Arquivo da categoria: Herbicidas

Um papo rápido sobre “ORGÂNICOS”

A maior parte dos agrotóxicos está na casca dos alimentos. Então… Tem certeza que a sua compostagem é #orgânica?

Entendo que o composto, para ser orgânico, deve ser feito com cascas e restos de vegetais cultivados também de forma orgânica, sem agrotóxicos, respeitando a Natureza.

A palavra “orgânicos” talvez precise – urgente! – de uma atualização, pois ao meu ver vem sendo utilizada substituindo um sentido mais amplo, mais relacionado a “viver de forma cooperativa”, sem agressões permanentes ao meio ambiente, reutilizando o que for possivel e deslocando recursos de forma mais inteligente e sustentável, justamente pelo fato de compartilharmos TODOS dessa estrutura natural do planeta, nossa casa. Cuidar para que as próximas gerações possam viver aquil.

Quem quer plantar irá utilizar borrachas para irrigar, aço em ferramentas, cordas, madeiras, telas, os mais diversos produtos, até mesmo sementes, todos comprados, a não ser que queiramos fazer tudo isso (plantar, cuidar e colher) com as próprias mãos.

Que dá até dá.
Só que rola um pouco mais de trabalho.

Abraços agroecológicos!

Anderson Porto
www.TudoSobrePlantas.com.br

3 Comentários

Arquivado em Alimentos, Cultivo, Curiosidades, Fitoterápicos, Herbicidas, Orgânicos

Após oito anos de pesquisas, relatório confirma vinculação glifosato/câncer

10641106_760305920708791_2938003275284958154_n

Por Darío Aranda
Do Página/12*

Oito anos de pesquisa, quinze publicações científicas e uma certeza: os agrotóxicos causam alterações genéticas e aumentam as probabilidades de contrair câncer, sofrer abortos espontâneos e nascimentos com malformações. A declaração vem do Grupo de Genética e Mutagêneses Ambiental (GEMA), pesquisadores da Universidade Nacional de Río Cuarto (UNRC), que confirmaram com estudos em pessoas e animais, as consequências sanitárias do modelo agropecuário. Glifosato, endosulfam, atrazina, clorpirifos e cipermetrina são alguns dos agrotóxicos prejudiciais. “A vinculação entre alteração genética e câncer é clara”, reafirmou Fernando Mañas, pesquisador da UNRC.

“La genotoxicidad del glifosato evaluada por el ensayo cometa y pruebas citogenéticas” é o título que leva a pesquisa publicada na revista científica Toxicologia Ambiental e Farmacologia (da Holanda). O trabalho descreve o efeito genotóxico (o efeito sobre o material genético) do glifosato sobre células humanas e ratos, que, inclusive, confirmaram alterações genéticas em células humanas com doses de glifosato em concentrações até vinte vezes inferiores às utilizadas nas pulverizações em campo.

Outra pesquisa se chama “Genotoxicidad del AMPA (metabolito ambiental del glifosato), evaluada por el ensayo cometa y pruebas citogenéticas”. Publicada na revista Ecotoxicologia e Segurança Ambiental (dos EUA). O AMPA é o principal produto da degradação do glifosato (o herbicida se transforma, principalmente, pela ação de enzimas bacterianas do solo, na AMPA). Confirmaram que o AMPA aumentou a alteração no DNA de em culturas celulares e em cromossomos em culturas de sangue humano. “O AMPA demonstrou ter tanta ou maior capacidade genotóxica que sua molécula parental, o glifosato”, afirma a pesquisa da universidade pública.

“Em diversas pesquisas confirmamos alterações genéticas em pessoas expostas a agrotóxicos. A alteração cromossômica que vimos, indica quem tem mais risco de sofrer de câncer, a médio e longo prazo. Assim como outras doenças cardiovasculares, malformações, abortos”, explicou Fernando Mañas, doutor em Ciências Biológicas e parte da equipe da UNRC.

Mañas trabalha junto com Delia Aiassa e juntos coordenam, desde 2006, o grupo de pesquisa. No início eram cinco pesquisadores. Atualmente são 21 com enfoque multidisciplinar (biólogos, veterinários, microbiólogos, psicopedagogos, veterinários e advogados). O eixo em comum são os efeitos da exposição às substâncias químicas sobre a saúde humana, ambiental e animal. Trabalham junto às populações expostas a agrotóxicos, estudam os cromossomos, o DNA e o funcionamento do material genético.

