Arquivo da tag: boldo

Informações importantes sobre BOLDOS

Um dos remédios mais utilizados antes e depois de festas e confraternizações é o famoso “boldo”. Só que esse nome popular é dado a diversas plantas diferentes, com propriedades medicinais similares porém efeitos colaterais diferentes.

A espécie [foto1] que cresce em quintais por todo o Brasil é a chamada Plectranthus barbatus.

[foto1] “Boldo”, “falso-boldo” (Plectranthus barbatus)

Conhecida pelos boêmios (para curar ressaca e mal estar) a planta provavelmente foi trazida pelos escravos no período colonial, e é utilizada comumente na medicina popular.

É rica em guaieno e fenchona, substâncias responsáveis pelo aroma da planta.

Suas folhas verdes e aveludadas com margens serradas são utilizadas em chás geralmente feitos da maceração das folhas frescas. Serve como um tônico amargo que facilita o trabalho da vesícula biliar, estimulando a secreção da bílis e favorecendo a digestão de gorduras.

Um chá comum é do tipo abafado (infuso), feito com 3 a 4 folhas e água quente, em xícara média. Tomado por muito tempo pode provocar irritação gástrica.[3,4]


Um “boldo” ainda pouco conhecido [foto2] mas com excelentes propriedades medicinais é o “boldo-africano” (Gymnanthemum amygdalinum).

[foto2] “Boldo”, “boldo-africano” (Gymnanthemum amygdalinum)

É um pequeno arbusto empregado na medicina popular como antipirético, laxativo, antimalárico e anti-helmíntico. Além disso, estudos mostram que diferentes extratos do vegetal possuem atividades antioxidante, antimicrobiana e antiparasitária (DUARTE & SILVA, 2013).[2]

Normalmente se utiliza para combater dor de estômago, fígado e náuseas. O sabor do chá é bem mais suave que outros boldos.


Já o “boldo-do-chile” utilizado em chás pela indústria é o Peumus boldus.

“Boldo”, “boldo-do-chile” (Peumus boldus)

É uma árvore que pode atingir 15 metros de altura e só cresce bem em regiões altiplanas, de frio. As propriedades fitoterápicas de suas folhas eram conhecidas das comunidades indígenas sul-americanas que habitavam os Andes chilenos, tornando-se conhecidas mundialmente a partir da colonização européia da América.

Este “boldo”, tomado antes das refeições, ajuda na digestão e nas funções do aparelho digestor. É ótimo para quem tem intestino preso e ajuda a digerir gorduras. As folhas tem boldina, um alcaloide, principal responsável pelas suas propriedades hepatoprotetoras e coleréticas.

Importante ⚠️

Peumus boldus deve ser evitada por que tem problemas inflamatórios nas vias biliares e no pâncreas, cálculos biliares ou hepatite. O seu uso é contra indicado nos casos de gestação, pois o boldo pode gerar problemas na formação do bebê, principalmente nos primeiros três meses.[5]

É bom saber também que as plantas amargas não são indicadas para tratar problemas gástricos (estômago) pois em geral aumentam as secreções ácidas do estômago, podendo portanto agravar gastrites e úlceras pépticas previamente existentes.[4]

Fontes consultadas:

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades, Etnobotânica, Fitoterápicos, Plantas Medicinais

A diferença do projeto Tudo Sobre Plantas

Existe alguma diferença do grupo de estudos do Tudo Sobre Plantas para outras centenas de grupos parecidos? Eu creio que sim. Explico!

Aqui no projeto eu afirmo apenas o que já testei, o que já pesquisei, o que já fiz pelo menos UMA experiência. Exemplos?

Vi uma postagem, digamos, sobre “estacas de roseiras em batatas” na Internet. Fui lá, testei e mostrei para o grupo os resultados. Se falo do Milho (Zea mays) transgênico na cerveja é porque já testei e vi que passo mal. Se falo do Boldo (Plectranthus barbatus) é porque já testei e funcionou no meu organismo. Se passo uma receita de Taioba (Xanthosoma sagittifolium) é porque testei antes de compartilhar. Se publico uma notícia ou pesquisa, apresento sempre as FONTES e, quando posso, mais informações, para que as pessoas possam ir além do que simplesmente ler o que foi apresentado. E isso é importante? Nem sempre é reconhecido como tal, mas eu entendo que sim e por isso faço.

Se me esforço todos os dias para estar na Internet e ajudar a identificar plantas ou comentar o que sei, é porque estudo estes assuntos e entendo que compartilhar o que penso pode ser de alguma utilidade, mesmo através de erros (propositais ou não). Afinal, pode ser o caso de salvar o que seria uma colheita perdida, ou ajudar alguém a melhorar a saúde de uma planta que cultiva na janela da cozinha, ou mesmo experimentar uma forma de plantio diferente. Quem sabe?

Outra coisa que faço é estar sempre jogando ideias na “rede”, para que sejam de algum proveito por quem se interesse. É o que chamo de “agir” através das pessoas, passando ideias adiante e questionando se seria possível, se vale a pena gastar tempo num projeto, sei lá, de composteira, de canteiro, de sombreamento, de horta, de viveiro, de loja de plantas, de pesquisa de espécies, de filtro de água poluída… Um dia acontece das pessoas fazerem!

Então o que tem de diferente é isso e – olhem que interessante – qualquer pessoa pode usar esses conhecimentos e fazer o mesmo!! É só fazer o que faço há quase 16 anos. E o que é melhor, quanto mais as pessoas estudarem e aprenderem sobre plantas, quanto mais pesquisarem, mais o projeto cresce, mesmo que as pessoas não participem do grupo de estudos ou nem façam parte da comunidade TSP.

Já me basta saber que as pessoas estão aprendendo, que estão estudando, que estão experimentando e, o mais importante, passando conhecimentos adiante.

E é exatamente isso que entendo que seja o projeto Tudo Sobre Plantas.

APRENDER E COMPARTILHAR!

(…tudo sobre plantas! rs…)

Abraços!

Anderson Porto
https://www.TudoSobrePlantas.com.br

20160502_054143_recorte

 

1 comentário

Arquivado em Notícias