Arquivo da categoria: Plantas Medicinais

Como ajudar na divulgação da Rede Solidária de Alimentos?

para_impressao_A4_campanha_rsa_1_por_pag

Uma ideia que pode ajudar a melhorar o mundo! Iremos compartilhar o excedente dos alimentos, mudas e sementes através de um aplicativo GRATUITO para celulares.

A campanha de financiamento coletivo da REDE SOLIDÁRIA DE ALIMENTOS visa arrecadar fundos para o desenvolvimento de um aplicativo para celulares que funcione como se fosse um “Tinder”, só que para plantas.

A ideia principal é compartilhar o excedende de alimentos, criando uma rede colaborativa de distribuição que forneça alimentos gratuitamente entre vizinhos, familiares, amigos, como também para asilos, creches, igrejas e por aí vai.

Participe!  Acesse agora e escolha sua recompensa: https://goo.gl/UB69oz

O desenvolvimento de um aplicativo que realmente funcione e que promova a oferta e troca de alimentos, mudas e sementes necessita de uma equipe especializada em programação para celulares. E isso não é barato.

O QUE É O PROJETO TUDO SOBRE PLANTAS?

O projeto Tudo Sobre Plantas é um conjunto de ferramentas de pesquisa para ajudar as pessoas em sua busca por informações sobre espécies nativas e exóticas cultivadas.

O portal surgiu através de uma pergunta de seu filho, uma vez voltando da praia, quando ele perguntou sobre uma planta que colheu a folha e Anderson não soube responder, dizendo que iria pesquisar. De lá pra cá passaram-se 14 anos de muitos estudos…

Ele aproveitou um trabalho que fez na faculdade, pesquisou o que existia na Internet e começou um projeto de troca de informações sobre plantas, cadastrando em fichas de espécies tudo aquilo que aprendia.

Disponível a partir de dezembro de 2002, a base de dados, chamada de “Banco de Plantas Notáveis“, vem sendo constantemente aprimorada e atualizada. São atualmente 76 descritores que abrangem a maior parte dos usos, formas de cultivo, cuidados específicos e chaves para identificação.

Seleção_550

Exemplo de ficha de uma espécie.

O projeto cresceu e tornou-se uma importante ferramenta de pesquisa e divulgação de informações sobre plantas, aliando o conhecimento científico com a etnobotânica e descrevendo usos empíricos e científicos através de textos que podem ser entendidos por qualquer pessoa.

COMO NASCEU A IDEIA DA REDE SOLIDÁRIA DE ALIMENTOS?

Por mais de 25 anos o gestor do projeto Tudo Sobre Plantas, Anderson Porto, coordenou equipes e desenvolveu sistemas para grandes empresas como Comissão de Valores Mobiliários, Cultura Inglesa, Banco do Brasil, Petrobras.

A ideia do APP nasceu há cerca de 10 anos. Ele criou uma opção para que os usuários marcassem, nas fichas de espécies, quais eram suas favoritas, quais estariam em busca, quais teriam para oferecer… Entretanto, o sistema não funcionava de forma satisfatória por email e foi necessário aguardar que as tecnologias se desenvolvessem e chegarmos nos smartphones e tablets, para poder arrecadar fundos e lançar uma versão que possa ser acessada por qualquer pessoa, de qualquer lugar do planeta, via celular.

QUAL O OBJETIVO DESSA CAMPANHA?

Ao longo desse tempo estudando sobre plantas, em 2011 Anderson resolveu se mudar para uma cidade do interior (Araruama, RJ) e começar uma produção caseira de alimentos, plantando no quintal tudo que fosse possível: hortaliças, frutíferas, temperos…

20160826_103123

Anderson Porto, gestor do portal Tudo Sobre Plantas.

Aí aconteceu uma coisa interessante. Ele descobriu que a Natureza produz MUITO, mas muito além do que é possível consumir. Mesmo dando de presente esses alimentos para os vizinhos, família, amigos… ainda sobrava muita coisa.