Em seus quinze artigos científicos os pesquisadores confirmaram o efeito dos agrotóxicos sobre o material genético, tanto em animais de laboratório como em populações humanas expostas pelo trabalho e involuntariamente às substancias químicas. A última pesquisa, de 2014, foi realizada entre crianças entre 05 e 12 anos de Marcos Juárez e Oncativo (Córdoba, Argentina) onde também verificou-se um aumento da alteração no material genético das crianças.

Explicam que os estudos nos cromossomos são sobre o material genético. Eles descobriram altos níveis de alterações genéticas em pessoas expostas a produtos químicos. O dano em cromossomos (material genético) alerta que a pessoa está sob o risco de desenvolver algumas doenças. “Quanto maior o dano genético, maior a probabilidade de câncer”, afimrou Mañas.

Ao longo de suas quinze pesquisas, utilizaram diferentes técnicas. Em todas confirmaram a alteração genética. “Os agrotóxicos e a alteração que provocam estão absolutamente vinculados ao modelo agropecuário vigente”, afirma Mañas, mesmo que esclareça que é uma opinião individual e não uma postura de toda a equipe de pesquisa. Primeiro trabalharam com uma mostra de vinte pessoas, da periferia de Río Cuarto. Aprofundaram com 50 pessoas em outras localidades e, logo, com 80 de Las Vertientes, Marcos Juárez, Saira, Rodeo Viejo e Gigena. Os produtos mais encontrados e que provocam mais dano são o glifosato, atrazina, cipermetrina, clorpirifos e endosulfam.

“Estrés oxidativo y ensayo cometa en tejidos de ratones tratados con glifosato y AMPA” é o título de outra pesquisa publicada na revista Genética Básica e Aplicada da Argentina. Confirmaram o “aumento significativo” no dano ao DNA no fígado e no sangue. Na revista científica Boletim de Contaminação Ambiental e Toxicologia (dos Estados Unidos) confirmaram o dano genético nos trabalhadores rurais. “Estes resultados mostram que a exposição humana à mescla de agrotóxicos pode aumentar o risco que desenvolver doenças relacionadas com a genetoxidade (câncer, problemas reprodutivos e/ou na descendência)”, aponta a publicação científica.

Boa parte das pesquisas do grupo acadêmico está presente no livro “Plaguicidas a la carta. Daño genético y outros riesgos” que trata das características dos pesticidas, os seus efeitos sobre o material genético humano e de animais silvestres, a susceptibilidade das pessoas e os efeitos do glifosato, entre outros agrotóxicos.

*A tradução é do Cepat.

Fonte: [ MST ]

<h2:AGROTÓXICO É ISENTO DE IMPOSTO!

IMPOSTO, se cobrar de quem produz algo que mata, quem sabe sobre pra ajudar o povo a viver melhor!

Isenções fiscais e tributá-rias concedidas, até hoje, ao comércio destes VENENOS. Através do Convênio ICMS 100/97 (Veja o link 1 abaixo), o governo federal concede redução de 60% da alíquota de cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) A TODOS OS AGROTÓXICOS. Além disso, o Decreto 6.006/06 (Veja o link 2 abaixo) isenta completamente da cobrança de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) os AGROTÓXICOS fabricados a partir de uma lista de dezenas de ingredientes ativos (incluindo alguns altamente perigosos como o metamidofós e o endossulfam, que recentemente tiveram o banimento determinado pela Anvisa). E não é só. O Decreto 5.630/05 (Veja o link 3 abaixo) isenta da cobrança de PIS/PASEP (Programa de Integração Social/Programa de Formação do Patrimônio do Servidor) e de COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) os “defensivos agropecuários classificados na posição 38.08 da NCM e suas matérias-primas”. A posição 3808 da NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul) compreende produtos diversos das indústrias químicas como inseticidas, fungicidas e herbicidas.

Além das isenções federais, há as isenções complementares determinadas por alguns estados. No Ceará, por exemplo, a isenção de ICMS, IPI, COFINS e PIS/PASEP para atividades envolvendo agrotóxicos chega a 100%.

1- Disponível em: http://www.fazenda.gov.br/confaz/confaz/convenios/ICMS/1997/CV100_97.htm

2- O Decreto 6.006/08 está disponível em: http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/decretos/2006/dec6006.htm – Seu Art. 1º aprova a Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados – TIPI, que está disponível em: http://www.receita.fazenda.gov.br/Aliquotas/DownloadArqTIPI.htm – os agrotóxicos estão na Seção VI – Produtos das Indústrias Químicas ou das Indústrias Conexas – SEÇÃO VI – Cap. 28 a 38 (consultado em 19/05/2011).

