Entrevista com o professor Francisco José de Abreu Matos, criador do projeto Farmácias Vivas

ENTREVISTA PROFESSOR ABREU MATOS – CRIADOR DO PROJETO FARMÁCIA VIVA

Segue uma ótima entrevista com o professor Abreu Matos para o site Sapiência, poucos meses antes de seu falecimento:

A missão de unir o conhecimento popular ao científico

Sapiência – Como partiu a idéia de criação do Projeto Farmácia Viva?

Dr. Matos – Pouco depois de aposentado, fiz um retrospecto de minha atividade ao longo 20 anos, como professor e pesquisador em regime de Dedicação Exclusiva na UFC, nas áreas de farmacognosia e de química orgânica, especialmente com produtos naturais.

Numerosas comunicações em congressos, trabalhos publicados no Brasil e no exterior, muitos dos quais sobre estudos, envolvendo as áreas da taxonomia botânica, química de produtos naturais secundários e farmacologia, realizados em equipes de plantas medicinais em ocorrência no Nordeste tinham aí a justificativa de suas propriedades.

Isto, mais a minha participação no Programa de Pesquisas de Plantas Medicinais, o PPPM, idealizado e coordenado pela antiga Central de Medicamentos do Ministério da Saúde (CEME), formaram a base para a criação do Projeto Farmácias Vivas, com o objetivo de promover a substituição de plantas usadas empiricamente por outras com a garantia de eficácia e segurança disponíveis na região.

Havia chegado à hora de retribuir para o povo o que recebi em muitos anos de estudos como aluno da escola pública, do ginásio até a universidade.

Sapiência – Esse projeto é de suma importância porque auxilia no tratamento de saúde de comunidades mais carentes. Porém, não existem incentivos e nem políticas públicas que o fortaleça. Esses são os principais entraves para que ele seja ampliado?

Dr. Matos – Em parte sim. Apesar de ter sido uma idéia que deu certo e tem demorado muito a ser assumida pelos cursos da área de saúde das universidades, mesmo tendo sido aprovada em concurso promovido pela Fundação Banco do Brasil como uma tecnologia social efetiva. Conseqüentemente não se alcançou número mínimo necessário de profissionais das áreas da saúde e de agronomia para a ampliação do projeto. Espera-se que a recente aprovação por Decreto Presidencial da Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos direcione recursos para formação de pessoal e pesquisas e permitam a ampliação dessa metodologia e sua implantação a cada região do país.

Sapiência – O Brasil concentra pelo menos 22% das espécies de plantas floríferas conhecidas e catalogadas hoje na natureza. Das cerca de 120 mil espécies de plantas catalogadas no Brasil pela OMS, apenas duas mil são utilizadas como medicinais e, destas, apenas 10% são pesquisadas, de forma que, no futuro, se descubram eficácias terapêuticas. Por que a ciência não deu, até agora, a devida importância no âmbito das pesquisas químico-farmacológicas?

Dr. Matos – Pesquisas químico-farmacológicas são desenvolvidas habitualmente pelas grandes empresas farmacêuticas dos países do primeiro mundo com gastos de vários milhões de dólares na busca de novas moléculas biologicamente ativas, que viram patentes. Essas pesquisas no Brasil são realizadas a uma velocidade bem menor proporcional ao volume de recursos aplicados pelo Governo. Mais rendoso seria o trabalho de determinação da eficácia terapêutica das plantas usadas pelo povo. No Nordeste, são mais de 600 espécies, somente cerca de 100 têm determinadas, muitas vezes, só parcialmente sua eficácia e segurança.

Sapiência – A região dos cerrados possui uma fonte de riquezas incalculável com relação a plantas medicinais, a maioria ainda não estudada. Porém, há poucas leis ambientais que protegem esse ecossistema, como ocorre nas Florestas Amazônica e na Mata Atlântica. É possível, assim, que boa parte dessas espécies, que ajudam no desenvolvimento da fitoterapia, venha a ser extintas?

Dr. Matos – Sim, tanto no cerrado como na caatinga várias espécies estão sob risco, inclusive algumas usadas nos programas municipais de fitoterapia como a Aroeira do Sertão e a Imburana de Cheiro ou Cumaru do Nordeste. Com a ampliação do consumo, cresce o mercado de cascas e aumenta o risco de extinção da espécie. Este é outro aspecto da exploração de plantas para a fitoterapia.

Sapiência – Os pesquisadores do Núcleo de Pesquisas de Plantas Medicinais (NPPM) e Departamento de Química da UFPI estão desenvolvendo estudos em parceria. Projetos aprovados pelo CNPq contribuem até para a criação do Laboratório de Produtos Naturais e a criação do mestrado na área pode virar uma realidade. Como o Senhor analisa essa dinâmica do fazer pesquisa no Nordeste? De que forma as pesquisas em rede beneficiam determinada região?

Dr. Matos – Em todo o Nordeste, existem tão bons pesquisadores quanto nos estados mais ricos do Centro-Sul. A parceria é uma boa forma de reunir boas cabeças de um lado e boas instalações de outro, além de acelerar o processo de capacitação dos grupos. Por outro lado, cria a oportunidade de estudo das plantas nordestinas muito pouco estudadas.

Sapiência – Como a população pode se beneficiar dos resultados de estudos com plantas medicinais?

Dr. Matos – O projeto Farmácias Vivas e a Política Nacional de Plantas Medicinais já demonstram os benefícios deste estudo. A experiência tem mostrado que é possível controlar 80% dos males de uma comunidade com fitomedicamentos preparados com apenas 15 espécies do elenco selecionado pelo Projeto Farmácias Vivas.

