Arquivo da categoria: Entrevistas

Trabalhadores de Cacau Provam Chocolate Pela Primeira Vez

cacau1

Um televisão holandesa foi responsável pela produção deste registo emocionante, que nos faz reflectir profundamente sobre o que acontece até provarmos a comida que temos em casa.

Trabalhadores das produções de cacau, na Costa do Marfim, foram convidados a comer chocolate pela primeira vez. Todos afirmavam que não sabiam para que serviam os grãos de cacau que extraem da planta.

No vídeo conhecemos também Alfonse. Um camponês que faz cerca de 6 euros por dia para sustentar uma família de 15 pessoas e manter mais 4 trabalhadores.

Esta não é uma história isolada. Um pouco por todo o mundo, em países muito sub-desenvolvidos, grandes marcas conseguem produções extremamente baratas e com condições quase criminosas.

Os trabalhadores, na sua grande maioria, nunca usufruem daquilo que produzem. Por isso, a próxima vez que comer chocolate, lembre-se deste vídeo.

Fonte: [ Chiado Magazine ]

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Alimentos, Curiosidades, Entrevistas, Vídeos

Dossiê ABRASCO – Um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde

Seleção_006

“Este dossiê é um alerta da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrascp) à sociedade e ao Estado brasileiro. Registra e difunde a preocupação de pesquisadores, professores e profissionais com a escalada ascendente de uso de agrotóxicos no país e a contaminação do ambiente e das pessoas dela resultante, com severos impactos sobre a saúde pública e a segurança alimentar e nutricional da população”

Para baixar [ CLIQUE AQUI ].

2 Comentários

Arquivado em Biodiversidade, Biossegurança, Biotecnologia, Congresso, Controle biológico, Cultivo, Ecologia, Entrevistas, Estudos, Etnobotânica, Meio Ambiente, Orgânicos, Pesticidas, Técnicas, Transgênicos

Feira de Trocas Culturais Sustentáveis

Chamada para o próximo evento da Feira de Trocas Culturais Sustentáveis, dia 6 de setembro, das 9h às 20h, no MAC Niterói.

✨ Venham participar! ✨

A Feira de Trocas Culturais Sustentáveis é um evento que acontece no pátio do Museu de Arte Contemporânea de Niterói, todo primeiro sábado do mês. Esta feira visa uma maior integração entre o museu e a comunidade, através de um evento acolhedor, dinâmico, descontraído e que tem como objetivo contribuir para uma maior conscientização ambiental.

A próxima edição acontece no sábado, dia 06 de setembro, a partir das 09h.

+ infos: [ Mac Niterói ]

Deixe um comentário

Arquivado em Adubação, Controle biológico, Cultivo, Curiosidades, Cursos, Ecologia, Entrevistas, Estudos, Etnobotânica, Eventos, Exposição, Fotos e Vídeos, Meio Ambiente, Notícias

“As plantas têm neurônios, são seres inteligentes”

kirlian-image

Graças aos nossos amigos do Redes, o programa de Eduard Punset, pesquisadores incansáveis de diversas áreas do conhecimento científico buscam ampliar os limites do saber. Dentre esses que se questionam sobre quem somos e qual papel desempenhamos nesta sopa de universos, descobrimos Mancuso, que nos explica que as plantas, vistas pela câmera rápida, se comportam como se tivessem cérebro: elas têm neurônios, se comunicam mediante sinais químicos, tomam decisões, são altruístas e manipuladoras.

Há cinco anos era impossível falar de comportamento das plantas, hoje já podemos começar a pensar em falar sobre sua inteligência… Pode ser que logo comecemos a falar de seus sentimentos. Mancuso estará no Redes no próximo dia 02. Não percam.

A entrevista é publicada pelo jornal La Vanguardia, 29-12-2010. A tradução é do Cepat.

Eis a entrevista.

Quais são as novidades?

As plantas são organismos inteligentes, mas que se movem e tomam decisões em um tempo mais longo que o homem.

Você já suspeitava.

Hoje sabemos que elas têm famílias e parentes e que reconhecem sua proximidade. Comportam-se de maneira totalmente diferente se ao seu lado há parentes ou estranhos. Se forem parentes não competem: através das raízes, dividem o território de maneira equitativa.

Uma árvore pode voluntariamente mandar seiva a uma pequena planta?

Sim. As plantas necessitam de luz para viver, e para que uma semente chegue até a luz são necessários muitos anos; enquanto isso, são nutridas por árvores de sua mesma espécie.

Curioso.

Os cuidados parentais só ocorrem em animais muito evoluídos e é incrível que existam entre as plantas.

Então, elas se comunicam.