3- O Decreto 5.630/05 está disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/Decreto/D5630.htm. Ele revogou e substituiu o Decreto 5.195/04 (disponível em: http://www.receita.fazenda.gov.br/Legislacao/Decretos/2004/dec5195.htm), que já concedia a isenção de PIS/PASEP e COFINS aos agrotóxicos.

E não é só. O Decreto 5.630/053 isenta da cobrança de PIS/PASEP (Programa de Integração Social/ Programa de Formação do Patrimônio do Servidor) e de COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) os “defensivos agropecuários classificados na posição 38.08 da NCM e suas matérias-primas”. A posição 3808 da NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul) compreende produtos diversos das indústrias químicas como inseticidas, fungicidas e herbicidas.

Além das isenções federais, há as isenções complementares determinadas por alguns estados. No Ceará, por exemplo, a isenção de ICMS, IPI, COFINS e PIS/PASEP para atividades envolvendo agrotóxicos chega a 100%.

Fonte: [ CÂMARA DOS DEPUTADOS – COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA – SUBCOMISSÃO ESPECIAL SOBRE O USO DE AGROTÓXICOS E SUAS CONSEQUÊNCIAS À SAÚDE ]

Deixe um comentário

Arquivado em Alimentos, Biodiversidade, Biossegurança, Biotecnologia, Cultivo, Doenças, Ecologia, Herbicidas, Meio Ambiente, Pesticidas

O Veneno Está na Mesa 2

Direção: Silvio Tendler

Após impactar o Brasil mostrando as perversas consequências do uso de agrotóxicos em O Veneno está na Mesa, o diretor Sílvio Tendler apresenta no segundo filme uma nova perspectiva. O Veneno Está Na Mesa 2 atualiza e avança na abordagem do modelo agrícola nacional atual e de suas consequências para a saúde pública. O filme apresenta experiências agroecológicas empreendidas em todo o Brasil, mostrando a existência de alternativas viáveis de produção de alimentos saudáveis, que respeitam a natureza, os trabalhadores rurais e os consumidores.

Com este documentário, vem a certeza de que o país precisar tomar um posicionamento diante do dilema que se apresenta: Em qual mundo queremos viver? O mundo envenenado do agronegócio ou da liberdade e da diversidade agroecológica?

Realização: Caliban Cinema e Conteúdo

Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida
Fiocruz
Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio
Bem Te Vi
Cineclube Crisantempo

1 comentário

Arquivado em Alimentos, Biodiversidade, Controle biológico, Cultivo, Ecologia, Entrevistas, Estudos, Etnobotânica, Herbicidas, Meio Ambiente, Mudas, Orgânicos, Projetos, Sementes, Técnicas, Vídeos

Alimentos com altos índices de contaminação por agrotóxicos

alimentos_com_alto_indice_de_agrotoxicos

Fonte: [ ANVISA ]

Deixe um comentário

Arquivado em Alimentos, Biossegurança, Cultivo, Herbicidas, Meio Ambiente, Pesticidas

Monsanto, a Parceria Transpacífico e domínio da alimentação mundial

tradução via Google Translate, original em inglês [ aqui ]

Como as negociações da Parceria Transpacífico chegam em seus últimos dias, Ellen Brown expõe seu verdadeiro propósito – o controle corporativo do mundo de alimentos, saúde, meio ambiente e sistemas financeiros. De todos estes, o maior é o alimento …

4828_Indianfarmer_1_460x230

“Controle o petróleo e você controla as nações”, disse o secretário de Estado Henry Kissinger EUA na década de 1970. “Controle o alimento e você controlará as pessoas.”

E agora o controle global de alimentos quase foi alcançado, através da redução da diversidade de sementes com OGM (geneticamente modificado), sementes que são distribuídas por apenas algumas corporações transnacionais.

Esta agenda foi implementada com custo sepultura para a nossa saúde. E se a Parceria Trans-Pacífico (TPP) passa, o controle sobre não apenas a nossa comida, mas a nossa saúde, nosso meio ambiente e nosso sistema financeiro estará nas mãos de corporações transnacionais.

[Ver também ” Avaaz TPP petição sabotado? “]

Lucros Antes de Populações

A engenharia genética tem feito controle proprietário possível sobre as sementes em que a oferta de alimentos do mundo depende. De acordo com uma entrevista Acres EUA com o patologista de plantas, Don Huber, professor emérito da Universidade de Purdue, duas características modificadas respondem por praticamente todas as culturas geneticamente modificadas cultivadas no hoje o mundo.

