SiSTSP – Silene (Silene stenophylla)

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
| SiSTSP – Banco de Plantas Notaveis
| Projeto Tudo Sobre Plantas
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
NOME CIENTIFICO: Silene stenophylla
NOME(S) POPULAR(ES): Silene
FAMILIA (APG2): Caryophyllaceae
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
Detém o título de mais antiga planta congelada a ser regenerada.

A S. stenophylla é encontrada na tundra ártica do extremo leste da Sibéria e nas montanhas do norte do Japão.

A espécie é uma das poucas plantas da Beríngia que não se estabeleceram na América do Norte.

É perene e cresce em rochedos e costas arenosas.

Tudo começou em 2007, quando frutos e sementes dessa e de outras plantas foram encontradas em tocas, pouco maiores que uma bola de futebol, feitas por esquilos pré-históricos e situadas a 38 metros de profundidade.

A escolha da Silene stenophylla para a experiência inédita se deu pela já conhecida resistência da espécie, que ainda existe na atualidade, embora apresente diferenças consideráveis dos exemplares que viveram no Pleistoceno.

Uma vez selecionados os frutos e as sementes em melhor grau de preservação foram colocados em ambiente nutritivo. Após um tempo surgiu o primeiro germe que foi exposto à luz e se tornou verde em dois dias. O broto foi em seguida plantado no solo e germinou.

De acordo com um dos cientistas que coordenou o experimento, Stanislav Gubin, “foi um autêntico milagre ter conseguido esta germinação de uma semente com 30 mil anos de idade.”

Esse é um recorde para “ressurreição” de vegetais. Até então as sementes mais antigas que se tinha conseguido fazer germinar eram de tamareiras e de flores-de-lótus que tinham cerca de 2 mil anos.

O estudo foi publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS)[3].

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
ficha disponivel online em:
http://www.tudosobreplantas.com.br/asp/plantas/ficha.asp?id_planta=7358
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
Registro atualizado em: 29/05/2013 11:05:14, por Anderson Porto.
=-=-

Poda de renovação de videira / parreira

Incisiva, poda é mais indicada para as variedades americanas e híbridas

O cenário está pronto. A Serra gaúcha entra na época ideal da poda seca nas videiras (período de dormência). Até meados de setembro, produtores podam as plantas para a produção da nova safra e o equilíbrio da parte vegetativa com a produtiva.

Uma técnica não tão recente, mas que exige conhecimento, contribui para melhorar a produção, reduzir o número de aplicações de fungicidas, e o volume de adubos, além de simplificar a mão de obra. Trata-se da poda de renovação, mais indicada para as variedades americanas e híbridas, chamadas de comuns, e no sistema latada.

“A técnica é incisiva, e até considerada drástica, por retirar grande volume de madeira da parreira”, explica o engenheiro agrônomo Enio Ângelo Todeschini, assistente regional de fruticultura da Emater Regional da Serra. Sem a poda, as pernadas (ramos velhos que formam a estrutura da copa) crescem muito, produzindo só na ponta, o que exige muita energia da planta.

Continue Lendo “Poda de renovação de videira / parreira”

SiSTSP – Maracujá (Passiflora edulis)

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
| SiSTSP – Banco de Plantas Notaveis
| Projeto Tudo Sobre Plantas
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
NOME CIENTIFICO: Passiflora edulis
NOME(S) POPULAR(ES): Maracujá, Maracujazeiro
FAMILIA (Cronquist): Passifloraceae
FAMILIA (APG2): Passifloraceae
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
O suco de maracujá é o 3º mais produzido no Brasil, atrás apenas do suco de laranja e de caju.

No Brasil, a fruta é produzida em todos os estados exceto pelo Rio Grande do Sul, sendo que a região Nordeste é a maior produtora (44%), especialmente os estados da Bahia (22%), Ceará e Sergipe. Destacam-se também os estados do Pará, Espírito Santo e São Paulo.

Os extratos de Passiflora são fontes potenciais de antioxidantes naturais.[4]

Existem mais de 530 espécies de maracujá, no entanto, a espécie Passiflora edulis, mais conhecida como maracujá-azedo, é a que possui maior importância econômica, pois sua polpa, de coloração amarelo – alaranjado, proporciona bom rendimento de suco, que é de boa aceitação no mercado.

É um fruto rico em minerais e vitaminas, principalmente A e C.

Possui ainda princípios ativos nas folhas que são usados como sedativo e antiespasmódico.[6]
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
ficha disponivel online em:
http://www.tudosobreplantas.com.br/asp/plantas/ficha.asp?id_planta=19542
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
Registro atualizado em: 29/05/2013 06:34:37, por Anderson Porto.
=-=-

SiSTSP – Capim-limão (Cymbopogon citratus)

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
| SiSTSP – Banco de Plantas Notaveis
| Projeto Tudo Sobre Plantas
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
NOME CIENTIFICO: Cymbopogon citratus
NOME(S) POPULAR(ES): Capim-limão, belgate, belgata, capim-cidreira, erva-cidreira, chá-de-estrada, chá-de-príncipe, chá-do-gabão, capim-cidrão, capim-cidrilho, capim-cidró, capim-santo, capim-de-cheiro, citronela, capim-cheiroso, capim-catinga, patchuli, pachuli, capim-marinho, capim-membeca, palha de camelo
FAMILIA (Cronquist): Gramineae
FAMILIA (APG2): Poaceae
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
O capim-limão é uma planta muito utilizada em medicina popular.

