Planta que absorve metais pesados pode ser usada para tratamento de igarapés

por Elaíze Farias

A planta aquática orelha-de-elefante-gigante, comum em matas ciliares, consegue absorver metais como chumbo e cobre

Planta orelha-de-elefante-gigante tem capacidade de absorver metais pesados
(Divulgação/Josias Coriolano de Freitas)

Um grupo de pesquisa da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) está desenvolvendo um sistema baseado na planta aquática orelha-de-elefante-gigante (Alocasia macrorhiza) para o tratamento das águas do igarapé contaminado de Manaus.

O engenheiro químico Josias Coriolano de Freitas, cuja tese de doutorado identificou a capacidade da planta em absorver metais pesados, diz que a orelha-de-elegante-gigante ajuda na recuperação de áreas degradadas e no tratamento de efluentes líquidos, entre outras ações.

“A planta pode ser utilizada naturalmente. Não é preciso usar nenhum produto químico. No momento o grupo está procurando aperfeiçoar o sistema de tratamento natural”, disse Freitas, em entrevista ao portal a critica.com.

A pesquisa do engenheiro químico foi realizada entre 2008 e 2010 e foi divulgada na semana passada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), agência financiadora do estudo.

A orelha-de-elefante-gigante é uma planta de origem asiática, mas que se adaptou bem ao clima tropical da Amazônia. Em Manaus, ela é comum nas matas ciliares. A pesquisa de Freitas atestou que a orelha-de-elefante-gigante tem capacidade para absorver grandes concentrações de chumbo, seguido de cromo, cadmo, cobre, níquel e zinco.

Controle

O engenheiro químico destaca que a viabilização do controle de metais pesados em regiões urbana passa primeiramente por um sistema de tratamento de esgoto doméstico e industrial adequado, reciclagem do lixo urbano e programa de educação ambiental.

“Infelizmente as ações para a redução dos metais pesados em Manaus são bastante pontuais e os programas governamentais não tem continuidade. Devemos continuar investindo em pesquisas porque desta forma teremos mais opções para fazer a melhor escolha de descontaminação do ambiente”, observou.

Mas nos casos onde os metais já estão presentes e consolidados, a planta orelha-de-elefante-gigante é a alternativa para evitar um malefício maior, embora existam outras espécies que possam possuir a mesma capacidade.

“Há plantas que se estressam, ficam atrofiadas, mudam de cor, mudam seu DNA e têm anomalias. A orelha-de-elefante-gigante, durante a nossa pesquisa, não apresentou nenhum estresse. Era resistente e mostrou ter uma vida longa mesmo acumulando uma quantidade muito alta de metais pesados”, explicou.

Segundo Freitas, a grande concentração de chumbo na planta deve-se à competição entre os metais, que leva à preferência da planta por um deles.

“Dois fatores foram fundamentais para a absorção do chumbo: a alta concentração e a competição entre os outros metais. A variação da concentração dos outros metais faz com que exista uma competição entre eles e com isso a planta terá preferência pelo o chumbo. Geralmente, o chumbo está associado a origem urbana, principalmente lixo e a atividade industrial”, explicou.

O trabalho de campo para análise da pesquisa foi feito em áreas cujo nível de contaminação é elevado. É o caso de igarapés próximos da Universidade Luterana, no conjunto Atílio Andreazza, no Japiim, na Zona Sul; na Avenida Torquato Tapajós, no bairro Flores, na Zona Norte; no Conjunto Jardim de Versalles, no bairro Planalto, na Zona Centro-Oeste; no Posto Rodoviário de Manaus da Rodovia BR-174, quilômetro 7, e em uma área não impactada localizada na Ufam, no bairro Coroado, na Zona Leste.

Fonte: [ A Crítica .com ]

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em Biossegurança, Controle biológico, Meio Ambiente

4 Respostas para “Planta que absorve metais pesados pode ser usada para tratamento de igarapés

  1. Arnaldo Rentes

    Muito boa sacada! É uma arácea e no Pará, o nome popular genérico para qualquer arácea, principalmente as terrestres, é “tajá”, seguido de outra palavra que designa “aquele” tajá. E me lembro que nos arredores de Belém essa Alocasia é conhecida por “tajá-de-vala”. Já era uma pista de sua capacidade de viver em água poluída.
    Agora, uma dúvida. Não trabalho com fitorremediação, mas ao que me lembro o maior problema é o que fazer com os tecidos contaminados, com chumbo neste caso. A folhagem dessas aráceas terrestres tem uma estrutura genial, que usa muito ar, água, um mínimo de celulose como matéria seca e alguns truques químicos que dão consistência a tudo isso. Só que essa mágica tem vida curta; o que fazer com a folhagem velha?
    Abraço do
    Arnaldo

    Curtir

  2. Presidente Prudente, 13 de fevereiro de 2012.
    Prezados Senhores!
    Li o artigo sobre a orelha de elefante gigante e estou interessado em plantar em terrenos úmidos (volta de uma represa). Caso alguém possa fornecer o endereço de quem poderia fornecer mudas, ficaria muito grato e prometo mantar fotos do resultado.
    Muito grato!
    João Moreno Romero

    Curtir

  3. João Carlos

    Não vejo nada de excepcional. Há várias plantas nativas que tem essa capacidade. Para que trazer plantas exóticas ? Qual o destino que se deve dar às plantas que já absorveram os metais pesados ? Se forem deixadas sem cuidados, as folhas ao envelhecerem e caírem terminam devolvendo ao meio ambiente tudo o que foi absorvido por elas. Os metais pesados não se degradam. Ou seja há que se fazer plantações e posteriormente colheitas nos igarapés. O que fazer com o material recolhido ? Trata-se, pois, de uma solução altamente discutível.

    Curtir

  4. Kelly

    Ola, bastante interessante o trabalho, mas gostaria de saber qual o destino dado a planta após ela ter absorvido o metal pesado
    Att.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s