Um deles envolve a resistência a insetos. A outra modificação, mais preocupante envolve insensibilidade a herbicidas à base de glifosato (produtos químicos que matam plantas ditas “daninhas”). Muitas vezes conhecido como Roundup após o produto mais vendido Monsanto ter esse nome, glifosato envenena tudo em seu caminho, exceto plantas geneticamente modificadas para resistir a ele.

Herbicidas à base de glifosato são agora os herbicidas mais utilizados no mundo. O glifosato é um parceiro essencial para os organismos geneticamente modificados, que são o principal negócio da indústria de biotecnologia a expansão. O glifosato é um herbicida de “amplo espectro” que destrói indiscriminadamente, não por matar plantas indesejáveis ​​diretamente, mas amarrando-se o acesso a nutrientes essenciais.

Devido à forma insidiosa no qual funciona, ele tem sido vendido como uma substituição relativamente benigna para os herbicidas à base de dioxinas anteriores devastadores. Mas uma enxurrada de dados experimentais tem mostrado agora que o glifosato – e os alimentos transgênicos incorporá-lo em níveis elevados – a representar sérios riscos à saúde.

Para agravar o risco de toxicidade é a dos chamados ‘ingredientes inertes’ usadas para fazer o glifosato mais potente. Os pesquisadores descobriram, por exemplo, que o POEA surfactante pode matar células humanas, particularmente embrionário, placenta e células do cordão umbilical. Mas esses riscos foram convenientemente ignorados.

O uso generalizado de alimentos geneticamente modificados e herbicidas glifosato ajuda a explicar a anomalia que os EUA gastam mais de duas vezes mais per capita em saúde como o país medianamente desenvolvido, no entanto, é classificada como muito baixo na escala das populações mais saudáveis ​​do mundo. A Organização Mundial da Saúde tem classificado pelos EUA de 17 nações desenvolvidas para a saúde global.

Sessenta a setenta por cento dos alimentos em supermercados dos EUA estão agora geneticamente modificados. Por outro lado, em pelo menos 26 outros países – incluindo a Suíça, Austrália, Áustria, China, Índia, França, Alemanha, Hungria, Luxemburgo, Grécia, Bulgária, Polônia, Itália, México e Rússia – OGM são proibidos, total ou parcialmente , e significativa restrições sobre OGM existe em cerca de sessenta e outros países.

A proibição de OGM e glifosato uso pode ir muito longe para a melhoria da saúde dos americanos. Mas a Parceria Trans-Pacífico, um acordo de comércio global para que a Administração Obama tem procurado estatuto Fast Track, iria bloquear esse tipo de abordagem focada em causa para a crise da saúde.

Insidious Efeitos do Roundup

Culturas Roundup resistentes escapar de ser morto por glifosato, mas não evitar absorvendo-o em seus tecidos. Culturas tolerantes a herbicidas têm níveis substancialmente mais elevados de resíduos de herbicida do que outras plantações. Na verdade, muitos países tiveram de aumentar os seus níveis legalmente permitidos – em até 50 vezes – a fim de acomodar a introdução de culturas GM.

Na União Europeia, resíduos em alimentos deve subir 100-150 vezes , se uma nova proposta pela Monsanto é aprovado. Enquanto isso, tolerantes a herbicidas “super-ervas daninhas” se adaptaram à química , exigindo doses ainda mais tóxicos e de novos produtos químicos tóxicos para matar a planta.

Enzimas humanos são afetados pelo glifosato, assim como enzimas de plantas são: os blocos químicos a absorção de minerais essenciais manganês e outros. Sem esses minerais, não podemos metabolizar adequadamente os alimentos. Isso ajuda a explicar a epidemia galopante de obesidade nos Estados Unidos. Pessoas comer e comer, na tentativa de adquirir os nutrientes que simplesmente não estão disponíveis na sua alimentação.

De acordo com pesquisadores Samsell e Seneff em Biosemiotic Entropia: Transtorno, Doença, e Mortalidade (abril de 2013):

“Inibição do citocromo P450 (CYP) do glifosato é um componente negligenciado da sua toxicidade para mamíferos. Enzimas CYP desempenham um papel crucial na biologia … impacto negativo sobre o corpo é insidioso e manifesta-se lentamente ao longo do tempo como danos inflamação sistemas celulares em todo o corpo .

“As consequências são a maioria das doenças e condições associadas com uma dieta ocidental, que incluem desordens gastrointestinais, obesidade, diabetes, doença cardíaca, a depressão, o autismo, a infertilidade, cancro e doença de Alzheimer.”