Sim, em uma selva todas as plantas estão em comunicação subterrânea através das raízes. E também fabricam moléculas voláteis que avisam as plantas distantes sobre o que está acontecendo.

Por exemplo?

Quando uma planta é atacada por um agente patogênico, imediatamente produz moléculas voláteis que podem viajar quilômetros e que avisam a todas as outras para que preparem suas defesas.

Quais defesas?

Produzem moléculas químicas que se tornam indigestas e podem ser muito agressivas. Há dez anos, em Botsuana introduziram em um grande parque 200 mil antílopes, que começaram a comer as acácias com intensidade. Após poucas semanas muitos morreram e ao final de seis meses morreram mais de 10 mil, e não sabia-se o porquê. Hoje sabemos que foram as plantas.

Uma grande predação.

Sim, e as plantas aumentaram a tal ponto a concentração de taninos em suas folhas, que se tornaram um veneno.

As plantas também tem empatia com outros seres?

É difícil dizer, mas uma coisa é certa: as plantas podem manipular os animais. Durante a polinização produzem néctar e outras substâncias para atrair os insetos. As orquídeas produzem flores que são muito parecidas com as fêmeas de alguns insetos, que, enganados, vão até elas. E há quem afirme que até o ser humano é manipulado pelas plantas.

Como assim?

Todas as drogas que o homem usa (café, tabaco, ópio, marijuana…) derivam das plantas, mas por que as plantas produzem uma substância que torna os humanos dependentes? Porque assim as propagamos. As plantas utilizam o homem como transporte. Há pesquisas sobre isso.

Incrível.

Caso amanhã as plantas do planeta desaparecessem, em um mês toda a vida se extinguiria, visto que não haveria nem comida, nem oxigênio. Todo o oxigênio que respiramos vem delas. Mas se nós desaparecêssemos, nada iria ocorrer. Somos dependentes das plantas, mas as plantas não são de nós. Quem é dependente está em uma situação inferior, ou não?

As plantas são muito mais sensíveis. Quando algo muda no ambiente, como elas não podem escapar, devem ser capazes de sentir com muita antecedência qualquer mínima mudança para se adaptarem.

E como percebem?

Cada ponta da raiz é capaz de perceber simultaneamente pelo menos quinze parâmetros físicos e químicos diferentes ( como temperatura, luz, gravidade, presença de nutrientes, oxigênio).

É sua grande descoberta, e é sua.

Em cada ponta das raízes existem células similares aos nossos neurônios e sua função é a mesma: comunicar os sinais mediante impulsos elétricos, igual ao nosso cérebro. Em uma planta pode haver milhões de pontas de raízes, cada uma com sua pequena comunidade celular; e trabalham em rede como a internet.

Encontrou o cérebro vegetal.

Sim, sua zona de cálculo. A questão é como medir sua inteligência. Mas de uma coisa estamos certos: são muito inteligentes, seu poder de resolver problemas de adaptação é grande. Hoje 99,6% de tudo o que está vivo sobre o planeta são plantas.

… E só conhecemos 10% delas.

E nessa porcentagem temos todo nossa alimentação e os remédios. O que os 90% restantes fazem?… Diariamente, centenas de espécies de vegetais desconhecidas se extinguem. Talvez possuam a capacidade de uma cura importante, nunca o saberemos. Devemos proteger as plantas pela nossa sobrevivência.

O que sobre as plantas o emociona?

Alguns comportamentos são muito emocionantes. Todas as plantas dormem, acordam, buscam a luz com suas folhas; tem uma atividade similar a dos animais. Filmei o crescimento de alguns girassóis, e se vê de maneira muito clara como brincam entre eles.

Brincam?

Sim, estabelecem o comportamento típico da brincadeira que se vê em tantos animais. Pegamos uma dessas pequenas plantas e a fizemos crescer sozinha. Quando adulta, ela tinha problemas de comportamento: custava-lhe girar em busca do sol, faltava a ela a aprendizagem obtida através do jogo. Ver estas coisas é emocionante.

Fonte: [ IHU ]

27 Comentários

Arquivado em Curiosidades, Entrevistas, Estudos, Meio Ambiente

O Veneno Está na Mesa 2

Direção: Silvio Tendler

Após impactar o Brasil mostrando as perversas consequências do uso de agrotóxicos em O Veneno está na Mesa, o diretor Sílvio Tendler apresenta no segundo filme uma nova perspectiva. O Veneno Está Na Mesa 2 atualiza e avança na abordagem do modelo agrícola nacional atual e de suas consequências para a saúde pública. O filme apresenta experiências agroecológicas empreendidas em todo o Brasil, mostrando a existência de alternativas viáveis de produção de alimentos saudáveis, que respeitam a natureza, os trabalhadores rurais e os consumidores.

