Padre cuiabano se diz perseguido por uso do método popular de curar doenças

por Edilson Almeida
Redação 24 Horas News

Bio-Saúde pretende ser um modo de vida mais saudável, natural e agradável


Nos dez anos de funcionamento da sede do Bio-Saúde, todos os pacientes que procuraram por atendimento foram atraídos pelas histórias de outras pessoas que fizeram o tratamento. Segundo Padre Renato, nunca foram feitas propagandas em rádio, jornal ou qualquer outro veículo de comunicação para atrair pacientes.


O tratamento de diversas doenças com o uso do método da bioenergia, que se vale de plantas medicinais aplicada aos enfermos, está sendo motivo de perseguição a um dos seus principais idealizados, o padre Renato Barth, que ensina a técnica da medicina popular há cerca de 40 anos em Cuiabá. A questão é de amplitude. A denúncia passa pelo imaginário, mas tem forte conteúdo de realismo. Mirando a técnica estariam grandes laboratórios e a indústria farmacêutica, que temem uma expansão maior do conhecimento – o que implicaria em prejuízos.

Os números do padre são fabulosos, de fato. Nesse período em evidência foram mais de 30 milhões de pessoas atendidas pelo método. Hoje, segundo ele, a bioenergia está organizada em mais de 40 países. Os ‘remédios’ utilizados são argila e plantas caseiras. O sistema, inclusive, já foi patenteado, a partir de estudos realizados pela Columbia University.

Brasileiro, apesar do sotaque carregado, padre Renato Barth é filho de mãe parteira, que contabiliza mais de 1.300 crianças “sem nunca ter qualquer tipo de problema” – numero que deve causar inveja a muitos médicos obstetras. Ele diz que desde criança, em sua casa, se faz o tratamento de doenças pelo método natural. “Nem farmácia existia” – enfatiza. Desde então, se diz distante das farmácias, dos médicos e das “necessidades de drogas permitidas e não permitidas”.

Padre jesuíta Renato Barth, acusado pelo CRM


“A doença é lucrativa. E nós trabalhamos com a cura do corpo e da mente, por isso incomodamos”

Padre Renato estudou Ciências Naturais. Trata a questão como um caminho ofertado por Deus. Diz conhecer todos os conceitos básicos da química, física, biologia, botânica, zoologia, matemática e histologia. “A bioenergia foi uma pós-graduação” – frisou, referindo-se ao curso de dois anos na Nicarágua, onde foi atuar como missionário.

O padre jesuíta Renato Barth mantém um centro de atendimento no Bairro Jardim Paraíso, em Cuiabá, e orienta pessoas de todo o Estado, sendo que em diversas outros municípios – Cáceres, Sinop, Lucas do Rio Verde, Alta Floresta, entre outros, o método é difundido e amplamente aceito. O tratamento pelo Bio Saúde é muito simples: oferecer orientação sobre a correta alimentação e hábitos saudáveis de vida, aliados ao consumo de chás caseiros, como forma de equilibrar a energia corporal.

O religioso dá cursos do método Bio Saúde em diversos países da América Latina e África. É membro do Conselho de Ciência e Tecnologia de Moçambique, nomeado pelo ministro Massinge, dirigente local. Naquele país foi montado um centro de pesquisas, a 80 km de Maputo. O objetivo do centro de pesquisas no continente africano é a completa erradicação da malária. Em cerca de cinco países foram treinadas pessoas pelo padre Renato Barth, e já estão aptas a fazer a orientação e difusão da técnica para o povo africano.

Aqui no Brasil, a presidenta Dilma Roussef comunicou ao religioso que o Ministério da Ciência e Tecnologia irá avaliar as cerca de 500 inovações para tratamentos alternativos propostas pelo Bio Saúde, com o uso de plantas medicinais, argila e urinoterapia, para eventual uso em grande escala. Atualmente a Embrapa já reconhece o uso de plantas medicinais para tratamento de diversas doenças.

Barth foi premiado pela defesa dos direitos humanos. Apesar disso, algumas entidades tentam criminalizar o método do Bio Saúde. O Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso chegou a representar criminalmente contra o padre Renato, todavia a justiça conclui pela atipicidade da conduta. O que significa que a difundir medicina popular não se constitui crime.