Mais de 40 doenças têm sido associadas ao uso do glifosato, e mais continuam aparecendo. Em setembro de 2013, a Universidade Nacional de Rio Cuarto, Argentina, publicou uma pesquisa descobrindo que o glifosato aumenta o crescimento de fungos que produzem a aflatoxina B1, um dos mais cancerígenos de substâncias.

Um médico do Chaco, na Argentina, disse Associated Press, “Nós fomos de uma população muito saudável para um com um alto índice de câncer, defeitos congênitos e doenças raramente visto antes.” Crescimentos Fungos têm aumentado significativamente nas lavouras de milho dos Estados Unidos.

O glifosato também fez sérios danos ao meio ambiente. acordo com um relatório de outubro de 2012 pelo Instituto de Ciência na sociedade :

“O agronegócio afirma que as culturas de glifosato e tolerante ao glifosato vai melhorar a produtividade das culturas, aumentar os lucros dos agricultores e beneficiar o meio ambiente, reduzindo o uso de pesticidas.

Exatamente o oposto é o caso … a evidência indica que os herbicidas glifosato e culturas tolerantes ao glifosato tiveram amplos efeitos prejudiciais, incluindo ervas daninhas resistentes ao glifosato super, virulento planta (e novos animais) patógenos, reduziu a saúde ea produtividade das plantas, danos a espécies fora do alvo de insetos para anfíbios e pecuária, bem como a redução da fertilidade do solo. ”

Política Trumps Ciência

À luz destes resultados adversos, por que Washington e da Comissão Europeia continuou a endossar glifosato tão seguro? Os críticos apontam regulamentos relaxado, forte influência de lobistas corporativos e uma agenda política que tem mais a ver com o poder e controle do que proteger a saúde das pessoas.

Nos 2.007 livro inovador Seeds of Destruction: The Hidden Agenda de Manipulação Genética , William Engdahl afirma que o controle global de alimentos eo despovoamento tornou-se política estratégica dos EUA sob Rockefeller protegido Henry Kissinger. Junto com a geopolítica do petróleo, que eram para ser a “solução” de novo para as ameaças ao poder global dos EUA e continuou acesso dos EUA a matérias-primas baratas do mundo em desenvolvimento.

Em linha com essa agenda, o governo tem demonstrado extremo partidarismo em favor do agronegócio biotecnologia, optando por um sistema em que a indústria políticas em si “voluntariamente”. Alimentos Bio-engenharia são tratados como “aditivos naturais de alimentos”, não necessitando de qualquer teste especial.

Jeffrey M. Smith, Diretor Executivo do Instituto de Tecnologia Responsável, confirma que a política dos EUA Food and Drug Administration permite que empresas de biotecnologia para determinar se os seus próprios alimentos são seguros. Apresentação dos dados é totalmente voluntária. Ele conclui:

Na arena crítica de investigação de segurança alimentar, a indústria da biotecnologia é, sem prestação de contas, normas, ou peer-review. Eles têm má ciência como uma ciência.

Seja ou não o despovoamento é uma parte intencional de ordem do dia, uso generalizado de OGM e glifosato é ter esse resultado . As propriedades de desregulação endócrina de glifosato têm sido associados à infertilidade, aborto, defeitos de nascimento e desenvolvimento sexual preso.

Em experimentos russos, os animais alimentados com soja GM eram estéreis pela terceira geração. Vastas quantidades de solo agrícola também estão sendo arruinado sistematicamente pela morte de microorganismos benéficos que permitem que as raízes das plantas de absorção de nutrientes do solo.

No olho de abertura o documentário de Gary Null Sementes da Morte: Revelar as mentiras de OGM , o Dr. Bruce Lipton avisa: “Nós estamos conduzindo o mundo para a sexta extinção em massa da vida neste planeta … O comportamento humano está minando a teia da vida.”

O TPP e Controle Empresarial Internacional

Como as conclusões devastadoras destes e de outros pesquisadores despertar as pessoas a nível mundial para os perigos do Roundup e alimentos transgênicos, as empresas transnacionais estão trabalhando febrilmente com a administração Obama para fast-track da Parceria Trans-Pacífico, um acordo comercial que iria tirar governos do poder para regular atividades empresariais transnacionais.

