Arquivo da tag: agrião

20 antibióticos naturais e alimentos que melhoram a imunidade

alho

1) ALHO

Doenças que previnem: diarreias (Campylobacter) e úlcera de estômago (H. pylori).

Atuação: contém alicina, que é responsável por seu aroma. Estudos da Universidade do Estado de Washington, nos Estados Unidos, mostraram que um derivado da alicina rompe o filme protetor da Campylobacter e muda sua estrutura enzimática até matá-la. A Campylobacter é conhecida por contaminar alimentos e provocar diarreia. “É um indicativo de que o alho pode ser utilizado como antibacteriano natural, além de proteger a comida”, diz Xiaonan Lu, microbiologista e autor da pesquisa. A alicina ainda atua sobre o RNA da H. pylori, causadora de úlceras e do câncer de estômago.

Uso: como tempero de carnes e para refogar pratos quentes.

Quantidade sugerida: 600 mg de alho por dia, o equivalente a 1 dente cru.


echinaceae

2) EQUINÁCEA

É um antibiótico natural, a equinácea ajuda a combater bactérias, vírus, fungos e outros micróbios causadores de doenças. A equinácea estimula de várias formas o sistema imunológico que é fundamental na luta contra as infecções. Além disso, estimula a produção celular de uma substância denominada interferon (um antiviral natural).

Como esses efeitos são relativamente efêmeros, é melhor tomar a equinácea em intervalos frequentes – até de duas em duas horas durante infecções agudas.


Continuar lendo

Anúncios

37 Comentários

Arquivado em Alimentos, Curiosidades, Doenças, Medicamentos, Plantas Medicinais

Experiência de estudantes descobre que plantas não crescem perto de roteadores Wi-Fi

Estudantes do nono ano escolar criam uma experiência científica para testar o efeito da radiação de celulares em plantas. Os resultados podem surpreendê-lo.

Cress Collage

Foto cedida por Kim Horsevad, professor da Hjallerup Skole, na Dinamarca.

Cinco jovens da nona série de uma escola na Dinamarca criaram recentemente um experimento científico que está causando um rebuliço na comunidade científica.

Tudo começou com uma observação e uma pergunta. As meninas perceberam que se dormissem com seus celulares perto de suas cabeças durante a noite, elas muitas vezes tinham dificuldade de concentração na escola, no dia seguinte. Eles queriam testar o efeito da radiação do celular em seres humanos mas a sua escola, Hjallerup Skole, na Dinamarca, não tinha o equipamento para lidar com esse tipo de experimento. Assim, as garotas planejaram um experimento que iria testar o efeito da radiação de celulares em plantas, no lugar delas.

As alunas colocaram seis bandejas cheias de Lepidium sativum, um tipo de agrião, em uma sala sem radiação, e seis bandejas de sementes em outra sala, ao lado de dois roteadores que, de acordo com os cálculos das meninas, emitiam sobre as plantas o mesmo tipo de radiação de um celular comum.

Durante 12 dias, as meninas observaram, mediram, pesaram ​​e fotografaram seus resultados. Entretanto, ao final do experimento os resultados foram por demais evidentes – as sementes de agrião colocados perto dos roteadores não tinham crescido. Muitos delas eram completamente mortas. Enquanto as sementes de agrião plantadas na outra sala, longe dos roteadores, germinaram.

O experimento obteve as meninas (foto abaixo) honras em uma competição regional de ciência e interesse de cientistas de todo o mundo.

Team_Karse_til_dr-dk

De acordo com Kim Horsevad, o professor da Hjallerup Skole na Dinamarca, onde o experimento com os agriões ocorreu, um professor da neurociência no Instituto Karolinska, na Suécia, está interessado em repetir a experiência, em ambientes profissionais científicos controlados.

Tenho certeza de que o mundo vai continuar a ver estas mulheres jovens, e esta experiência, por muitos anos para vir. FONTE

Fonte: [ Before Its News ]


[edit:] Link para a experiência documentada, em Dinamarquês: [ Non-termiske effekter af mobilstråling ]

97 Comentários

Arquivado em Alimentos, Biossegurança, Curiosidades, Notícias