Sapiência – O que falta para transformar os artigos científicos oriundos das teses e dissertações na área de plantas medicinais em patentes ou medicamentos fitoterápicos no Brasil?

Dr. Matos – Patentes requerem sigilo durante as pesquisas o que é incompatível com os estudos feitos por professores cujo apoio dos órgãos financiadores depende da produção científica do pesquisador. Para aproveitamento das pesquisas na criação de fitoterápicos há necessidade de uma metodologia aplicada a esse objetivo.

Sapiência – Que avaliação pode ser feita sobre o potencial farmacológico da nossa flora e o desenvolvimento de pesquisas nessa área?

Dr. Matos – O potencial é fantástico, especialmente na região amazônica. Mesmo no Nordeste é também muito grande, mas tempo para torná-lo realidade depende de mais investimentos em pessoal e material adequadamente dirigido, o que está previsto no documento que divulga a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Seria muito bom que todos os interessados assistissem atenciosamente ao excelente videoclipe “O problema dos fitoterápicos” produzido sob os auspícios do CNPq e da Fiocruz.

Sapiência – Há uma crítica sobre o conhecimento da Botânica disseminado na sociedade: o homem de hoje praticamente não conhece/identifica mais as plantas como no passado. Isto é decorrente da urbanização ou do desprezo à natureza em nome da tecnologia? Como isto afeta a pesquisa em plantas medicinais?

Dr. Matos – Isto acontece principalmente no meio urbano onde as pessoas se desligam da natureza, forçadas pela luta pela sobrevivência e quase que hipnotizadas pela propaganda do “tome isso”, “beba aquilo”, compre, compre, compre.

Sapiência – Amantes da natureza idealizam as virtudes dos produtos naturais, incluindo as plantas. Essa afirmativa é correta? Qualquer produto, por ser natural, é bom?

Dr. Matos – Ser natural não significa ser bom. O chá de espirradeira indevidamente usado para interromper uma gravidez não desejada, muitas vezes mata também a própria mãe. Um supositório de babosa usado pelo povo para tratar crises de hemorróidas pode provocar grave intoxicação renal se contiver quantidade apreciável do sumo amarelo das folhas.

Sapiência – Qual produto ou planta que vem sendo objeto maior de suas investigações científicas atualmente?

Dr. Matos – Duas plantas se constituem objeto maior de minhas atenções no campo da fitoterapia: o açafrão-da-índia (Curcuma longa L.) ou Açafroa no Ceará, e o Agrião-do-brejo (Eclipta erecta L.). A primeira atua como normalizador dos níveis de triglicérides e colesterol no sangue, ação anti-PAF, antiinflamatória, antidispéptica e protetora do intestino contra o câncer de cólon. A segunda, por suas atividades imunoestimulantes, potencialmente capaz de diminuir a freqüência das infecções oportunísticas dos portadores do vírus HIV e sua ação hepatocitoprotetora, potencialmente útil no controle do bem-estar de pacientes em tratamento antitumoral com os potentes quimioterápicos.

Fonte: [ Farmácia Viva Ceará ]

— FARMÁCIA VIVA – Centro Fitoterápico de Viçosa do Ceará

Criado em 1983 pelo farmacêutico Francisco José de Abreu Matos, da Universidade Federal do Ceará. O Projeto Farmácia viva é direcionado para a saúde pública, cujas plantas permitem, hoje, o tratamento de aproximadamente 80% das enfermidades mais comuns nas populações de baixa renda.

No dia 10 de outubro de 2002 foi inaugurado o Centro Fitoterápico de Viçosa do Ceará, com base no projeto Farmácias Vivas da Universidade Federal do Ceará, criado pelo Professor Francisco José de Abreu Matos, tendo como objetivo a produção e a utilização de produtos com fins terapêuticos oriundos da flora medicinal da região, para que seja possível a substituição do uso empírico tradicional pelo emprego correto, científico e racional de plantas validadas como medicinais.

O Centro Fitoterápico dispõe de técnicos capacitados e recursos físicos estruturais adequados (Horto municipal, maquinário atendendo as normas técnicas).
Atualmente o laboratório é mantido somente com recursos municipais e são produzidos dez diferentes tipos de medicamentos fitoterápicos (utilizam plantas em sua formulação) e sete tipos de medicamentos oficinais (descritos na Farmacopéia Brasileira).

Com a manutenção deste projeto toda a população de Viçosa do Ceará é beneficiada, pois há redução de gastos da prefeitura com a compra de medicamentos industrializados; minimização de danos colaterais causadas pelo uso destes; respeito ao conhecimento popular e integração e equilíbrio entre o homem e o meio ambiente.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Entrevistas, Plantas Medicinais

2 Respostas para “Entrevista com o professor Francisco José de Abreu Matos, criador do projeto Farmácias Vivas

  1. Arnaldo Rentes

    Quando se vê um formador de opinião na área médica pilotando uma coluna semanal no Fantástico só para desqualificar a fitoterapia… não é preciso muito mais para entender.
    Seria possível ao Tudo Sobre Plantas fazer uma matéria completa – talvez em capítulos – sobre o Projeto Farmácia Viva? Ele tem de se espalhar pelo País, porque o material básico – plantas medicinais, quem as conhece e quem as usa – existe em todo lugar.
    E pela relevância, talvez fosse bom trocar “Projeto” por “Programa”. Por definição, projetos são transitórios; programas não são, ou não deveriam ser.

    Curtir

  2. barbara

    seria interesante comversar onllaine

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s