O objetivo dessa campanha é criar um aplicativo para celular que possibilite doar o excedente de alimentos a quem precisa, garantindo o seu consumo.

Além disso, o aplicativo permitirá que as pessoas conheçam outros cultivadores de sua região e possam também trocar mudas e sementes, aumentando a variedade do que PRODUZEM.

Para quem quer começar a plantar e não sabe como, o projeto Tudo Sobre Plantas fornece também o suporte técnico com informações corretas sobre como plantar, cuidar, adubar, irrigar, quando colher…

COMO AJUDAR?

Acesse a campanha no site BENFEITORIA.COM e escolha uma recompensa, pagando com cartão ou boleto bancário. Após fazer a sua colaboração divulgue para seus amigos, para que mais e mais pessoas possam colaborar.

Para ajudar na divulgação do projeto criamos cartazes em formato A4, para que todos possam imprimir e colar nos quadros de avisos de escolas, faculdades, universidades, igrejas… Onde for possível divulgar.

Para efetuar o download do arquivos acesse:

Contamos com a ajuda de todos vocês!

Colabore, contribua, dê o exemplo, faça a sua parte!
http://goo.gl/UB69oz

logo_tudosobreplantasEste projeto é representado por uma árvore: rumo ao sol, gerando vários frutos e sementes, sempre fornecendo abrigo indistintamente a todos que dele necessitam.

Participe! Seja bem vindo!


O portal Tudo Sobre Plantas é desenvolvido e mantido por seu criador, Anderson C. Porto, analista de sistemas, fotógrafo amador, poeta, amante da Natureza e pesquisador autodidata de espécies de plantas do Brasil e do mundo.

Deixe um comentário

Arquivado em Alimentos, Controle biológico, Cultivo, Estudos, Fotos e Vídeos, Jardinagem, Notícias, Orgânicos, Parcerias, Passo a passo, Plantas Medicinais, Projetos, Software

Como contribuir para a REDE SOLIDÁRIA DE ALIMENTOS – passo a passo

Rede Solidária de Alimentos

Olá pessoal,

Me pediram para montar um “passo a passo”, explicando mais em detalhes como contribuir para a campanha REDE SOLIDÁRIA DE ALIMENTOS. Vamos lá…

BEM… MAS O QUE É “CROWDFUNDING”?

Financiamento coletivo (em inglês: “crowdfunding”) é uma forma de unir pessoas em prol da realização de um objetivo considerado bacana. É uma espécie de “vaquinha” só que usando a Internet. Exemplos de campanhas?

a) Comprar ferramentas e materiais para uma horta comunitária;

b) Montar uma biblioteca para os alunos de uma escola;

c) Criar um aplicativo para celular que possibilite trocar alimentos, mudas e sementes.

E por aí vai…

O que iremos fazer é uma “vaquinha” para arrecadar recursos e financiar o desenvolvimento do aplicativo. Se você ainda não assistiu o vídeo de apresentação, veja abaixo:

O site que escolhemos para arrecadar essa quantia de forma totalmente segura é o Benfeitoria.com, uma plataforma de mobilização de recursos para projetos de impacto cultural, social, econômico e ambiental.

Para você ter uma ideia o Benfeitoria.com já arrecadou, em cinco anos de funcionamento, cerca de 11 milhões de reais (!), financiando mais de 700 projetos (!!) via contribuições de mais de 70 mil pessoas(!!!). Eles prestam consultoria gratuita para os projetos, ajudando dia após dia, sem exigir taxas por isso. Simplesmente um dos melhores.

DECIDI FAZER PARTE. COMO FAÇO PARA CONTRIBUIR?

Primeira coisa: acesse a página da campanha aqui: https://goo.gl/UB69oz

Mantenha esta página aqui aberta numa ab para que você possa consultar, caso fique com dúvidas.