O Conselho Regional de Medicina (CRM) trata o assunto como “charlatanismo”, inclusive com processo contra o religioso naturalista. Mas o processo parece não ter prosperado – mesmo depois de o método ter sido duramente criticada no programa Fantástico, da TV Globo. O juiz Mario Kono, do Juizado Especial Criminal de Cuiabá, garantiu que tudo que foi apresentado pelo CRM nos autos contra o coordenador do Bio Saúde não caracteriza nenhum crime entre os tantos que estão tipificados em nosso Código Penal. “O juiz não recebeu o processo” – detalhou Vilson Nery, um dos advogados do jesuíta.

O padre Renato e suas técnicas voltarão a ser alvo de um novo ataque. Pela quinta vez, seu trabalho será exposto, segundo prevêem seus seguidos, de maneira negativa em rede nacional, pelo programa “Fantástico”, da TV Globo. Eles dizem que há dois meses a emissora trabalha na produção de uma nova reportagem, ouvindo pessoas em todo o Brasil que pudessem “falar mal” do tratamento. O problema, segundo Nery, é que elas não mostrarão seus nomes, nem seus rostos, um indício fortíssimo de perseguição ao padre Renato. “Como a pessoa foi prejudicada e não quer se identificar, se oculta?” – questiona.

“Estão querendo criminalizar a medicina popular. É assim que age o capitalismo selvagem, que se interessa pelo lucro sem ética e despreza solenemente a vida. Principalmente dos pobres” – ataca.

“Há noticia de que existe multinacional querendo patentear o método, e lucrar muito dinheiro com isto” – denuncia o coordenador do Movimento de Combate a Corrupção Eleitoral de Mato Grosso (MCCE), Antônio Cavalcante Filho. Ele enfatiza que é grande a migração de pessoas para os tratamentos alternativos, mais eficazes e ‘de graça’. “Não há outra explicação” – diz.

Fonte: [ 24 Horas News ]

Anúncios

10 Comentários

Arquivado em Caso Drauzio Varella, Cursos, Doenças, Fitoterápicos, Medicamentos, Notícias, Plantas Medicinais

10 Respostas para “Padre cuiabano se diz perseguido por uso do método popular de curar doenças

  1. Sob o título “Passo a Passo: a farsa da Globo para incriminar o Padre Renato”, o Centro Burnier Fé e Justiça, com sede em Cuiabá, publica, no dia 16-05-2011, a seguinte nota:

    Durante dois meses a TV Globo tentou ‘cavar’ provas de insucesso do método Bio Saúde, e viajou em todo o Brasil com esse objetivo. Esteve no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo.

    Na cidade de Jundiaí (SP) encontrou uma pessoa que se disse vítima de tratamento mal sucedido (a técnica em química Cristina Fernandes). Porém essa pessoa nunca esteve em Mato Grosso, não conhece Cuiabá, nem o Biosaúde e nunca encontrou pessoalmente o padre Renato Barth. Nem ela e nem a suposta mãe falecida (fotografia mostrada no programa)!

    Quanto às pessoas que deram “testemunhos” sem se identificar (escondendo o rosto e a identidade) isso prova a maldade (no mínimo) da TV Globo. Aquele cidadão que disse (na ‘reportagem’) que no ano de 1.999 procurou o Padre Renato no Bairro Jardim Paraíso (sede do Bio Saude) para ‘tirar satisfação’ sobre um suposto mau atendimento (à sua mãe) deve ter encontrado um matagal. É que o Bio Saúde só se instalou no local em 2002, três anos depois.

    A conclusão da farsa.

    Durante dois meses o repórter Marcelo Canelas ouviu pessoas (em Mato Grosso) que demonstraram como se recuperaram de graves moléstias, apenas com o uso do método Bio Saúde. Entre elas a senhora Euza, que mostrou laudos laboratoriais atestando cientificamente a evolução da cura da osteoporose (o ‘antes’ e o ‘depois’) apenas com o uso de chás e argila.

    Um dos advogados do Padre Renato mostrou ao repórter da TV Globo (no Fórum de Cuiabá) o processo interposto pelo CRM, inclusive o despacho onde juiz entendeu que a conduta do Padre é atípica (não é crime). A TV Globo sonegou a informação de modo a criminalizar os métodos populares de tratamento de doenças, dando a entender que o processo judicial estaria ativo.

    E qual o objetivo da Globo com tais farsas? Defender os interesses econômicos da indústria farmacêutica que tem faturamento anual de 500 bilhões de dólares graças a doenças e doentes. E para isso (proteger o interesse capitalista) a TV Globo e os laboratórios não se preocupam em mentir e agredir pessoas e reputações, pondo em risco a saúde pública.

    Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/index.php?option=com_noticias&Itemid=18&task=detalhe&id=43345

    Curtir

  2. Vou falar pra vocês: eu já vi esse filme!

    Se um dia tiverem paciência, contem quantas propagandas de remédios passam na TV Globo. Vou chutar um número: 100 comerciais por dia. Será menos? Será mais?

    Curtir

  3. Um erro ñ conserta o outro , mas por quê a globo ñ faz uma reportagem dos erros médicos ,manipulações de vacinas … e vcs verão absurdos maiores dos que os fitoterápicos .
    Nós vivemos num MUNNNNNNDO de corruptos e salafrários que querem que a população seja deletada do planeta , e ele vem falar de critérios éticos dentro da prescrição médica , e do conhecimento humano ? _ Deixa o povão em paz , usarem seus conhecimentos empíricos das plantas medicinais , vai procurar outra coisa para fazer … não enche o ” saco “.
    Falar de critérios éticos e técnicos , um simples creme dental precisaria de uma receita médica , pois o FLÚOR que estes contém MATA , OS ALIMENTOS SÃO PROJETADOS PARA FIQUEMOS DOENTES CADA VEZ MAIS … Pq a OMS, FDA(USA) , ANVISA e SIF (BR) ,não atuam como deveriam ?
    São orgãos de “CABRA SAFADOS ” que atuam (Não estou generalizando pois tem gente honesta atuando nestes orgãos ) .







    Dengue hemorragica ñ existe , o erro médico (incompetencia),
    administram no paciente PARACETAMOL o que potencializa e detona o figado do paciente , e dizem ser um novo tipo de dengue , DENGUE HEMORRAGICA , camabada de …
    Resolva isso aqui doutor ? vvv
    Transgênicos: crescimento sem limites
    Por Andrea Lazzarini Salazar*

    Hoje, a soja dos brasileiros contém 50 vezes mais veneno do que em 1998. O aumento expressivo do uso de agrotóxicos é a indicação clara de que estes últimos e os transgênicos fazem parte de um mesmo modelo, onde a dominação do mercado de sementes e insumos está nas mãos de um pequeno grupo de grandes corporações.

    A introdução de espécies geneticamente modificadas no Brasil tem como traço marcante a chancela oficial. Começando no governo Fernando Henrique Cardoso, ganhou vigor durante a gestão Lula com a legalização da soja contrabandeada, atingindo seu ápice com a aprovação do milho transgênico da Bayer, da Monsanto e da Syngenta – medida tomada contra o entendimento técnico da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). No lugar de definir estruturas e procedimentos de biossegurança, o Estado vem agindo no sentido de autorizar liberações sem a adequada análise de riscos ambientais e à saúde, desconsiderando impactos socioeconômicos, recusando o debate com a sociedade e evitando a transparência de suas ações.

    E agora Drs. O q fazer ?
    O Ministério da Saúde através da Agência Nacional
    de Vigilância Sanitária, suspendeu por meio da
    Resolução 96, a fabricação, distribuição, manipulação,
    comercialização e armazenagem de medicamentos com o
    principio ativo denominado FENILPROPALAMINA.

    A medida foi tomada depois que a “Food and Drug
    Administration”, (FDA), dos Estados Unidos, constatou
    que a substância vinha provocando adversos FATAIS em
    usuários americanos (hemorragia cerebral). No Brasil
    a suspensão é preventiva, uma vez que não existem
    casos relatados.

    A FENILPROPALAMINA está presente em 21
    medicamentos, especialmente nos anti-gripais. Os
    medicamentos suspensos são os seguintes
    Bernadryl dia e noite.

    2) Contac

    3) Naldecon Bristol

    4) Acolde

    5) Rinarin Expectorante

    6) Deltap

    7)! Desfenil

    8) HCl de fenilpropalamina

    9) Naldex

    10) Nasaliv

    11) Decongex Plus

    12) Sanagripe

    13) Descon

    14) Descon AP

    15) Descon Expectorante

    16) Dimetapp

    17) Dimetapp Expectorante

    18) Ceracol Plus

    19) Ornatrol

    20) Rhinex AP

    21) Contilen
    Incompetência médica X Fitoterápicos .
    A matéria jornalística elaborada que foi ao ar abordando o uso de fitoterápicos , mostrou a lado danoso do uso por imperitos utlizadores destes meios que não souberam diagnosticar a complexidade da doença , pois o procedimento para contê-la já foi tardio .
    A doença câncer , sua origem é de extrema complexidade pois envolve n… fatores que nem mesmo os especialistas sabem diagnosticá-la , pois se assim soubessem nos hospitais oncológicos niguém mais morreria .
    Posso fazer um programa abordando a incompetência médica , pois se duvidar será , mais drásticos os resultados do que os que ele fez a matéria .
    Fez abordagem da Allo vera , sem ter conhecimento de causa , vejam ;Estudos científicos comprovam sua eficácia .
    http://www.nossosaopaulo.com.br/AloeVeraForever/FLP_AloeVera.htm
    Se ela cura tds os canceres ñ sabemos ,porém o frei Romano Zago ficou curado .
    Fármacos é que dão $$$$$
    (Maggie Fox – Reuters, Journal la Grande Epoque, Nov 11, 2008)

