Nanoemulsão de óleo de arroz alivia inflamações da pele

Por Sandra O. Monteiro –
sandra.monteiro@usp.br

Partículas nanométricas da emulsão permitem melhor penetração do produto

Composto formado por inúmeras partículas que medem entre 50 e 200 nanômetros (nm) à base de óleo de arroz (obtido do farelo de arroz e usado na composição de protetores solares e hidratantes), promove a melhora da hidratação e da oleosidade da pele de pessoas diagnosticadas com dermatite atópica ou psoríase.

A substância, que contém água, óleo e tensoativo (produto que possibilita a mistura de água e óleo) tem a superfície de contato com a pele aumentada devido às minúsculas partículas que a formam.

Ela atua como antioxidante e adjuvante no tratamento da pele ressecada de quem tem uma ou outra doença, pois ajuda na formação de uma proteção maior à camada mais externa da pele, além de evitar processos inflamatórios e reduzir a utilização de corticosteróides (hormônios sintéticos que inibem a inflamação).

Para a obtenção da nanoemulsão, a farmacêutica Daniela Spuri Bernardi testou diversos pares de tensoativos chegar a um composto estável, após 90 dias de observação das misturas.

“Este cuidado é essencial para verificar se as partículas do composto mantêm o tamanho nanométrico e se o pH [indicador de acidez, alcalinidade ou neutralidade de uma solução], além da condutividade elétrica da substância, não se altera, ou seja, se há ou não perda das propriedades como cor, textura e validade do composto neste período.”

Foi realizado o procedimento de cromatografia líquida de alta eficiência, a qual serve para identificar os compostos do óleo de arroz.

“Dentre as substâncias encontradas no óleo de arroz, há a presença de gama-orizanol, substância já conhecida por sua capacidade antioxidante e entre outras características por já beneficiar o tratamento de outras doenças da pele sem ser a dermatite atópica e a psoríase.” diz Daniela.

Irritabilidade, hidratação e oleosidade

Antes de realizar testes in vivo, a pesquisadora também efetuou ensaio pré-clínico in vitro por meio de um modelo denominado HET CAM, que utiliza a membrana corioalantóide de ovos de galinha embrionados. Esta estrutura é bem fina e bastante irrigada por vasos sanguíneos e envolve o embrião.

O teste consiste em aplicar certa quantidade do produto puro e aguardar por 5 minutos para verificar se há qualquer tipo de dano à membrana. A ausência de qualquer alteração , bem como de ruptura, determinou que potencialmente, a nanoemulsão de óleo de arroz não irrita a pele humana.

Foram realizados testes com 26 voluntários em que o óleo de arroz foi aplicado no antebraço (sem lesões), 17 pessoas com pele normal e 9, com psoríase e 8, com dermatite atópica.

A preparação da pele do antebraço para receber o produto ocorreu pela lavagem da região com água e sabão com duas hora de antecedência à aplicação, e 15 minutos de aclimatação à sala onde o produto seria aplicado.

Os resultados demonstraram alta hidratação da pele dos dois grupos e um aumento positivo de oleosidade.

Conforme relata a farmacêutica, “isto implica numa melhora na função de barreira da pele e não uma cura, mas na possibilidade de um tratamento complementar ao usual que pode atuar também como preventivo, uma vez que a pele menos ressecada causa menor possibilidade de formação de placas ou de feridas.”

Dermatite Atópica e Psoríase

A Dermatite Atópica é considerada uma forma específica de alergia, não contagiosa e hereditária. Caracteriza-se pela inflamação crônica da pele que causa muitas vezes vermelhidão e coceiras principalmente em regiões como o cotovelo, joelhos e pregas da pele devido ao ressecamento.

O ato de coçar o local alivia, mas também, provoca lesões e contaminação devido à fragilidade da pele.

Em contrapartida, a pele de pacientes com psoríase sofre com inflamações crônicas e a renovação rápida das células das regiões afetadas, o que além de engrossar a camada mais superficial da pele, gera a formação de placas e escamações.

“Em ambos os casos a complementaridade da nanoemulsão ao tratamento dos pacientes funciona por meio do aumento da hidratação e da oleosidade e pode, com isto, aliviar a sensação incômoda de coceira provocada pelo ressecamento e diminuir as lesões provocadas pelos próprios pacientes em seu corpo ao se coçarem”, diz a farmacêutica.

A dissertação de mestrado Desenvolvimento de nanoemulsão de óleo de arroz como adjuvante no tratamento de dermatite atópica e psoríase foi defendida, em 2011, na Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) e orientada pelo professor Pedro Alves da Rocha Filho do laboratório de Tecnologia cosmética.

Mais informações: danibernardi81@yahoo.com.br

Fonte: [ Agência USP de Notícias ]

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Biotecnologia, Doenças, Fitoterápicos, Medicamentos, Técnicas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s