COMO ESCOLHER UMA RECOMPENSA:

No canto direito você encontra um quadro cinza com informações resumidas de quanto já foi arrecadado e as opções de RECOMPENSAS para cada contribuição, com a descrição resumida do que você irá receber em troca.

Você pode clicar na descrição das recompensas para escolher qual delas você quer comprar. Ou, lá no início da página da campanha (imagem 1) tem um botão “APOIAR ESTA CAMPANHA“. Clique nesse botão.

Seleção_549

(imagem 1)

 

De ambas as formas o quadro cinza irá ser atualizado, apresentando um contador numerado ao lado do valor de cada recompensa, indicando qual a quantidade que você irá comprar (imagem 02).

foto 02

(imagem 2)

Repare que tem  quadradinhos “+” e ““, que servem para incrementar ou diminuir a quantidade de recompensas escolhidas. Sim, você pode comprar mais de uma mesma recompensa, ou escolher recompensas diferentes.

Digamos que você queira apenas ajudar a campanha financeiramente. O que você faz? Basta marcar a opção “Não quero recompensas”. O quadro cinza então é alterado para que você possa digitar o valor que quer contribuir (imagem 03).

foto 03

(imagem 3)

Agora é necessário localizar o botão “CONTINUAR“, no fim da listagem de recompensas. CLIQUE NELE! Novamente o quadro cinza é alterado, apresentando as seguintes informações (imagem 4):

 

foto 04

(imagem 4)

Se você já possui uma conta no site Benfeitoria.com basta digitar seu login e senha.

Caso não possua conta, será necessário fazer um novo cadastro, pois é necessário saber quem está contribuindo e o endereço para onde serão enviadas as recompensas. Você pode fazer isso de duas formas:

(1) clicando em “LOGIN VIA FACEBOOK”

  • PASSO 1

(imagem 5)

  • PASSO 2

Após clicar em OK a janela é fechada e o quadro cinza é alterado, apresentando o seguinte:

imagem 6

(imagem 6) Digite data de nascimento, PAÍS e…

  • PASSO 3

Quando você escolhe o PAÍS o quadro cinza muda novamente, apresentando o seguinte (imagem 7):

imagem 8

(imagem 7) Preencha as informações solicitadas e clique no botão “ATUALIZAR”.

 

(2) clicando em “PESSOA FÍSICA”.

(imagem 7)

(imagem 8) Preencha as informações solicitadas e clique no botão “CRIAR”.

Novamente, após escolher o PAÍS, o sistema pede as mesmas informações da imagem 7. Basta preencher e clicar em CRIAR / ATUALIZAR. Siga para a próxima tela.

FINALIZANDO A COMPRA DA RECOMPENSA

A partir dai o quadro cinza irá apresentar as opções de pagamento, que podem ser: CARTÃO DE CRÉDITO ou BOLETO BANCÁRIO.

É preciso preencher as informações solicitadas, imprimir o boleto (caso seja esta a opção escolhida) e pagar.

IMPORTANTE!!

A campanha REDE SOLIDÁRIA DE ALIMENTOS é TUDO OU NADA. Isto significa o seguinte: se atingirmos a meta de arrecadação, todos que contribuíram recebem as recompensas escolhidas e nós poderemos desenvolver o aplicativo. Se não, todos que contribuiram  recebem o dinheiro de volta. Se tiver dúvidas sobre isso leia [ AQUI ].

A ideia, claro, é atingirmos a meta e por isso precisamos de ajuda na divulgação. Se você contribuiu indique a campanha par seus amigos, informando sobre o que é e como contribuir.

Se ainda restar alguma dúvida, por favor, basta perguntar nos comentários desta postagem.

Vamos lá… Faça parte, colabore, contribua!

Todo mundo só tem a ganhar!

Abraços!

