Esclarecida a genética do ciclo diário das plantas

Florescência depende de um gene que também controla a dormência diária
Fotografia © Reuters-Mohsin Raza

A adaptação do mundo vegetal ao ciclo solar é controlada por um grupo de 12 genes com atuações precisas ao longo do dia. A descoberta pode ter vastas implicações na agricultura.

Cientistas da Universidade de Edimburgo identificaram a genética que controla o metabolismo das plantas e o chamado “relógio interno” que regula o ritmo biológico diário. Segundo a BBC, os investigadores conseguiram detetar um total de 12 genes que, ao atuarem em conjunto em determinados momentos do dia, preparam a planta para as horas de sol ou de noite.

Esta investigação pode ter profundas implicações na agricultura, já que o gene que controla a dormência também está ligado à florescência. Os resultados foram replicados por outra equipa baseada em Barcelona.

Em causa, está a compreensão do chamado “ciclo circadiano”, uma variação do metabolismo de todas as plantas conforme o ciclo solar diário. As plantas têm vários ritmos de absorção de nutrientes ou de água, fotossíntese ou respiração, conforme a sua exposição à luz solar, existindo um ciclo diário que foi pela primeira vez detetado na década de 30 do século passado e que ocorre em plantas e bactérias. O termo cirdadiano vem do latim “circa diem”, ou “cerca de um dia”.

O que entretanto se compreendeu foi que os genes envolvidos podem preparar a planta, por exemplo, para uma fase dormente.

No caso deste estudo, foi descoberta uma proteína, conhecida por TOC1, que à noite pode reduzir a atividade dos genes. Antes, pensava-se que esta proteína estava ligada ao aumento do metabolismo. Citado pela BBC, o chefe da equipa de cientistas, Andrew Millar, explicou que “o relógio biológico é particularmente importante para as plantas se prepararem para o dia e para a noite, armazenando energia para o crescimento.

Compreendemos agora como funcionam os 12 genes e como eles são típicos de determinadas horas do dia”. Os mesmos genes estão envolvidos no controlo do ritmo diário em diferentes espécies e até em algas unicelulares. Embora a esperança de aplicações agronómicas seja elevada, falta ainda aos investigadores compreender a genética da fotossíntese, da absorção de azoto(*) ou da fragrância, aspetos cruciais na vida das plantas.

Fonte: [ DN Ciência ]

(*) Azoto, ou nitrogênio (N).

About these ads

Deixe um comentário

Arquivado em Biotecnologia, Cultivo, Curiosidades, Meio Ambiente, Sementes, Técnicas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s