    CHICAGO – Mais e mais criancas americanas recebem medicamentos contra as infeccoes cronicas, tais como a asma ou hiperatividade, conforme mostra estudo publicado na semana passada.
    Entre 2002 e 2005, dobrou a prescricao de medicamentos contra o diabete do tipo 2. O aumento e’ superior a 46% para a asma, 40% para os problemas de atencao e hiperatividade e 15% para o colesterol.
    O estudo foi feito conjuntamente entre a Express Scripts, q gera os reembolsos de medicamentos nas farmacias, com o Instituto de Pesquisa Pediatrica de Saint Louis e o Instituto de Saude do Kansas, em Topeka.
    No relatorio publicado em nov 2008, da revista PEDIATRICS, os 3 pesquisadores q iniciaram os estudos estimam q as enfermidades cronicas, estao se tornando mais frequentes.
    Eles sublinam porem, q a alta de prescricoes, poderia ser atribuida a mundanca de comportamento da parte dos medicos ou num amelhoramente na prevencao das infeccoes cronicas.
    O estudo se apoia sobre os pedidos de reembolso, para 3,2 milhoes de criancas de entre 5 a 19 anos.
    Querem nos privar dos fitoterapicos ,
    Porém isto aqui somos obrigados , e nada fazemos para impedir ;
    Há alguns meses a CTNBio vinha tentado fazer passar uma regra para a aprovação automaticamente dos transgênicos piramidados, dispensando-os de análise. A justificativa era a de que, se o novo transgênico resulta do cruzamento de eventos já aprovados, ele é, por princípio seguro. Algo como dizer que x + y = 4, quando não se sabe ao certo o que são x e y.

    Uma advertência encaminhada em maio pelo Diretor de Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente à CTNBio alertando para a ilegalidade da aprovação automática e perguntando quem se responsabilizaria pelas liberações ilegais levou o presidente do colegiado a voltar atrás e admitir que os processos dos transgênicos piramidados deveriam seguir o rito aplicado às demais liberações comerciais (ver Boletim 446).

    Baixada a poeira, a Comissão agora aprova dois piramidados de maneira rápida e precaríssima.

    O presidente da Comissão, Walter Colli, sequer permitiu que fossem lidos os pareceres contrários à aprovação dos novos eventos, conforme sugeriu o pesquisador Leonardo Melgarejo. Segundo Colli, era desnecessário ler os pareceres, uma vez que as duas comissões temáticas da CTNBio que haviam analisado os processos haviam sugerido a aprovação.

    É importante observar que um destes milhos piramidados não foi aprovado em nenhum país do mundo. Os brasileiros terão a glória de, heroicamente, se oferecerem para ser cobaias das multinacionais.
    Quando da votação do terceiro milho aprovado, este um transgênico “comum” da Syngenta, o MIR 162, o pesquisador Leonardo Melgarejo questionou o parecer do relator, Luiz Antônio Barreto de Castro, que não estava presente, por inúmeros problemas técnicos e imprecisões. O mais notável resume-se na frase a seguir: “Finalmente as regras foram estabelecidas levando em consideração que nem sempre a contaminação resulta em prejuízo para os agricultores que cultivam variedades ditas crioulas. Os genes que conferem resistência a insetos neste caso, como também os genes Bt, se objeto de fluxo gênico, têm alta probabilidade de permanecer nos cultivares Landraces. Contudo, mesmo que tal ocorra será vantajoso para a agricultura familiar.”
    Esta frase lhe causa espanto ao fazer parte do relatório científico que embasou a liberação de um milho transgênico? Para o presidente da Comissão, Walter Colli, não há nada demais aí. Segundo ele, “nem todas as considerações presentes nos pareceres consolidados são incorporadas na redação final” que ele mesmo revisa, retirando aquilo que lhe parece inadequado.
    Nas três votações, o placar foi o mesmo. Os únicos votos contrários às liberações irresponsáveis foram os dos representantes do Ministério do Desenvolvimento Agrário, do Ministério da Saúde, da Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca e o representante das organizações da sociedade civil na área da saúde. Os dois conselheiros que representam o MMA e os movimentos ambientais não estiveram presentes e não puderam votar.
    A outra novidade desta reunião da CTNBio foi o debate em torno da “desburocratização” da Comissão. O presidente Colli informou que a Comissão conta agora com competentes técnicos, que de aqui em diante deverão se encarregar do serviço trabalhoso e “menos importante”, como autorização de Certificados de Qualidade em Biossegurança, preparação de pareceres, análise de relatórios das empresas etc.
    Pela proposta, aos pesquisadores membros da CTNBio caberia apenas aprovar as liberações planejadas e comerciais dos transgênicos, deixando toda essa “parte desinteressante e burocrática” para os técnicos, cujos pareceres finais passariam apenas pela supervisão do Presidente. Colli disse ainda que bom mesmo seria se pudéssemos adotar o modelo australiano de análise de biossegurança, em que os próprios técnicos examinam e decidem tudo sobre a introdução de novos produtos.