Anderson Porto
https://goo.gl/UB69oz

Rede Solidária de Alimentos

Deixe um comentário

Arquivado em Alimentos, Biodiversidade, Cultivo, Cursos, Ecologia, Estudos, Etnobotânica, Eventos, Fotos e Vídeos, Mudas, Notícias, Orgânicos, Parcerias, Passo a passo, Plantas Medicinais, Projetos, Software, Técnicas

20 antibióticos naturais e alimentos que melhoram a imunidade

alho

1) ALHO

Doenças que previnem: diarreias (Campylobacter) e úlcera de estômago (H. pylori).

Atuação: contém alicina, que é responsável por seu aroma. Estudos da Universidade do Estado de Washington, nos Estados Unidos, mostraram que um derivado da alicina rompe o filme protetor da Campylobacter e muda sua estrutura enzimática até matá-la. A Campylobacter é conhecida por contaminar alimentos e provocar diarreia. “É um indicativo de que o alho pode ser utilizado como antibacteriano natural, além de proteger a comida”, diz Xiaonan Lu, microbiologista e autor da pesquisa. A alicina ainda atua sobre o RNA da H. pylori, causadora de úlceras e do câncer de estômago.

Uso: como tempero de carnes e para refogar pratos quentes.

Quantidade sugerida: 600 mg de alho por dia, o equivalente a 1 dente cru.


echinaceae

2) EQUINÁCEA

É um antibiótico natural, a equinácea ajuda a combater bactérias, vírus, fungos e outros micróbios causadores de doenças. A equinácea estimula de várias formas o sistema imunológico que é fundamental na luta contra as infecções. Além disso, estimula a produção celular de uma substância denominada interferon (um antiviral natural).

Como esses efeitos são relativamente efêmeros, é melhor tomar a equinácea em intervalos frequentes – até de duas em duas horas durante infecções agudas.


Continuar lendo

26 Comentários

Arquivado em Alimentos, Curiosidades, Doenças, Medicamentos, Plantas Medicinais

Livro digital gratuito reúne informações sobre 383 espécies de plantas medicinais

A farmacêutica Telma Sueli Mesquita Grandi decidiu reunir cada uma das 383 espécies de plantas medicinais que crescem e vivem em Minas Gerais no livro digital ‘Tratado das plantas medicinais mineiras’.

Independente de geolocalização, a iniciativa é um prato cheio para os adeptos do tratamento alternativo de doenças, já que muitas das espécies catalogadas podem ser encontradas em diversas partes do Brasil.

Telma Sueli Mesquita Grandi

Além da descrição detalhada de plantas nativas ou cultivadas no estado, o livro reúne informações minuciosas sobre aplicação, toxicidade, preparo, incompatibilidade com medicamentos, nomes populares e até contraindicações.

A autora chama a atenção para o fato de que muitas das propriedades medicinais das plantas estão presentes em partes específicas do organismo, como folhas ou raízes e é importante conhecer com precisão essas peculiaridades.

Ela também ressalta a necessidade de conhecer as formas de preparo indicadas para cada planta. Algumas espécies não podem ser cozinhadas por exemplo senão perdem seus benefícios.

Faça o download gratuito ou acesse agora!

Fonte: [ O Barato de Floripa ]

18 Comentários

Arquivado em Etnobotânica, Notícias, Plantas Medicinais, Projetos

14 Alimentos que você compra uma vez e replanta para sempre

Você sabia que muitos alimentos que consumimos, e jogamos fora, podem ser replantados… PARA SEMPRE?

Pois é, então a melhor coisa a se fazer, para o bem da natureza, do seu bolso, e da sua saúde é apostar em mini-hortas. Separei uma lista dos alimentos mais interessantes para você replantar.

CEBOLINHA
cebolinha_kitchn

Quando for usar a cebolinha, separe toda a parte branca e mais um pedacinho da parte verde. Coloque dentro de um copo com água, cobrindo cerca de 2,5 cm (a parte branca). Deixe num local ensolarado e dentro de poucos dias, terá cebolinhas novas para usar e não precisará mais comprar. Troque a água todos os dias. Se tiver um quintal, também poderá replantar e terá mais cebolinhas que qualquer Mônica poderia aguentar, até para dividir com amigos, vizinhos e família.