Com este documentário, vem a certeza de que o país precisar tomar um posicionamento diante do dilema que se apresenta: Em qual mundo queremos viver? O mundo envenenado do agronegócio ou da liberdade e da diversidade agroecológica?

Realização: Caliban Cinema e Conteúdo

Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida
Fiocruz
Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio
Bem Te Vi
Cineclube Crisantempo

1 comentário

Arquivado em Alimentos, Biodiversidade, Controle biológico, Cultivo, Ecologia, Entrevistas, Estudos, Etnobotânica, Herbicidas, Meio Ambiente, Mudas, Orgânicos, Projetos, Sementes, Técnicas, Vídeos

Financiamento coletivo: projeto Multiplica!

multiplica-600

Multiplicar sementes, conhecimento, sabedoria, respeito, diversidade, cultura e iniciativas.

Projeto itinerante que promove o fortalecimento e multiplicação das sementes crioulas valorizando a sabedoria ancestral, através de ações para a troca de conhecimentos e registro de iniciativas, integrando comunidades tradicionais e ecovilas.

Conheça melhor nossa proposta e colabore como puder
http://catarse.me/pt/multiplica

a-multiplicacao

siganos

estamos-escutando

Cada dia somos mais os que percebemos a necessidade de uma mudança em nossa maneira de viver como sociedade. As cidades já não se sustentam… Talvez por isso cada vez mais surgem novas ecovilas no Brasil. Um êxodo urbano se iniciou, e com isso, muitas iniciativas interessantes, porém, precisamos nos informar para que estas não interfiram de maneira negativa na biodiversidade local.

Conhecendo bem a terra e reconhecendo os povos locais podemos evitar colapsar os espaços preservados ou esgotar os recursos naturais que ainda existem.

Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Alimentos, Biodiversidade, Cultivo, Ecologia, Entrevistas, Etnobotânica, Parcerias, Projetos

A Revolução dos Cocos

Recente e representativo fato histórico ocorrido em Bougainville, ilha existente no continente da Oceania.

Reconhecido de diferentes maneiras, a Revolução de Bougainville ou Guerra Civil de Bougainville, ou até mesmo a Revolução dos Cocos, ocorreu durante os anos de 1988 à 1997 e foi um conflito armado entre o governo da Papua Nova Guiné e o movimento pela independência da ilha (a maior das Ilhas Salomão).

O movimento, então composto por um grupo de mineiros, cria o Exército Revolucionário de Boungainville (Bougainville Revolutionary Army ou BRA, como ficou conhecido) e inicia uma rebelião separatista.

Deixe um comentário

Arquivado em Entrevistas, Vídeos

Depoimento: mãe de maconheiro

Quando o assunto envolve mãe e maconha logo imaginamos mais um caso de atrito familiar, mas desta vez é diferente sendo um caso de apoio ao debate e esclarecimento em família.

“Mãe que é mãe respeita e ama, mesmo não concordando!!!”

Fonte: [ Smoke Buddies ]

Deixe um comentário

Arquivado em Cannabis, Entrevistas

O Bom jeitinho brasileiro – Sítio São José da Família Ferreira

A família Ferreira chegou ao sitio São José em 1987, no início plantavam banana e café em sistema de monocultura, mas a renda era pouca devido as despesas com transporte e como não produziam quase nada para o consumo da família o pouco que recebiam era para pagar despesas.

Em 1999, as coisas começaram a mudar, o agricultor José Ferreira teve a oportunidade de ver uma nova forma de plantar, ao fazer uma visita no Vale do Ribeira em São Paulo, onde pode conhecer os sistemas agroflorestais. A partir desse momento, passou a desenvolver no sítio, junto com sua família, essa nova forma de produção. Trocaram a monocultura pelo plantio diversificado, podendo produzir alimentos e recuperar a terra, que já estava sofrendo um pouco com o pisoteio do gado que também criavam. Iniciaram a partir daí suas experiências com Sistemas Agroflorestais, que atualmente são doze (12).

Os sistemas Agroflorestais do sítio são preparados para produzir em curto, médio e longo prazo, mas além de produzir alimentos para a família, a agrofloresta também foi pensada para a recuperação da Mata Atlântica.

No sítio não tem luz elétrica e para garantir o armazenamento dos alimentos colhidos, para que possam tê-los em períodos fora de safra, possuem um sistema de fabricação caseira a vácuo, sem conservantes e corantes. Produzem conservas (milho, guandu, chuchu, feijão, inhame…), compotas (goiaba, mamão, jabuticaba, jussara…) e doces diversos. Esses produtos contribuem para a sustentabilidade de todos no sítio.

