Arquivo da tag: EE

ENERGIAS, de ontem a amanhã!

Entrevista para o e-jornal RD, edição: setembro 2011

ENERGIAS – de ontem a amanhã.

Entrevistador: Professor Molion

Entrevistado: Eng. Thomas Renatus Fendel

 

 

 

 

 

 

Fig. acima: Teoria abiótica (não biológica) da origem dos combustíveis ditos fósseis.

Detalhes em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Origem_inorg%C3%A2nica_do_petr%C3%B3leo

 

Molion: Qual é a tua opinião sobre energias renováveis?

Fendel: Antes de ter acesso a teus estudos sobre o clima, eu já confiava na pureza do gás carbônico, mas, na onda das acusações ao CO2, cheguei a criar o conceito da carbonação atmosférica negativa (e não neutra) provocado pelo uso das bioenergias, porque o carbono do farelo é da vaca, e não do motor, resultando que o uso de bioenergias seqüestra CO2, de forma até definitiva, quando os resíduos do boi e do capim por ventura fossilizam em carbono biótico. Aí você, meu caro Professor Molion, provou que o CO2 não é o bandido pintado, sendo na realidade o contrário, um inocente santo virginal, apenas criminosamente muito mal pintado, e isso coloca (ou mantém) de ponta cabeça toda a atual política planetária.

Você nocauteou a ladainha eco estufante, comprovando que estamos em resfriamento global, desde 1998, e que, infelizmente, a atual redução de temperatura avançará pelas próximas décadas, num processo repetido, conhecido e verificado há muito tempo.

Nunca foi segredo que os gases formados por qualquer combustão perfeita são noventa e tantos por cento, formados de CO2 e de H2O, em quantidades praticamente iguais, ou seja, quanto mais potentes, sedentos e aperfeiçoados os motores convencionais, mais comida de planta e água destilada produzem, afora traços de outros gases. Para quem não lembra, recordo que plantas não comem terra, comem CO2, bebem H2O e absorvem radiação solar, além de migalhas de outros nutrientes.

Assim se confirma a teoria do meu amigo geólogo Vicente, da porcobráisch, de que devemos queimar preferencialmente fósseis, para pelo menos estancar o nível decrescente de CO2 na atmosfera e assim dar continuidade à produção de alimentos; e se gera a nova eco boba teoria da produção de cristalina água, também a partir da combustão de fósseis, da qual sinto sincera vergonha e asco de ser o autor. Apenas insisto nesta imbecil realidade, para contrapor e evidenciar a idiota moda e criminosa mentira, de produção de água pelo uso do hidroBOBOgênio.

Dizem que o petróleo está no fim, faz 70 anos, o que pelo andar da sacanagem, é outra calúnia catedrática, repetitiva, mal intencionada e perpétua, que tem como objetivos primordiais elevar, exclusivar e manter nas nuvens os preços das energias.

Sobressai dessa lambança a epidemia putrefada dos porcos monopólios das energias, uma sacanagem inominável. Imagina, na mesma balada tola, monopolizar o pão, o leite e a lingüiça, muito mais “estratégicos” do que energia. Não faz sentido.

Continuar lendo

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Biocombustíveis, Entrevistas

ENEREDE – REDE RACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA

ENEREDEREDE RACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA

Revisão: Agosto 2011, dedicada ao e-jornal RD.

Por: Thomas Renatus Fendel

Engenheiro Mecânico, FEG – UNESP, thomas@fendel.com.br

ENEREDE ou ENERNET é o uso recíproco das redes de Energia Elétrica (EE), com seus milhões de consumidores, que também devem e podem gerar e injetar EE nas redes existentes, aumentando em várias vezes sua capacidade de distribuição.

As redes de baixa tensão são superdimensionadas, principalmente aqui no Brasil, terra dos chuveiros elétricos, exclusividade nossa.

Um único chuveiro elétrico de 6 kW consome a EE de duas mil lâmpadas LED de 3 W. Como milhões de brasileiros tomam banho entre as 18 e 21 horas, resultam 3 horas diárias de altíssimo consumo de EE, conhecido como horário de ponta. Nas outras 21 horas, a utilização de muitas redes é irrisória, chegando a menos de 5% em trechos consideráveis.

A EE descentralizada, substitutiva e adicional da ENEREDE será gerada por co-geração e por fontes diversas, como por exemplo, pequenas quedas de água, biodigestores e combustíveis convencionais.

Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Artigos, Biocombustíveis, Técnicas