MANJERICÃO
manjericao_635247009934158391-800x348

Acho o mais saboroso e o mais cheiroso dos temperos. Separe mais ou menos três pares de hastes, corte-as com uns 10 a 15 cm, escolha as mais bonitas, retire as folhas da parte de baixo, também as flores, deixando apenas algumas folhas na parte superior. Coloque num copo de vidro com água até a metade e deixe num lugar ensolarado, trocando a água de dois em dois dias. Depois, quando as raízes estiverem com o tamanho de 2 cm é hora de replantar num vaso médio, grande ou numa floreira, pois ele precisa de espaço e de sol. Assim terá manjericão por um ano sem problemas, para molhos pesto, pizzas marguerita e qualquer outro prato #delícia.
Continuar lendo

27 Comentários

Arquivado em Alimentos, Curiosidades, Fotos, Mudas, Plantas Medicinais

10 PASSOS PARA FAZER UMA HORTA COMUNITÁRIA

1973401_10202475501103347_213704496_o

Dicas elaboradas pelos hortelões urbanos/texto de criação coletiva compilado pelo MUDA-SP (Movimento Urbano de Agroecologia), criado e mantido por pessoas, entidades privadas, públicas e não-governamentais

1) ENCONTRE UM ESPAÇO.

Pode ser uma praça, um quintal, a lateral de uma calçada, uma calha, um telhado ou qualquer canto da sua cidade que você gostaria de produzir algo e que tenha acesso a água de boa qualidade, não contaminada.

2) CONVERSE COM AS PESSOAS.

Encontre quem perto de você, amigo, vizinho, avó, filho, sobrinho ou voluntários dispostos a cuidar da horta cotidianamente, se revezando para que a cada dia alguém esteja lá pelo menos por alguns minutos.

3) ENTENDA PORQUÊ.

Seja curioso! Busque conhecer diferentes plantas e tipos de solo e avalie até onde você pode ajudar. Você será responsável por cada orégano que houver ali.

4) USE MAPAS.

Desenhe sua horta e imagine como gostaria que ela fosse. Faça um mapa dos amigos que ajudarão e dos recursos que precisará. Saiba quem são os parceiros pessoais e intitucionais, onde eles estão e como é a melhor forma de acessá-los. Converse com a subprefeitura mais próxima, avise sobre o projeto para que os órgãos públicos apóiem a iniciativa. De modo geral, é permitido cultivar hortaliças e vegetais em terrenos públicos, mas o plantio de árvores – mesmo que frutíferas – é proibido.

5) MÃO NA MASSA.

Marque um dia com sol leve. Chame um mutirão de gente que quer trabalhar, conversar, fazer plaquinhas, ensinar as crianças, colocar a mão na terra e conhecer novas pessoas. Todos são bem vindos!

6) CUIDE DA SUA HORTA.

Ela precisará ser regada, receber atenção periódica e ser adubada e manejada a cada mês. Seus temperos serão mais saborosos, suas alfaces mais bonitas e seus tomates mais vermelhos.

7) DOE SEU TEMPO.

Entenda e interaja com sua horta. Cada coisa terá seu tempo para crescer e umas crescerão mais vigorosas que outras. Veja que planta combina com a outra e observe as estações da lua. Plante mudas novas e veja o que acontece!

8) ESCREVA O QUE VOCÊ FEZ.

Faça um blog, um diário de plantio ou anote num caderno. Compartilhe seus sucessos, desafios, coisas que não deram certo e métodos infalíveis. Muita gente quer saber o que você faz e quer se aproximar de você. Aproveite os grupos das redes sociais.

9) CELEBRE A ABUNDÂNCIA.

Você tem muitas coisas ao seu redor, desde pessoas incríveis a uma quantidade enorme de recursos. Festeje suas conquistas com todos aqueles que ajudaram no processo, fazendo desde festas da colheita a picnics para troca de mudas e sementes.