    Diante da proposta, o pesquisador Melgarejo se manifestou argumentando que a análise dos resultados de experimentos a campo, por exemplo, é extremamente importante do ponto de vista científico, dado que neles aparecem dados e informações relevantes para as análises de biossegurança. Melgarejo também mencionou casos em que aparecem problemas graves, como um relatório que indicava que uma plantação havia sido feita no estado do Rio Grande do Sul, mas a colheita acontecera em São Paulo.

    Para Colli, não há nada de importante nos relatórios dos experimentos. Este caso, por exemplo, poderia ser “resolvido” pelos técnicos.

    Na verdade, a proposta de Colli foi recebida com grande entusiasmo pela maioria dos conselheiros, que externaram vários argumentos em seu apoio. Para alguns, as informações contidas nesses relatórios eram “inúteis” e “lê-los era uma grande perda de tempo.” Uma pesquisadora afirmou que os resultados e conclusões científicas, além de desnecessários, só costumam ser divulgados pelas empresas quando elas já estão em condição de lançar seus produtos no mercado (dando a entender que ela via riscos de que concorrentes pudessem aproveitar informações confidenciais ali contidas).

    Outro membro concordou, dizendo que “relatórios de liberações planejadas no meio ambiente, por exemplo, não deveriam precisar apresentar suas conclusões. Bastaria dizer se ‘tudo saiu conforme o planejado’”.
    A falta de interesse dos membros da CTNBio pelos aspectos científicos da análise de biossegurança é total. E o mais interessante é que nenhum deles se acanha em deixar isso evidente — lembremos que estas reuniões são todas gravadas!

    Ao final, Leonardo Melgarejo solicitou que a proposta do presidente Colli de transferir a responsabilidade da análise dos relatórios e outros documentos para os técnicos fosse redigida e encaminhada aos membros da Comissão, para análise e discussão na próxima reunião ordinária. Ao que o presidente negou em grande estilo: “Sou contra fazer leis. Prefiro resolver de maneira informal. Afinal, como diz um ditado italiano, “faça as leis, faça a confusão”.
    Ao final da reunião, que estava previsto para o final da tarde mas aconteceu às 11:00 h da manhã, Colli comemorou a agilidade com que conseguiram “analisar” e votar os processos. E fez sua profecia: “em breve, nem precisaremos mais de reunião. Os técnicos deixarão tudo mastigado e autorizaremos as liberações via videoconferência”.
    Enfim, ficamos tranquilos, não é mesmo? Já que o Colli garante…
    ==
    Na Câmara dos Deputados, sojicultores transgênicos começam a expor o drama de se tornarem reféns da Monsanto. Estão acordando, mas um pouco tarde…
    Por Maria Rita Reis
    Aconteceu esta semana na Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados uma Audiência Pública cujo título traduz uma triste confirmação do que as organizações que lutam contra os transgênicos no Brasil sempre avisaram que aconteceria: “Debater reivindicação dos sojicultores gaúchos que querem garantir o direito de reservar o produto de cultivares de soja transgênica para replantio em seus campos e também de vender essa produção sem pagar royalties à empresa Monsanto”. Ou seja: defender o “uso próprio” de sementes transgênicas, sem que seja necessário pagar royalties sobre a produção.
    No caso das sementes transgênicas, a Monsanto entende que aplica-se a lei de propriedade industrial e não a lei de proteção aos cultivares e, assim, considera que não é permitido o uso próprio. Entendemos que esta interpretação da lei é ilegal, pois no Brasil, além de não se admitir a “dupla proteção”, a lei de cultivares atual prevê que deve ser a única aplicável às variedades vegetais. O Judiciário ainda não decidiu definitivamente esta questão.

