Substância encontrada em planta impede reprodução do vírus da Hepatite C

A substância encontrada nas folhas do mirtilo é similar aos compostos químicos benéficos existentes no vinho e nas uvas.[Imagem: Scott Bauer]

Planta contra vírus

Um composto químico encontrado nas folhas do mirtilo (blueberry) possui uma grande capacidade de bloquear a replicação do vírus da Hepatite C. A descoberta abre uma nova avenida nas pesquisas para o tratamento das infecções crônicas da hepatite viral, que afeta mais de 200 milhões de pessoas em todo o mundo e que eventualmente leva a complicações como a cirrose e o câncer de fígado.

Entre as áreas com níveis particularmente altos de infecção pela Hepatite C está a cidade de Miyazaki, no sul do Japão, uma tendência que levou o professor Hiroaki Kataoka e seus colegas da Universidade de Miyazaki a empreenderem uma busca pelas melhores opções para o tratamento.

Atualmente não há vacina para Hepatite C e, embora uma combinação de medicamentos possa eliminar a infecção, esse tratamento é efetivo em apenas 60% dos casos e possui sérios efeitos colaterais.

Suplemento alimentar preventivo

Kataoka e seus colegas acreditavam que, uma vez que o vírus da Hepatite C se localiza no fígado e pode levar 20 anos ou mais para se manifestar como doença, um suplemento alimentar poderia ajudar a diminuir ou até paralisar a progressão da doença.

Com essa hipótese, eles testaram quase 300 produtos agrícolas em busca de substâncias com potencial para suprimir a reprodução do vírus.

O resultado da pesquisa foi a descoberta de um forte candidato nas folhas do mirtilo conhecido como mirtilo olhos-de-coelho, nativo do sudeste dos Estados Unidos.

Proantociandina

Os cientistas purificaram a substância e a identificaram como proantociandina, um polifenol similar aos compostos químicos benéficos existentes no vinho e nas uvas.

Embora a proantociandina possa causar males à saúde, os pesquisadores perceberam que sua eficácia contra o vírus da Hepatite C ocorre em uma concentração 100 vezes menor do que o limite da toxicidade, o que é comparável à concentração de vários compostos químicos também tóxicos existentes em outras plantas comestíveis, sugerindo que o composto possa ser seguro como suplemento alimentar.

O próximo passo da pesquisa será desvendar detalhadamente os mecanismos da ação da proantociandina, descobrindo como ela impede a replicação do vírus da Hepatite C. Ainda não estão previstos testes para seu uso por humanos.

Fonte: [ Diário da Saúde ]

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Plantas Medicinais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s