção da muda, observe regularmente as condições dos gradis, tutores (estacas) e amarrios.

O plantio de espécies adequadas evita podas periódicas de correção, que prejudicam o vegetal, pela inibição de seu processo de desenvolvimento natural e pela descaracterização de sua forma.

Em casos extremos, a solução é substituir as espécies por outras mais adequadas.

Conservação da Natureza

A Secretaria da Agricultura, através das Casas de Agricultura da CATI-Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, órgãos municipais, empresas de paisagismo ou mesmo paisagistas autônomos poderão contribuir com importantes orientações no que se refere a projetos de arborização urbana.

É imprescindível a assessoria de quem tenha experiência e vivência no relacionamento com as áreas verdes. A discussão prévia, na fase de projeto, evita problemas futuros, que podem culminar com o sacrifício de árvores.

Sendo a arborização urbana, bem como as demais áreas verdes das cidades, recursos naturais de domínio público, cabe às Prefeituras Municipais sua conservação.

Ressalte-se, no entanto, a necessidade de que a população participe nesse processo, auxiliando os órgãos públicos na manutenção dessas áreas.

Do mesmo modo, é dever das empresas prestadoras de serviços de utilidade pública auxiliar na correção das interferências da vegetação no serviço prestado.

A Lei Federal nº 477, de 15/09/65, que instituiu o novo Código Florestal Brasileiro, estabelece direitos e deveres no plantio e conservação das florestas e demais formas de vegetação existentes no território nacional.

>>>

Fontes:

1) [ ARBORIZAÇÃO URBANA E PODA ]

2) [ Jardineiro.Net ]

XXX

Anúncios

11 Comentários

Arquivado em Árvores, Meio Ambiente, Mudas, Técnicas

11 Respostas para “Guias de Arborização Urbana

  1. preciso fazer um curso de arborização urbana e participar de seminarios da area de arborização

    Curtir

  2. marilda mendes

    preciso fazer um curso de arborizacao urbana como eu fazer entre em contato comigo por favor

    Curtir

  3. Alessandra

    Oi gente, não há um curso específico sobre arborização urbana. O que vcs irão encontra são cursos de poda, avaliação de árvores de risco, planejamento e execução, análise fitopatológica, que todos juntos darão a base para entender e trabalhar com arborizaçaõ urbana.
    Vejam o site da SBAU – Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, http://www.sbau.org.br. O próximo congresso será em novembro em Recife. Será um ótimo momento para cursos, fazer contantos e aprender bastante sobre AU.
    bjs

    Curtir

  4. Sérgio Alberto Faria Barbosa

    Trabalhei mais de 20 anos com arborização urbana, e, esse material é excelente, sendo que para cada cidade o manejo é diferenciado, mas o princípio é o mesmo. Obrigado!

    Curtir

    • walquiria hagge

      Muito inteligente, uma pessoa, com 20 anos de experiência, elogie o trabalho de outra PARABÉNS!!!
      Irei começar, um projeto de arborização urbana….
      Espero que todo, saia bem!!!

      Curtir

  5. Augusto Moraes

    Não consigo abrir os arquivos

    Curtir

  6. Eloisa

    Preciso revitalizar uma avenida no meu municipio, e nao sei qual a distancia que devo deixar entra as arvores que serao de porte medio,
    as arvores serao cerejeira do japao e guaresmeira.
    Obrigado, Eloisa.

    Curtir

  7. NAtanne FAria

    Estou fazendo um trabalho com Arborização Urbana junto a outros amigos, e estamos encontrado um problema com vandalismo. A solução q encontramos é fazer uma cerca de proteção para dificultar os danos a planta, mas não estou sabendo como fazê-los, tem algum material sobre isto?

    Curtir

  8. WALQUIRIA HAGGE.

    Belissimo todo conteúdo, super importante, não somente para pesquisas, com também para um entendimento, como devem ser plantadas e podadas.
    Maravilhoso mesmo!
    Parabéns!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s