    Caso seja aprovada a proposta de modificação da Lei de Cultivares que vem sendo defendida no Governo pelo Ministério da Agricultura, o comportamento que a Monsanto vem adotando com relação às sementes transgênicas começará a se repetir com as sementes convencionais, uma vez que seria autorizada a cobrança sobre a produção no caso de “uso não autorizado”.

    Na mesa de debates, além da representante do Ministério da Agricultura e Abastecimento (MAPA) e uma das responsáveis pela formulação da proposta do ante projeto da lei de cultivares – Daniela Aviani, também estavam representantes das associações de sojicultores do RS (aqueles que costumávamos encontrar defendendo a aprovação da soja transgênica), representantes da Associação Brasileira de Sementes e Mudas (Abrasem) e um advogado da Monsanto.

    O “mote” da Audiência foi o fato de a Associação dos Produtores de Soja do RS (Aprosoja) ter ajuizado uma ação questionando o sistema de cobrança de royalties imposto pela Monsanto e defendendo o direito ao uso próprio de sementes. Na ação, que tramita na justiça estadual do RS, não foi concedida liminar e a Monsanto continua cobrando royalties.
    1. Ex-advogado do Monsanto pode assumir Advocacia Geral da União
    2. EUA aprovam a portas fechadas milho piramidado de 8 genes
    3. Linhaça transgênica ilegal contamina exportações canadenses
    4. Monsanto lança no Brasil sua marca mundial de algodão
    5. STJ mantém condenação da Bayer por ineficácia de fungicidas

    http://www.aspta.org.br/por-um-brasil-livre-de-transgenicos/boletim/boletim-459-18-de-setembro-de-2009 Quando vcs comprarem produtos ditos natuarais certifiquem-se de sua origem , pois esta materia já tem quase um ano e a monsanto já tinha introduzido no Canadá a LINHAÇA TRANSGÊNICA , portanto já devem estar a venda aqui tbm .
    Morgellons , doença dos trangenicos.
    Uma doença que provoca rupturas na pele pela erupção de fibras desconhecidas (aparentemente constituídas de celulose contendo minerais como alumina e calcita) com desfiguração e infecções secundárias, especialmente em crianças e idosos, designada “Morgellons disease”, se espalhou por todos os 50 estados dos EUA nos últimos 10 anos, concomitantemente à expansão dos transgênicos. Já há casos diagnosticados em países da Europa e África, no Japão, Filipinas, Indonésia e Austrália.

    O problema se agravou a ponto de ser instituída uma pesquisa oficial do Centers for Disease Control (CDC – USA) para determinar as causas dessa síndrome. Há indicações científicas de que é causada por Agrobacterium tumefasciens, o organismo mais alterado e trabalhado pela engenharia genética, que ensinou ao homem essa pseudotecnologia e fornece as Ti-Plasmids (Ti = Tumor Inducing, que produzem tumores nas raízes), estruturas de transferência de material genético que são usadas para carregar e inserir os transgenes.

    Como os Agrobacteria são muito promíscuos na aquisição de ácidos nucleicos e estão presentes em todos os solos do mundo, é provável que tenham incorporado genes de virulência para humanos, por exemplo, dos “promotores virais” usados na montagem de transgenes e seus mutantes, que continuamente se desprendem dos milhões de toneladas de resíduos transgênicos que se decompõem pelos campos cultivados, espalhando-se pelo ambiente.
    Doença do trigo é usada para promover transgênicos
    2, junho, 2010 Deixar um comentário Ir para os comentários
    Em 26 de maio a BBC Brasil publicou uma alarmante reportagem dizendo que “Fungo letal ao trigo pode ameaçar produção mundial de alimentos”. As novas linhagens do fungo foram descobertas na África do Sul, onde “chegou a destruir 80% das colheitas em algumas temporadas”. Segundo a matéria, “teme-se que agora o fungo esteja migrando. Como ele pode viajar a grandes velocidades, cerca de 160 km por dia, cientistas dizem que pode ser difícil controlá-lo”.

    A solução proposta quase em tom de ameaça é o uso de sementes transgênicas. Segundo um cientista citado, “Pesquisas mostram que a engenharia genética do trigo deverá ser aceita se o mundo quiser estar a frente dos fungos letais”.

