Biotecnologia pode por fim aos fertilizantes na agricultura

A técnica batizada de N-Fix utiliza bactérias fixadoras de nitrogênio nas células das raízes das plantas. Esses micro-organismos são naturais e já estão presentes na maioria das leguminosas, como ervilha, feijão e lentilha.

Os fertilizantes são considerados poluidores do meio ambiente pelos ambientalistas Foto:  Archivo de Proyectos

Os fertilizantes são considerados poluidores do meio ambiente pelos ambientalistas
Foto: Archivo de Proyectos

Os fertilizantes são considerados bons para as culturas humanas, uma vez que fornecem condições para o crescimento das plantas. No entanto, estão longe de serem benignos para o meio ambiente, devido à poluição causada pelo nitrogênio, como também por nitratos, óxidos de nitrogênio e pela amônia.

Ao pensar em acabar com esse problema, o pesquisador Edward Cocking, da Universidade de Nottingham, no Reino Unido, desenvolveu plantas que sintetizam o nitrogênio diretamente do ar atmosférico, dispensando o uso de fertilizantes na agricultura.

Na técnica as bactérias são inseridas nas sementes de plantas que não são capazes de fixar o nitrogênio  Imagens: Reprodução/Universidade de Nottingham

Na técnica as bactérias são inseridas nas sementes de plantas que não são capazes de fixar o nitrogênio
Imagens: Reprodução/Universidade de Nottingham

Para conseguir o feito, o professor desenvolveu uma técnica, batizada de N-Fix, para inserir bactérias fixadoras de nitrogênio nas células das raízes das plantas. Esses micro-organismos são naturais e já estão presentes na maioria das leguminosas, como ervilha, feijão e lentilha.

Segundo o pesquisador, a técnica não é nem modificação genética e nem bioengenharia, pois utiliza tão somente uma bactéria natural.

Segundo o Dr. Edward Cocking a técnica não é nem modificação genética e nem bioengenharia

O professor Edward Cocking garante que as plantas não são geneticamente modificadas, apenas se utilizam de uma relação simbiótica com uma bactéria natural.[Imagem: University of Nottingham]

De acordo com o site Inovação Tecnológica, a tecnologia já foi testada em laboratório e obteve os resultados esperados. Agora é só esperar os testes de campo.

Recentemente, a universidade licenciou a tecnologia para a empresa Azotic Technologies, que vai tentar obter autorização para o uso do N-Fix em vários países, incluindo o Brasil.

Fontes:

[ Ibahia ]

[ University of Nottingham ]

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Biotecnologia, Estudos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s