Mapa de Ervas da África

A África tem uma variedade tão grande de geografia, flora, fauna e pessoas que a tornam uma das mais fascinantes misturas de culturas e tradições que remontam a mais de 150.000 anos de evolução.

The Herb Map of Africa

Um outro ponto de vista sobre as ditas "pragas indesejadas"

Tenho lido na Internet em vários artigos e publicações o termo “pragas”. De uns 6, 8 anos para cá esse termo tem me incomodado muito, por ter percebido uma outra forma de entender esse “bichos que atacam a horta”.

O que já percebi é que essas ditas “pragas indesejáveis” são na verdade servidores ambientais cumprindo tarefas relacionadas ao equilíbrio de uma região da Natureza.

Para piorar fica ruim para o EGO perder o controle do cultivo. Vale lembrar que estamos oferencendo um banquete quando cultivamos e aprendemos que o “melhor” é comprar / consumir alimentos “limpinhos”, “sem manchas ou defeitos”, “brilhando”… Enfim, com melhor aparência.

O que acontece é que ali, naquele cultivo, está acontecendo um desequilíbrio e os servidores ambientais estão atuando para corrigir (“reequilibrar”) a situação. Percebe?

Algumas plantas estão enfrentando problemas e solicitam ajuda através de sinais químicos para que, por ex., insetos removam suas folhas.

Dá pena? Dá. Faz parte? Faz.

Se quisermos afastá-os de forma mais eficaz precisamos corrigir os fatores básicos que fazem parte do desequilíbrio: atenção, cuidado, pH do solo / substrato, CTC, iluminação, umidade do ar, irrigação, nutrientes.

Na falta dessa correção – o nosso papel – aparecem os servidores ambientais. Eles atuam na recuperação de uma determinada situação. Infelizmente, por necessitarmos do controle do cultivo, aprendemos a encará-los como ameaças.

Hoje entendo que dá facilmente, em pequenos cultivos, para conviver com eles, fazendo o que temos para fazer vibrando AMOR.

Abraços!

Anderson Porto
http://www.TudoSobrePlantas.com.br

Crescer é Para Sempre

Assisti esse vídeo há 9 anos. De certa forma entendo que ele mudou minha percepção sobre a interação entres plantas, fungos e animais. Venho tentando explicar melhor essa percepção, que fez desenvolver em mim o entendimento de que existe na Natureza um “serviço ambiental” ainda não completamente reconhecido e respeitado, prestado a todo momento por todos os seres vivos. Assista! (em inglês)

Nas palavras de Jesse Rosten, criador do vídeo:

“Tenho um profundo afeto pelas florestas de sequóias no norte da Califórnia. Esta é a minha melhor tentativa de capturar a reverência que sinto na presença desses gigantes.”

“I have a deep affection for the Redwood forests of Northern California. This is my best attempt to capture the reverence I feel when in the presence of these giants.”

Aqui o texto completo, com explicações na página da autora Kallie Markle:

“A very long time ago, there were no groves because everywhere was a grove with no roads to bisect and no people to erect stones and fences and bridges. The trees were very, very young and had much living ahead of them. The enormity of their lifespan loomed in wooly mists around them, so they stretched out their root fingers and wrapped them around each others’, intertwining and holding very tight. The ferns found pockets of root fingers where they could nestle in and the moss stretched itself out over the soil and everything became very soft. The trees grew and made patterns of light and dark on the ground and the vines swirled in to trace the patterns. Spotted spiders moved back and forth and up and down, making nets to catch the mist, and the mist would linger on the nets in drops that cupped the light. It was very quiet all the time because the trees needed to focus on their lives. It is not easy to grow so much, for so long. Some trees became tired and lay down on the soft ground; others leaned and rested their tops on another. Growing is forever, they whispered, and when one tree had to stop, another would grow out of it and reach very high into the grey and gold sky.

The trees rested and waited to the mist to come and cool them. They were very large, but still not very old, and had much more growing to do.”

Tradução: “Há muito tempo, não havia bosques porque em todo lugar havia bosques sem estradas para bifurcar e sem pessoas para erguer pedras, cercas e pontes. As árvores eram muito, muito jovens e tinham muito a viver à sua frente. A enormidade de sua vida útil pairava em névoas de lã ao redor deles, então esticaram os dedos da raiz e os envolveram um ao outro, entrelaçando e segurando muito bem. As samambaias encontraram bolsões de dedos da raiz onde eles poderiam se aninhar e o musgo se esticou sobre o o solo e tudo ficaram muito macio. As árvores cresceram e formaram padrões de luz e escuridão no chão, e as trepadeiras giravam para traçar os padrões. As aranhas manchadas se moviam para frente e para trás e para cima e para baixo, criando redes para capturar a névoa, e as a névoa pairava nas redes em gotas que cobriam a luz. Estava muito quieto o tempo todo porque as árvores precisavam se concentrar em suas vidas. Não é fácil crescer tanto, por tanto tempo. Algumas árvores se cansaram e se deitaram no chão macio. Outros se inclinaram e descansaram suas copas nas outras. O crescimento é para sempre, eles sussurraram, e quando uma árvore tinha que parar, outra crescia e alcançava muito alto o céu cinzento e dourado.
As árvores descansaram e esperaram que a névoa viesse e as esfriasse. Eles eram muito grandes, mas ainda não muito velhas, e tinham muito mais a fazer.”

#growingisforever
#jesserosten
#poema
#serviçoambiental