Ainda é muito comum a confusão entre o Capim-limão e a citronela (espécies “Cymbopogon winterianus” e “Cymbopogon nardus”) por conta do nome científico. Ambos pertencem ao mesmo gênero.

Embora a aparência seja realmente muito próxima, dá para diferenciá-las pelo aroma: o capim-limão apresenta um cheiro mais suave, que lembra o limão; enquanto o aroma da citronela é bem intenso.

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
ficha disponivel online em:
http://www.tudosobreplantas.com.br/asp/plantas/ficha.asp?id_planta=38597
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
Registro atualizado em: 29/05/2013 06:12:58, por Anderson Porto.
=-=-

SiSTSP – Alcachofra (Cynara scolymus)

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
| SiSTSP – Banco de Plantas Notaveis
| Projeto Tudo Sobre Plantas
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
NOME CIENTIFICO: Cynara scolymus
NOME(S) POPULAR(ES): Alcachofra
FAMILIA (Cronquist): Asteraceae
FAMILIA (APG2): Asteraceae
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
A alcachofra (Cynara scolymus) foi trazida para o Brasil pelos imigrantes europeus há cerca de 100 anos.

Nativa do sul da Europa e norte da África é uma planta de clima temperado a frio (média de 20 graus C) e áreas úmidas.

Em regiões quentes vegeta bem, mas não forma os botões florais comestíveis.
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
ficha disponivel online em:
http://www.tudosobreplantas.com.br/asp/plantas/ficha.asp?id_planta=8
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
Registro atualizado em: 29/05/2013 04:48:17, por Anderson Porto.
=-=-

Consulta Pública – ANVISA – Definição da lista de fitoterápicos de registro simplificado

Consulta Pública – ANVISA
Definição da lista de fitoterápicos de registro simplificado.

A Anvisa publicou, na última quarta-feira (15/5), uma consulta pública para definir a lista de fitoterápicos de registro simplificado. A lista inclui as espécies que poderão ser registradas como medicamentos fitoterápicos ou como produtos tradicionais fitoterápicos, sem a apresentação de dados adicionais de segurança e eficácia.

A novidade da proposta é que ela divide as espécies entre as que possuem segurança e eficácia comprovada por estudos clínicos das que comprovam por histórico de uso pela população, as quais poderão ser enquadradas como produto tradicional fitoterápico. A lista de fitoterápicos de registro simplificado existe na Anvisa desde o ano 2000; essa é a sua quarta atualização.

A consulta trata da lista de espécies vegetais que serão enquadrados em uma das duas categorias, incluindo produtos originados da arnica, calêndula, camomila e boldo, entre outros vegetais. A norma para o registro ou notificação de medicamentos fitoterápicos e produtos tradicionais fitoterápicos ainda está em discussão interna na Anvisa e também será colocada em consulta pública em breve.

A expectativa é que as normas de registro ou notificação e a lista final de produtos de registro simplificado sejam publicadas ao mesmo tempo, após a Anvisa finalizar a discussão.

Continue Lendo “Consulta Pública – ANVISA – Definição da lista de fitoterápicos de registro simplificado”

Os sons da natureza II

Por Paulo Gurgel

0402n1-496

Uma coisa interessante sobre os sons da natureza é que as pessoas geralmente gostam deles. Mais do que gostam da música produzida por uma indústria bilionária.

Pensem, para início de conversa, em como o gosto musical é subjetivo. Umas pessoas gostam de alguns gêneros, mas detestam outros, e não há nenhuma música de que todo mundo goste.

No entanto, os sons da natureza apresentam uma aceitação muito mais ampla. É difícil encontrar uma pessoa que não goste do som das ondas quebrando na praia, por exemplo.

Por que isso? Talvez porque o fato de sentir-se na natureza, rodeado por uma acústica de ambiente pura, traga uma sensação de calma que é difícil de experimentar em ambientes urbanos.

Provavelmente, por haver uma predisposição do cérebro humano para reagir positivamente ao ser exposto a esses sons naturais.

Assim, a sensação de estar na natureza, a ouvir seus sons, pode aliviar o estresse, por estar profundamente registrado no cérebro, desde a pré-história, quando as comunidades humanas viviam em um ambiente com tais sons.

Mixagem

Use a ferramenta seguinte (link), uma espécie de mixer virtual, para reproduzir os sons da natureza. Para relaxar, ler, dormir, meditar ou apenas para se divertir.

[ naturesoundsfor.me ]

Configurando-a, você pode criar uma composição sonora exatamente a seu gosto.

Fonte: [ EntreMentes ]