    O que nem a reportagem, nem o cientista mencionam é até hoje nenhuma empresa pública ou privada conseguiu desenvolver sementes transgênicas realmente resistentes a doenças. Só há duas modalidades de sementes transgênicas no mercado: uma feita para tolerar à aplicação de herbicidas (e com isso usar muito mais herbicidas), e outra que produz plantas que são tóxicas a insetos. Todas as outras maravilhas propaladas, como resistência à seca, às doenças fúngicas ou a solos salinos não passam de boas intenções. Ou de boa propaganda mesmo.
    20 a 30 % dos alimentos dependem do trigo,
    Isso quer dizer que estamos Fo @##$$%%%¨…Nosso pãozinho , pastel ,macarrão
    condenados.
    Conhecido como UG-99, ele ataca o tecido vascular da planta, matando-a, processo que pode comprometer colheitas inteiras.

    O fungo foi descoberto há dez anos no leste da África e é endêmico no Quênia, onde chegou a destruir 80% da colheita em algumas temporadas.

    Mas teme-se que o o fungo esteja agora migrando. Como ele pode viajar a grandes velocidades, cerca de 160 km por dia, cientistas dizem que pode ser difícil controlá-lo.

    Transgênicos

    Cientistas já desenvolveram novas variedades de trigo resistentes ao fungo original mas estas últimas linhagens, descobertas na África do Sul, superaram a resistência.

    O especialista em doenças de plantas da universidade britânica de Cornell, Ronnie Coffman, diz que um dos desafios para conter o alastramento do fungo é a resistência que alguns países costumam ter em dividir informações cientificas.

    Coffman defende ainda a engenharia genética como forma de garantir um suprimento estável de alimentos, posição combatida por outros estudiosos.

    “Pesquisas mostram que a engenharia genética do trigo deverá ser aceita se o mundo quiser estar a frente dos fungos letais”, disse ele.

    O trigo é um dos alimentos mais consumidos em todo o mundo, representando cerca de 20% das calorias consumidas diariamente.

    Padre utilize estes conteúdos para sua defesa , Boa sorte amigo.

    Curtir




  4. Bebê de 6 meses morre após tomar vacina.

    PROJETO HAARP ,
    PROJETO ECHELOM,

    A maior praga do planeta “MONSANTO”.
    Soja tóxica ,adubos contaminados , transgenia ,nanotecnologia viral…
    Os efeitos colaterais só estão começado …
    Autoridades da área da saúde reconheceram pela primeira que a vacina da gripe suína pode estar ligada a um aumento do risco de desenvolver uma mortal doença neurológica, Síndrome de Guillain-Barre (SGB).

    Especialistas estão examinando uma possível associação entre a vacina contra o H1N1 e a Síndrome de Guillain-Barre (SGB), segundo um relatório da agencia reguladora do Reino Undo Medicines and Healthcare Products Regulatory Agency (MHRA), ou Agência Reguladora de Medicamento e Produtos de Saúde, em português.

    Anteriormente, o governo britânico (assim como o brasileiro), sempre insistiu que não há nenhuma evidência de ligação entre a condição paralisante e a vacina contra o H1N1.

    Cuida com o que vcs usam diariamente…
    Pesquisadores descobriram que uma exposição excessiva ao triclosan em jovens e uma exposição excessiva ao bisfenol A em adultos podem ter efeitos negativos sobre a saúde do corpo humano.
    Pesquisas anteriores já haviam associado efeitos negativos ao triclosan e bisfenol A, mas tinham sido realizadas com animais. Este é o primeiro estudo que mostra como esses tóxicos influenciam a função humana.
    O triclosan e o bisfenol A pertencem a uma classe de substâncias tóxicas ambientais chamadas de compostos desreguladores endócrinos (CDE), e podem imitar ou afetar os hormônios que causam riscos à saúde em seres humanos.
    Segundo os cientistas, o triclosan pode ser encontrado em sabonetes antibacterianos, dispositivos médicos, pastas de dente, canetas e fraldas de tecido, e pode causar alergias em pessoas jovens. Já o bisfenol A pode ser encontrado na maioria dos plásticos, revestimentos de proteção em latas e alimentos, e pode prejudicar o sistema imunológico dos adultos.
    Os pesquisadores utilizaram dados coletados entre 2003 e 2006. Eles compararam os níveis de anticorpos citomegalovírus (CMV) e o diagnóstico de alergias e de febre de feno (reação alérgica) a partir de amostras urinárias que continham bisfenol A e triclosan de adultos e crianças acima de seis anos nos EUA.
    Os resultados mostraram que pessoas com mais de 18 anos com níveis mais elevados de bisfenol A tinham níveis altos de anticorpos CMV. Isso indica que o sistema imunológico da pessoa pode não estar funcionando corretamente.
    Já aqueles com idade inferior a 18 anos, e com altos níveis de triclosan, tinham um risco aumentado de desenvolver alergias ou febre do feno.
    Esses resultados, especialmente o do triclosan nos grupos etários mais jovens, podem apoiar a “hipótese da higiene”, que sustenta que viver em ambientes muito limpos e higiênicos pode afetar a exposição a microrganismos que são benéficos para o desenvolvimento do sistema imunológico das pessoas.

