Pragas ameaçam lavouras transgênicas brasileiras

Pesquisador alerta para a ocorrência de prejuízos irreparáveis caso produtores não ajam rapidamente

Dos 38 milhões de hectares plantados com lavouras de soja, milho e algodão transgênicos no Brasil, cerca de 4 milhões – 10,5% da área – estão infestados por plantas daninhas resistentes ao glifosato, apontado como o mais eficiente herbicida já desenvolvido para o controle de pragas nesses cultivos. O produto começou a ser usado na década de 1970 e, nos últimos quatro anos, teve seu consumo mundial aumentado em cerca de 20%.

Stephen Powles, diretor do WA Herbicide Resistance Initiative e da Escola de Biologia Vegetal na Universidade de Western Austrália, avaliou, em entrevista ao jornal Zero Hora, o problema nas lavouras brasileiras. Ele sugeriu que, se os produtores não agirem rapidamente, os prejuízos serão irreparáveis nas próximas safras.

Powles, que é considerado autoridade mundial em resistência de plantas daninhas a herbicidas, palestrará nesta segunda, dia 26, em Passo Fundo (RS), no Workshop Syngenta sobre Manejo da Resistência ao Glifosato: Presente e Futuro.

Zero Hora – Quais as áreas mais afetadas por plantas daninhas resistentes ao glifosato no Brasil?

Stephen Powles –As áreas mais afetadas estão nos Estados do Paraná e do Rio Grande do Sul, onde foram catalogadas quatro espécies: a coniza, conhecida como buva, o azevém, o capim amargoso e o leiteiro. Mas o problema pode ser bem maior, já que não existem estatísticas para os Estados de Mato Grosso, Goiás e Bahia.

ZH – O problema já pode ser considerado grave no Brasil?

Powles – O problema está se agravando, mas o Brasil pode reverter esse quadro se começar a agir o mais rápido possível. Se não agir agora, terá o mesmo fim que os Estados Unidos – um milhão de hectares inutilizados, onde o glifosato não pode mais ser usado, nem mesmo em sistema de rotatividade com outras culturas e herbicidas.

ZH – E o que o Brasil pode fazer para amenizar o problema?

Powles – A melhor forma de evitar que a situação piore é a diversidade de culturas e herbicidas. A cada safra deve haver rotação de culturas e, consequentemente, a utilização de herbicidas diferentes. No Paraná e no Rio Grande do Sul, já há relatos de que o capim pé de galinha também teria resistência ao herbicida. O glifosato ainda é a melhor opção, mas seu uso deve ser planejado.

Fonte: [ Canal Rural ]

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Cultivo, Herbicidas, Transgênicos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s