As negociações foram mantidas em segredo do Congresso, mas não de consultores de empresas, 600 das quais foram consultadas e saber os detalhes. Segundo Barbara Chicherio em Nation of Change:

“A Parceria Trans-Pacífico (TPP) tem o potencial de se tornar o maior acordo regional de livre comércio da história …

“O negociador agrícola chefe para os EUA é o ex-lobista da Monsanto, o Islã Siddique. Se for ratificado o TPP imporia punir regulamentos que dão direito empresas multinacionais sem precedentes para exigir compensação contribuinte para as políticas que considerem as corporações uma barreira para os seus lucros …

“Eles são cuidadosamente elaborar o TPP para garantir que os cidadãos dos países envolvidos não têm controle sobre a segurança alimentar, o que eles vão comer, onde é cultivada, as condições em que os alimentos são cultivados e o uso de herbicidas e pesticidas.”

A segurança alimentar é apenas um dos muitos direitos e proteções que possam cair para esta super-arma de controle societário internacional. Em uma entrevista em abril de 2013, em The Real News Network , Kevin Zeese chamado TPP “NAFTA em esteróides” e “um golpe de estado corporativo global . ” Ele alertou:

“Não importa o problema que você se preocupa com – se os seus salários, empregos, protegendo o meio ambiente … essa questão vai afetá-lo negativamente … Se um país dá um passo para tentar regular a indústria financeira ou criar um público banco para representar o interesse público, ele pode ser processado “.

Return to Nature: Not Too Late

Existe uma maneira mais segura, mais saudável, mais terra-friendly para alimentar as nações. Enquanto Monsanto e dos EUA reguladores estão forçando as culturas GM em famílias americanas, as famílias russas estão mostrando o que pode ser feito com métodos de permacultura em hortas simples.

Em 2011, 40% dos alimentos da Rússia foi cultivado em vivendas (jardins da casa de campo ou loteamentos). Jardins Dacha produziu mais de 80% das frutas e bagas do país, mais de 66% dos legumes, quase 80% das batatas e quase 50% do leite do país, em grande parte consumido cru. Segundo Vladimir Megre , autor do best vendido Ringing Cedars Series:

“Essencialmente, o que não é russo jardineiros demonstrar que os jardineiros podem alimentar o mundo – e você não precisa de nenhum OGM, fazendas industriais, ou quaisquer outros truques tecnológicos para garantir todo mundo tem comida suficiente para comer.

Tenha em mente que a Rússia tem apenas 110 dias de estação de crescimento por ano – para que os EUA, por exemplo, a produção de ‘jardineiros poderia ser substancialmente maior. Hoje, no entanto, a área ocupada por gramados em os EUA é duas vezes maior do que a de jardins da Rússia – e não produz nada, mas a indústria de cuidados de gramado multi-bilhões de dólares “.

Em os EUA, apenas cerca de 0,6 por cento do total da área agrícola é dedicada à agricultura biológica. Esta área precisa ser muito ampliada, se quisermos evitar a “sexta extinção em massa ‘. Mas, primeiro, temos de instar os nossos representantes para parar Fast Track, vote não no TPP, e buscar a eliminação global de herbicidas à base de glifosato e alimentos transgênicos.

A nossa saúde, nossas finanças e nosso ambiente estão em jogo.

Assine a petição da Avaaz agora!

Ellen Brown é um advogado, presidente do Instituto Público Banking , e autor de doze livros, incluindo o best-seller Web of Debt . Em A solução Banco Público , seu último livro, ela explora modelos de banca pública de sucesso, historicamente e no mundo. Seus artigos do blog estão em EllenBrown.com .

Este artigo foi originalmente publicado em Counterpunch.

Fonte: [ The Ecologist ]

+ infos: [ Parceria Transpacífico, proibição de medicamentos genéricos, punição para governos que rotularem transgênicos são alguns dos itens constantes nos documentos vazados pelo Wikileaks, esta é a generosa lista de presentes de Natal para as grandes empresas. ]

Deixe um comentário

Arquivado em Alimentos, Biodiversidade, Biossegurança, Ecologia, Etnobotânica, Herbicidas, Meio Ambiente, Notícias, Transgênicos

Estudo encontra expressivos níveis de substância cancerígena no arroz brasileiro

DSC01928

O “celeiro do mundo” está enfrentando problemas com expressivos níveis de arsênio no alimento mais comum de seu povo. Um estudo recente encontrou altos níveis de arsênio no arroz brasileiro. A pesquisa foi motivada por estudos similares que encontraram altos níveis de arsênio em arroz de outros países, incluindo a China, Bangladesh e os Estados Unidos.

O arsênio é uma conhecida substância cancerígena e pode causar alterações no corpo humano, levando a doenças vasculares, diabetes e câncer de bexiga e pele, entre outros. Segundo o pesquisador, o nível médio de arsênio encontrado em amostras de arroz brasileiro que examinou foi de 222 nanogramas por grama de arroz.