    Curtir

  5. ELENA SAO PAULO

    É UM ABSURDO A RESPEITO DO QUE FALARAM ,MAS POR OUTRO LADO VAI DIVULGA AINDA MAIS A BIOSAUDE O POVO JA TA CANSADO DE TANTA FALSIFICAÇAO DOS MEDICAMENTOS .LEMBRAM DOS ANTICONCEPCIONAIS DE FARINHA E TANTOS OUTROS QUE SAO FABRICADOS POR AI,INVENTARAM OS GENERICOS MAS QUEM GARANTEM QUE E VERDADEIRO.SE FOSSEM NAO PRECISAVA DAS PESSOAS TOMARAM TANTO REMEDIO UM SO JA RESOLVERIA.PRECISAMOS SIM DIVULAGAR OS TRATAMENTOS NATURAIS PARA TODAS AS PESSOAS.O CANCER SO VAI TER PARA DE SE ALASTRAR COM PLANTAS MEDICINAIS.PORQUE A QUIMIOTERAPIA DO GOVERNO NAO CURA SO MATA.TODOS OS DIAS VARIAS PESSOAS PERDEM A VIDA TOMANDO REMEDIO DE FARMACIA E NINGUEM FAZ NADA.DIVULGAM SIM MUITO E MUITO A CURA PELA PELA BIOSAUDE.SOU TOTALMENTE A FAVOR E FAÇO USO TBEM.

    Curtir

  6. Avanço nas drogas contra câncer ,
    Apesar do cenário negativo, a área terapêutica de oncologia foi uma das que mais cresceu no ano passado, respondendo por 26% do investimento total em P&D. O segundo setor que apresentou melhores resultados foi o de medicamentos para doenças do sistema nervoso, de acordo com o documento. O levantamento mostrou também que, em 2010, as grandes farmacêuticas — definidas pelo estudo como aquelas que despendem ao menos US$ 2 bilhões por ano em P&D — registraram um recorde de vendas, alcançando a marca de US$ 856 bilhões. Desse resultado positivo, entretanto, apenas 5% são originários de vendas de produtos lançados nos últimos cinco anos.

    O “Pharmaceutical R&D Factbook” mostra ainda que há um movimento de mudança geográfica dos estudos clínicos dos países da Europa Ocidental e da América do Norte para as economias emergentes — principalmente do sudeste da Ásia —, onde os custos são menores e há mais facilidade para recrutar voluntários. Além disso, as agências reguladoras dos países mais desenvolvidos têm ampliado suas exigências para autorizar a realização dos testes clínicos, aponta o estudo.
    Os grandes laboratórios.
    Estão muito estressados com o resultado das ultimas pesquisas , pois não alcançaram o objetivo desejado e o seu lucro anual de 2010 foi de US$ aprox 770 bilhoes … rsrsrsrsrs

    Fonte :inovacamp

    Curtir

  7. Faz 17 anos conheço a seriedade e os benefícios do Método Bioenergético de Diagnóstico e Cura, cuja incentivador maior é o querido Padre Renato Barth, que, das vezes que veio a João Pessoa hospedou-se em minha casa. A ele e ao Bio-energético deve a saúde que tenho hoje.
    Preciso entrar em contato urgente com o Padre Renato.
    Obrigado.
    Um abraço.
    Geraldo.
    gbarca@uol.com.br

    Tel 0…83 3231 2454

    Curtir

  8. Faço tratamento na Biosaude de Cuiabá, no Bairro do CPA2, na Igreja Católica Apostólica, há 6meses e estou muito contente e feliz com o tratamento, pois antes fui a vários médicos alopatas e não conseguiram me curar de uma alergia nos braços. Sou e serei sempre uma grande defensora do Padre Renato, que não o conheço pessoalmente, pois faço o tratamento, com duas de suas Alunas, que são muito competentes. Obrigado por existir a Biosaude.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s