10) DIVIRTA-SE!

Aproveite, experimente, seja ousado e não tenha medo de errar e faça isso com prazer. Você virará um pai ou mãe-coruja quando ver a primeira berinjela crescendo.

Fonte: [ blog Sementeira ]

Deixe um comentário

Arquivado em Alimentos, Controle biológico, Cultivo, Jardinagem, Mudas, Orgânicos, Plantas Medicinais, Projetos

Cientistas descobrem tratamento contra malária baseado em uso de planta

Losna (Artemisia annua): três vezes mais eficaz que utilizar a dose padrão dos remédios que contêm artemisina e que hoje constituem a forma mais comum de tratar malária

Losna (Artemisia annua): três vezes mais eficaz que utilizar a dose padrão dos remédios que contêm artemisina e que hoje constituem a forma mais comum de tratar malária

Um grupo de cientistas descobriu um novo tratamento contra a malária baseado no uso de Artemisia annua, conhecida popularmente como losna, uma planta da qual é extraído o principal ingrediente para a fabricação de remédios para a doença, conforme a revista “Proceedings of the National Academy of Sciences”

Durante décadas, médicos e servidores de saúde pública em todo mundo tiveram suas tentativas de tratar a malária frustradas pela capacidade do parasita de desenvolver resistência aos medicamentos.

Mas a forma de combate à malária pode mudar após a descoberta da equipe do microbiólogo Stephen Rich, da Universidade de Massachusetts Amherst.

Usar diretamente a losna é três vezes mais eficaz que utilizar a dose padrão dos remédios que contêm artemisina e que hoje constituem a forma mais comum de tratar malária em nível mundial, afirmam os cientistas. A aplicação direta da planta é ainda duas vezes mais eficiente, mesmo se a dose do medicamento for dobrada.

Para realizar a pesquisa, Rich e sua equipe realizaram uma série de experimentos para comparar os resultados do tratamento da malária com a planta e com os remédios.

Foram avaliados nos dois tipos de malária usados e que afetam os roedores o tratamento mais eficaz e quais parasitas resistiam, uma vez que tinham sido aplicados diferentes medicamentos.

Um dos tipos da doença testados é o que mais se assemelha ao Plasmodium falciparum, o mais mortal dos cinco parasitas da malária humana.

“Realizando esses experimentos com diferentes espécies da malária dos roedores, conseguimos uma prova sólida sobre o tratamento”, afirmou Rich.

Para o cientista, o estudo tem importância especial porque 3,2 bilhões de pessoas correm risco de contrair malária, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Nas conclusões da pesquisa, os cientistas sugerem que futuros estudos explorem mais profundamente as possibilidades de tratar a doença com a planta, um método mais barato e não baseado em fármacos.

Fonte: [ UOL Notícias ]

Deixe um comentário

Arquivado em Caso Drauzio Varella, Curiosidades, Doenças, Plantas Medicinais

Farmacopeia Popular do Cerrado

Farmacopeia Popular do Cerrado - CLIQUE NA IMAGEM PARA BAIXAR

Farmacopeia Popular do Cerrado – CLIQUE NA IMAGEM PARA BAIXAR

Deixe um comentário

Arquivado em Etnobotânica, Plantas Medicinais, Projetos

PRINCIPAIS INTERAÇÕES NO USO DE MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS

[clique na imagem para baixar o arquivo PDF]

[clique na imagem para baixar o arquivo PDF]

Fonte: [ Conselho Federal de Farmácia ]

1 comentário

Arquivado em Artigos, Doenças, Fitoterápicos, Plantas Medicinais

Deu branco na queimadura

por Liana John

Ou melhor, o extrato da casca do breu-branco (Protium heptaphyllum) tem bom potencial como protetor solar, por suas atividades antioxidantes e anti-inflamatórias, que ajudam a prevenir queimaduras de sol e câncer de pele.