“Em especial o arroz integral apresentou maiores concentrações, pois, em geral, o arsênio pode se acumular no farelo”, explica o autor da pesquisa Bruno Lemos Batista, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

Uma das principais razões para a presença de arsênio é o uso de agrotóxicos que poluem o solo e a água, diz Batista.

Necessidade de controle

Com o aumento de arsênio inorgânico (forma mais tóxica de compostos de arsênio) em carne e grãos em todo o mundo, muitos estão pedindo regulamentações mais claras sobre a quantidade de arsênio permitido em alimentos.

The European Food and Safety Authority (EFSA) aconselha que o consumo diário de arsênio seja limitado entre 0,3 a 8 micro gramas por quilo de peso corporal. No ano passado, um grupo de congressistas dos Estados Unidos introduziu uma legislação para limitar a quantidade de arsênio permitido em arroz e seus produtos.

Batista diz que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária realizou consultas públicas para definir um limite para a concentração máxima permitida de arsênio em arroz, mas até a data não há limites formais criados no Brasil. “O controle não é feito constantemente e não temos leis para isso”, afirma.

De acordo com o Ministério da Agricultura do Brasil e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), o arsênio não está entre as substâncias tóxicas monitoradas nos alimentos. Batista diz que uma das razões para a falta de legislação é o insuficiente conhecimento sobre arsênio e sua presença em produtos alimentícios no Brasil.

“Temos poucas informações sobre a concentração de arsênio em diferentes produtos brasileiros, incluindo o arroz por exemplo, e diferentes variedades de arroz. Neste sentido, nossa pesquisa não pode parar”, diz Batista.

Fonte: [ Relatos Mundiais ]

5 Comentários

Arquivado em Alimentos, Biossegurança, Herbicidas

CTNBio libera controle de transgênicos

Após quase um ano de discussão, a CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança) aprovou, em sua reunião do mês de novembro, a resolução de Monitoramento Pós-Liberação Comercial de OGMs (organismos geneticamente modificados), também conhecidos como transgênicos.

O novo sistema, conforme fluxograma (que pode ser acessado [ aqui ]), modifica a norma atual e permite a definição de prazos diferenciados para o acompanhamento de produtos liberados comercialmente pela comissão. A resolução de monitoramento recebeu 16 votos a favor, quatro contrários e uma abstenção.

A secretaria executiva da CTNBio informou que a nova legislação, a partir da publicação, permitirá que a comissão possa ser mais eficiente e específica para cada tipo de monitoramento dos organismos liberados. A norma vigente define cinco anos de monitoramento e, com a alteração, a comissão passará a regular o tempo e a decidir sobre a forma de monitorar.

Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Alimentos, Biotecnologia, Cultivo, Doenças, Ecologia, Herbicidas, Meio Ambiente, Notícias, Transgênicos

Presidente da CNTBio vai beber glifosato?

OS AGROTÓXICOS E AS SEMENTES TRANSGÊNICAS

Prof. Athen Teixeira Filho, da UFPEL, Pelotas-RS, junho de 2011

“Agrotóxico” é um tema sobre o qual poderíamos debater horas ou dias, manifestar opiniões favoráveis ou contra, recomendar o uso ou não, entretanto, independente deste fato, eles são o que são; venenos sintéticos de alta potencialidade produzidos pelo homem para “matar pragas”. Aliás, como negar o óbvio expresso no próprio nome? São biocidas – matam tudo o que tem vida!

Também é fato que “o mundo tem fome”, precisa ser alimentado e várias vezes ao dia. Não obstante, os informados sabem que a produção de alimento atende esta demanda global. Então, por que ainda tem gente morrendo de fome (de crianças ainda em úteros, suas mães, até velhos)? A resposta, tão simples quanto desumana, é que os governos/empresas não têm interesse/estrutura/não se preparam para a distribuição deste alimento produzido.

Em alguns casos, como em grande parte da parcela de grãos que o agronegócio nacional produz, a preferência é de alimentar animais. Some-se a isto o fato de que, hoje, “grãos” não servem só para alimentar, mas passou a ser uma coisa chamada “commodity”, que equilibra ou desequilibra a “balança comercial”. É negócio!

A argumentação que discute diferenças entre “volume” e “quantidade” não passa de tergiversação e discurso ilusório. As doses são abusivas, criminosas, desproporcionais e só atendem os interesses delituosos das empresas.

