Plantas ficam diabéticas, obesas e morrem antes

Um estudo do cientista Marcos Buckeridge, do Departamento de Biociências da USP, revela que o aumento na concentração de CO2, em combinação com o aumento de temperatura e chuvas, produz um efeito fertilizante, mas doentio nas plantas. É como se elas estivessem se tornando “diabéticas e obesas”, nas palavras do cientista.

A reportagem é de Soraya Aggege e publicada pelo jornal O Globo, 21-04-2009.

– As plantas consomem mais açúcar e ficam maiores. Desconhecemos o impacto disso ainda – diz Buckeridge.

Segundo ele, foram analisadas folhas de várias espécies, como o jatobá.

Ficou claro que atualmente as folhas têm mais amido que no século passado. Na avaliação do cientista, o CO2 elevado aumenta as taxas de fotossíntese e de crescimento das plantas. Referência mundial em biodiversidade, Carlos Joly, do Instituto de Biologia da Unicamp, concorda com Buckeridge:

– O CO2 é o fator limitante para a fotossíntese das plantas nos trópicos. Em tese, as plantas realmente poderão morrer mais rapidamente. Os indícios são de um envelhecimento precoce. Precisamos aumentar nossos conhecimentos sobre a fisiologia das espécies nativas.

Joly diz que, apesar das muitas incertezas, já é possível observar alterações na vegetação, principalmente da Mata Atlântica. Ele usa modelos computacionais para prever impactos do aquecimento.

– Algumas espécies tendem a desaparecer. Na Mata Atlântica, a araucária seria uma delas – conta.

Segundo Joly, embora ainda faltem pesquisas, algumas mudanças são mesmo evidentes.

– É óbvio que as quaresmeiras florescem na Quaresma. Quando elas florescem em janeiro, há problemas – avalia Joly.

Patrícia Morellato, pesquisadora do Departamento de Botânica da Unesp (Universidade Estadual de São Paulo), estuda alterações na época do floração.

– Na seca de 2001, houve atraso na floração de algumas espécies. Em 2008, observamos um atraso na floração de ipês. A pesquisa será publicada no final deste ano. Os estudos demandam pelo menos seis anos de observações, mas já temos os indicativos – considera Patricia.

De acordo com a cientista, as mudanças nas floradas poderão causar alterações nos frutos, e, em consequência, na fauna, num efeito dominó.

(e-Campo orgânicos/IHU)

Fonte: [ E-campo ]

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Meio Ambiente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s