Intervenção Urbana

Intervenção urbana, postado no blog Rainhas do Lar:

Na esquina da Marechal Floriano com a Araújo Pinho, Canela, Salvador-Ba.

Projeto Adote uma Nascente planta mais 5 mil árvores

MEIO AMBIENTE – Clube do laço, poder publico, empresas e clubes de serviços realizaram mais uma etapa do projeto Adote uma Nascente

Célio Ribeiro Guarantã do Norte

As matas ciliares são fundamentais para o equilíbrio ecológico, oferecendo proteção para as águas e o solo, reduzindo o assoreamento de rios, lagos e represas e impedindo o aporte de poluentes para o meio aquático.

Formam, além disso, corredores que contribuem para a conservação da biodiversidade; fornecem alimento e abrigo para a fauna; constituem barreiras naturais contra a disseminação de pragas e doenças da agricultura e, durante seu crescimento, absorvem e fixa dióxido de carbono, um dos principais gases responsáveis pelas mudanças climáticas que afetam o planeta.

A federação do Clube do Laço em parceria com o poder público e várias outras empresas privadas, como Banco do Brasil, Sicredi, Bradesco e clubes de serviço, estão desenvolvendo o projeto que tem como título, Adote uma Nascente.

Continue Lendo “Projeto Adote uma Nascente planta mais 5 mil árvores”

Lei sobre mata seca pode causar grandes danos à vegetação

Fred Furtado
Ciência Hoje/RJ

A mata seca se caracteriza por espécies vegetais variadas intimamente ajustadas a um ambiente em que o período de seca dura de cinco a sete meses. Como mecanismo de adaptação, as árvores desse tipo de vegetação perdem as folhas nessa época para conservar água. Não representando um bioma em si, a mata seca pode ser encontrada no cerrado, na caatinga e na Mata Atlântica, como é o caso do Norte de Minas Gerais, onde essas árvores têm importância econômica e ecológica.

Agora, no entanto, uma lei aprovada pela Assembleia Legislativa mineira decretou que esse tipo de vegetação não faz parte do bioma e, portanto, pode ser derrubado para dar lugar a atividades agrícolas e ser queimado como carvão.

Segundo o ecólogo Geraldo Wilson Fernandes, coordenador do Laboratório de Ecologia Evolutiva e Biodiversidade da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e do projeto Florestas Secas Tropicais, a legislação foi aprovada sem discussão com a comunidade científica e pode levar à devastação de 70% da cobertura vegetal das propriedades do Norte mineiro, que seriam transformados em carvão.

Só restam de 4% a 7% da Mata Atlântica no País, e Minas Gerais é o campeão do desmatamento desse bioma. Imagine o estrago que essa lei pode causar”, alerta o ecólogo.

Continue Lendo “Lei sobre mata seca pode causar grandes danos à vegetação”

Formação de plantas na Fruticultura

por Eng° Agr° Valerio Pietro Mondin¹

Nos pomares, chama atenção as muitas formas que as plantas apresentam e que podem diferir enormemente, mesmo quando são da mesma espécie. Nem sempre correspondem às formas que teriam se fossem deixadas livres, em seu crescimento natural. Normalmente, isso é devido à intervenção humana. Com essa ação, o homem visa obter melhores resultados e maiores facilidades, naquilo que é de seu interesse.

Quando a planta é deixada livre, ela cresce e se desenvolve dentro de suas características. Buscará ocupar o espaço que lhe é disponível dentro de suas dimensões naturais. Para algumas espécies essa ainda é a melhor maneira de cultivá-las, pois a condução nem sempre é uma prática necessária ou obrigatória. Para outras, no entanto, essa intervenção é fundamental para um melhor resultado na atividade.

As plantas têm tendências naturais de crescer no sentido vertical e apical, ocorrendo brotações desuniformes, com predominância vegetativa e crescimentos entrecruzados. Isso dificulta o equilíbrio na ocupação do espaço e na produção, já que a seiva circulará intensa e rapidamente, nos ramos. Ocorrerá a formação de muitos ângulos fechados, com inserções pouco resistentes e grande desenvolvimento vegetativo.

Continue Lendo “Formação de plantas na Fruticultura”

Aumenta número de plantas medicinais do horto estadual

Cinco novas espécies foram selecionadas pelo Conselho Estadual de Fitoterapia para integrar a lista de plantas medicinais cultivadas pelas Farmácias Vivas e utilizadas na forma de medicamentos fitoterápicos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Ceará. Após o registro da decisão do Conselho, por Portaria do Secretário da Saúde do Estado, a Relação Estadual de Plantas Medicinais (Replame) passará a ter 30 espécies.

O Nufito presta apoio técnico-científico e faz capacitação de pessoal para promover a fitoterapia em saúde pública no Estado do Ceará.

A novidade estimulou a revitalização do Horto de Plantas Medicinais do Núcleo de Fitoterapia da Secretaria da Saúde do Estado (Nufito), instalado na sede da Coordenadoria de Assistência Farmacêutica, Avenida Washington Soares, 7605, Messejana. Mais viva do que nunca, essa farmácia natural a céu aberto faz o cultivo das espécies e fornece as mudas de plantas medicinais para 54 Farmácias Vivas espalhadas pelo Ceará. No horto, os técnicos do Nufito também realizam pesquisas científicas.

O Projeto Farmácias Vivas, idealizado pelo professor Francisco José de Abreu Matos em 1983, consta de plantas medicinais com eficácia e segurança terapêuticas comprovadas. O projeto deu origem, em 1997, ao Programa Estadual de Fitoterapia, que se transformou no atual Nufito. O Núcleo distribui 16 tipos de medicamentos fitoterápicos para hospitais e unidades da rede estadual de saúde e mantém além do Horto a Oficina Farmacêutica para preparação de fitoterápicos.

Continue Lendo “Aumenta número de plantas medicinais do horto estadual”

Instituto Pró-endêmicas denuncia Lei contra plantas com espinhos

Logo Instituto Pró-Endêmicas

O Instituto Pró-Endêmicas está mobilizado os amantes da natureza contra lei absurda recentemente aprovada em Lagoa Santa, Minas Gerais, PROIBINDO a existencia em locais publicos de arvores com espinhos…!

Essa lei é voltada contra a vida das dezenas de “paineiras” ou “barrigudas” (Chorisia speciosa, Malváceas) existentes na Avenida João Daher (trecho urbano da Rodovia MG-10).

Essas plantas incomodam algumas pessoas, mas são maravilhosas quando em flor.

A “barriguda” é espécie nativa do município, ocorrendo nos afloramentos calcários e em seu entorno.

A lei também proibe implicitamente muitas outras especies nativas, como:

Continue Lendo “Instituto Pró-endêmicas denuncia Lei contra plantas com espinhos”