“Pragas” surgem em ciclos biológicos naturais ou por conta do desfrute equivocado de plantios (mais comum), como nas lavouras comerciais (monocultivos) que destroem o equilíbrio predador/predado. Muitas “pragas”, assim como as “plantas invasoras”, são, na realidade, elementos próprios e fundamentais à vida de determinados biomas. Elas têm sua designação alterada visando enganar os menos atentos. Puro engodo de espertalhões.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Biodiversidade, Biotecnologia, Doenças, Herbicidas, Meio Ambiente, Pragas, Transgênicos

Embrapa obtém primeiras plantas transgênicas de cana-de-açúcar

Rótulo de um produto transgênico

Autor: Assessoria

A Embrapa anuncia nesta terça-feira (24), às 10h, durante a solenidade de comemoração dos cinco anos da Embrapa Agroenergia, em Brasília, a obtenção de plantas transgênicas de cana-de-açúcar. São as primeiras plantas transgênicas confirmadas tolerantes à seca com o gene DREB2A. As perdas em cana-de açúcar devido à seca podem variar de 10% a 50 %, dependendo da região de cultivo e da época de plantio.

Estas plantas foram selecionadas em laboratório e, dentro de três meses, estarão em estágio de multiplicação in vitro para serem avaliadas em casa de vegetação. Até maio de 2012, terão sido avaliadas quanto às características de tolerância à seca. Após estes processos, aquelas plantas que apresentarem melhor desempenho, tanto agronômico quanto das características pretendidas, terão potencial de avaliação a campo mediante aprovação de processo junto ao Comitê Técnico Nacional de Biossegurança (CTNBio).

Este é um trabalho realizado em parceria entre a Embrapa Agroenergia (Brasília/DF) e a Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Brasília/DF), que possui laboratórios com características exigidas pelas normas da CTNBio para estudos com organismos geneticamente modificados. A Embrapa conta com o apoio também da Japan Internacional Research Center for Agricultural Sciences (Jircas), empresa de pesquisa vinculada ao governo japonês.

Após o anúncio, os pesquisadores estarão disponíveis para conceder entrevistas. As imagens das plantas in vitro poderão ser feitas nos laboratórios da Embrapa Recursos Genéticos.

Fonte: [ Agronotícias ]

1 comentário

Arquivado em Alimentos, Biodiversidade, Biotecnologia, Cultivo, Herbicidas, Meio Ambiente, Notícias, Projetos, Técnicas, Transgênicos

As abelhas sumiram! Entrevista com Afonso Inácio Orth

Primeiro, as abelhas começaram a desaparecer nos Estados Unidos, depois no Canadá e, então, no Brasil. “Nós, em Santa Catarina, tivemos um problema muito sério na primavera passada. Álias, esse problema tem se agravado muito e sempre nesta mesma época do ano”, explica o professor Afonso Inácio Orth, um dos principais especialistas em abelhas do país e que tem acompanhado os estudos que buscam respostas para o desaparecimento dos insetos desde que este problema foi detectado.

“O primeiro grande risco é a fragilização da produção mundial de alimentos, principalmente pelo fato de nós dependermos quase que exclusivamente das abelhas. Além disso, um risco secundário, mas não menos importante, é o de afetarmos toda a ecologia local, porque essas abelhas também acabam polinizando as plantas nativas e, a partir do momento em que você elimina os polinizadores, essas plantas nativas deixarão de se reproduzir e, com isto, nós poderemos estar alterando profundamente os ecossistemas”, apontou na entrevista que concedeu à IHU On-Line por telefone.

Afonso Inácio Orth é graduado em Agronomia pela Universidade Federal de Santa Catarina, mestre em Entomologia pela Universidade Federal do Paraná e doutor em Biologia pela University of Miami (EUA). Atualmente, é professor no Departamento de Fitotecnia da Universidade Federal de Santa Catarina.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Que fatores estão causando o desaparecimento das abelhas das colmeias? Desde quando esse fenômeno está ocorrendo?

Afonso Inácio Orth – Esse fenômeno do desaparecimento das abelhas e o colapso das colmeias nos países do hemisfério Norte, Estados Unidos e Europa, começou em 2007 e várias causas foram atribuídas a ele, embora não se tenha encontrado nenhuma resposta definitiva. No Brasil houve em vários momentos diferentes supostos desaparecimentos de abelhas, mas não necessariamente na mesma dimensão verificada no hemisfério Norte. Nós, em Santa Catarina, tivemos um problema muito sério na primavera passada. Álias, esse problema tem se agravado muito e sempre nesta mesma época do ano.

IHU On-Line – O desaparecimento das abelhas já pode ser considerado um fenômeno mundial?

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Alimentos, Biodiversidade, Cultivo, Herbicidas, Meio Ambiente, Orgânicos