O Sítio São José visa o trabalho de agricultura ecológica para a auto sustentabilidade com qualidade de vida, visando melhorar o desenvolvimento da agricultura familiar com um sistema que seja produtivo sem agredir o meio ambiente.

Sítio São José
Rod. Rio Santos Km 547,5
Rua Sertão do Taquari s/n
Paraty/RJ
http://agroflorestaferreira.blogspot.com

Apoio ao Agroecologo José Ferreira!

Pedido de carta de moção e comparecimento à audiência enviado pelo próprio Zé.

Caros amigos,

É com URGÊNCIA que peço a todos que conhecem a realidade do Sítio São José, em Paraty que façam uma carta de protesto, apoio ou moção pelo fato da posse conferida ao José Ferreira estar em xeque na Justiça Federal, que serão utilizadas na audiência que se dará no dia 19 de março de 2014, às 13h, na 1ª Vara Federal em Angra.

Quem quiser e puder comparecer para a mesma, também é muito válido, fica o convite. Portanto, reitero a URGÊNCIA e IMPORTÂNCIA para que autarquias, civis, instituições públicas e privadas, ONGs, e demais organizações, me encaminhem suas cartas e seus representantes para a audiência, fazendo grande favor ao trabalho construído por nós para comprovar que um mundo sustentado pela agricultura agroecológica é possível.

Está sendo alegado, entre outras coisas, que há interferência antropológica nos limites do Parque Nacional Serra da Bocaina (PNSB), danificando a Mata Atlântica, sendo que, no mesmo laudo, há provas concretas de recuperação e manutenção de área degradada realizada pelas mãos do agricultor e da sua família ao longo dos anos de posse da terra.

As recomendações dadas por parte do requerente são:
• Demolição das edificações existentes com a retirada do entulho resultante e sua destinação adequada fora dos limites do PNSB
• Eliminação das espécies da fauna e flora exóticas (muitas espécies estão constatadas como exóticas de forma errônea no laudo)
• Posterior abandono definitivo da área pelo responsável para recuperação natural da mesma

Não são necessárias mais delongas para quem conhece a história do Sítio São José, bem como a de seu fundador, José Ferreira, que juntamente com sua família lutou para que houvesse interação sustentável entre o homem e a natureza, a qual, por motivos óbvios, não podemos nos desvincular. Ele sempre defende: ‘não é isolando o homem da natureza que vai preservá-la, e sim, reinserindo o homem na sua própria essência enquanto parte dela, através da educação e da agricultura sustentável, que conseguiremos a preservação e reestruturação para esta e as próximas gerações ’.

Segue o e-mail para envio da carta: ferreiraecologia@hotmail.com

O Fórum de Comunidades Tradicionais APOIA a permanência de José Ferreira e sua família no Sítio São José!
Continuamos na LUTA!!

Deixe um comentário

Arquivado em Alimentos, Biodiversidade, Cultivo, Ecologia, Entrevistas, Estudos, Meio Ambiente, Orgânicos, Passeios e Encontros, Técnicas

Curas Naturais Secretas

Prof Jaime Bruning – Jaime Bruning é formado em Filosofia pela PUC de Curitiba desde 1968. Foi professor e diretor de Escola pública estadual do Paraná, depois de 13 anos resolveu mudar de profissão para dedicar-se totalmente à saúde da população.

Durante 18 anos proferiu mais de 3.300 palestras em quase todos os estados do Brasil, inclusive em Rondônia e no exterior: Alemanha, Suíça, Espanha e Paraguai.

Escreveu vários livros, dentre eles: A SAÚDE BROTA DA NATUREZA já na 24ª edição, um grande sucesso nacional e EXISTEM DOENÇAS INCURÁVEIS? no qual colocou toda sua experiência na aplicação da bioenergética ou bio-saúde. Este livro contém segredos inéditos, relacionados à saúde.

Participou de muitos programas de televisão e entrevistas. Já atendeu em seu consultório, em Americana – SP, mais de 70 mil pessoas obtendo sucesso sobretudo para resolver casos crônicos, dores e travamento de coluna, câncer, doenças da pele tidas como incuráveis, tais como Psoríase, perturbações mentais, enxaquecas, depressão etc.

É um incansável pesquisador e está descobrindo continuamente novidades no campo da saúde alternativa. É sobretudo a experiência que possui que faz com que seja grandemente procurado por pessoas de todo o país.

http://www.jaimebruning.com.br/quem_sou.php?dep=quem

12 Comentários

Arquivado em Doenças, Entrevistas, Plantas Medicinais, Vídeos