Brasil precisa combater pirataria genética

.

São Paulo – O Brasil induz a biopirataria com seu sistema arcaico de registro de patentes e precisa aprimorá-lo com urgência, segundo o presidente da Associação Brasileira da Propriedade Intelectual (ABPI), Luiz Henrique do Amaral.

O especialista lembra que a espera pelo exame de registro de patente leva 11 anos e que para fazer estudos com material biológico um pesquisador brasileiro precisa de registro e de aprovação do Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (CGEN).

“O CGEN está parado, é o pior dos mundos. Se você tem um regime de acesso que é tão complicado, difícil e lento, o que você está fazendo?”, disse à Agência Estado no Congresso Internacional de Propriedade Intelectual, realizado no Rio. “O Brasil está induzindo a biopirataria, precisa urgentemente mudar esse sistema de patentes”.

O Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) conseguiu reduzir à metade o tempo de espera para a análise de um registro de patente, mesmo assim o prazo ainda é longo demais. Há sete anos, eram necessários 22 anos de espera. Hoje, são 11 anos e o instituto trabalha para reduzir o prazo para quatro anos.

Uma redução maior do prazo esbarra numa restrição legal que determina 18 meses de espera depois da entrada da primeira papelada e outros 18 para a empresa se manifestar se realmente quer que o pedido seja examinado. Antes dos primeiros 18 meses, o INPI sequer pode avaliar a questão.

Hoje, o Brasil conta com 273 examinadores. Para efeito de comparação, a Coreia do Sul dispõe de 1 mil, diz Amaral. O INPI diz que são necessários dois anos para treinar um examinador. O instituto está em processo para dobrar sua equipe de patentes, mas precisa de aprovação do Congresso Nacional.

Especialistas na área discutiram hoje no evento a importância da propriedade intelectual para o aumento da competitividade das empresas e reclamaram dos atrasos na legislação na área. O presidente da Biopalma – Vale Soluções em Energia, Ivo Fouto, afirmou que a companhia precisa comprar no exterior todas as sementes de palma que utiliza, por não existir desenvolvimento tecnológico para esta área no Brasil. “Esta é uma área com grande potencial de desenvolvimento”, disse.

Ele disse que é preciso não apenas registrar a patente, mas também proteger a tecnologia criada e conseguir remuneração por ela, via royalties ou outra ferramenta de captura de valor. Fouto reclama dos entraves à aplicação de novas tecnologias no Brasil e no exterior. Segundo ele, a Biopalma poderia contribuir para o aumento da produção de alimentos em países em desenvolvimento, como em Moçambique, onde tem operações. “Somos impedidos de aplicar tecnologias por falta de disponibilidade tecnológica”, disse.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Biodiversidade, Biopirataria, Congresso, Técnicas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s