Essa árvore, de 7 a 20 metros de altura, ocorre na Mata Atlântica, no Cerrado e na Floresta Amazônica e tem frutos comestíveis, de casca vermelha e polpa amarelada, com gosto suave e refrescante. Os frutos são bem apreciados por aves e mamíferos, mas não são conhecidos pela maioria dos brasileiros.

Na verdade, bem conhecido mesmo é perfume extraído da resina, vendido tanto em frascos simples, no mercado do Ver-o-Peso, em Belém (PA), como sofisticados, pelas revendedoras da indústria de cosméticos Natura. O cheirinho bom também exala das folhas, justificando diversos nomes comuns da espécie: almecegueira-de-cheiro, almecegueira-cheirosa, pau-de-incenso, incenso-de-caiena.

Já o nome breu-branco deriva do fato de a resina assumir coloração branca quando exsudada pelo tronco cortado ou raspado. Para os indígenas de origem tupi-guarani, o nome da espécie ora faz referência à resina – icicaçu (resina grande) – ora faz referência à espessura do tronco – guapuycy (mãe de tronco fino).

Seja qual for o nome, a espécie é popularmente considerada medicinal. A resina oleosa é usada como analgésico, cicatrizante e expectorante. Uma pesquisa conduzida pelo doutor em Farmacologia, Francisco de Assis Oliveira, na Universidade Federal do Ceará (UFCE) conferiu a atividade da resina como anti-inflamatória e gastroprotetora. Mas também encontrou alta toxicidade de alguns de seus componentes nos testes com camundongos.

Outra pesquisa, realizada no Laboratório de Controle de Qualidade de Medicamentos e Cosméticos da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP/USP), elegeu o extrato da casca do breu branco como o de melhor potencial fotoquimioprotetor, entre os testes realizados com 40 espécies nativas. “Recebemos os extratos prontos, de diversas instituições, e testamos primeiro a toxicidade e depois as atividades antioxidante e anti-inflamatória, que são as mais importantes para esse tipo de proteção solar”, diz Ana Luiza Scarano Aguillera Forte, responsável pelo estudo. O extrato do breu branco foi enviado por uma equipe do Museu Emílio Goeldi, do Pará.

Nos primeiros testes, de toxicidade, apenas 4 das 40 plantas “passaram na peneira”: os extratos das folhas de quaresmeira (Miconia minutiflora), canela-de-cutia (Eugenia protenta) e de uma mirtácea sem nome comum (Eugenia biflora), além do extrato da casca do tronco de breu-branco. As 4 espécies foram estão testadas em condições semelhantes às reais, com exposição a raios ultravioleta. E os melhores resultados foram obtidos com o breu branco, cuja atividade antioxidante se mostrou capaz de “sequestrar” da pele a maior parte dos radicais livres prejudiciais, além de agir contra a inflamação normalmente causada pela irradiação solar, quando a pele é exposta sem proteção.

“Os produtos fotoquimioprotetores são de pré-tratamento e devem compor produtos cosméticos para a pele junto com filtros solares”, esclarece a pesquisadora. “Não servem para pós-tratamento, para cuidar da pele após a queimadura solar, como é o caso do gel pós-sol”.

O estudo dos 40 extratos foi objeto do mestrado de Ana Luiza, realizado sob a orientação de Maria José Vieira Fonseca, com bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O laboratório também conta com recursos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Agora Ana Luiza avalia outro extrato, proveniente do Cerrado, com a mesma atividade fotoquimioprotetora. É sua tese de doutorado em Ciências Farmacêuticas e inclui um ano de pesquisas na Espanha. Como o estudo só deve terminar em 2016, ela ainda não pode revelar qual é a planta. Então, enquanto esperamos, o jeito é procurar cosméticos que já tenham incorporado o breu-branco para a proteção solar.

Foto: Liana John (tronco de breu-branco, Rio Negro, AM)

Fonte: [ Educação Ambiental Itajubá ]

Deixe um comentário

Arquivado em Doenças, Estudos, Medicamentos, Plantas Medicinais