Arquivo da tag: Formação

Efeito químico desconhecido favorece Homeopatia

(reportagem escrita por Andy Coghlan, da revista “New Cientist”, publicada pela Folha de São Paulo, em 08/11/2001)

Uma descoberta ocasional pode desafiar crenças e ameaça reacender o debate sobre se existe base científica para acreditar se a Homeopatia de fato funciona.

Um grupo da Coréia do Sul descobriu uma dimensão inteiramente nova no processo que é talvez o mais simples dos livros de química: o que acontece quando se dissolve uma substância em água e então se adiciona mais água.

O saber convencional diz que as moléculas dissolvidas simplesmente se espalham, afastando-se mais e mais uma das outras à medida que a solução é diluída. Mas dois químicos descobriram que algumas delas fazem exatamente o contrário: elas se agrupam, primeiro como aglomerados de moléculas, depois como grandes agregados.

A descoberta impressionou os cientistas e poderia fornecer o primeiro indício científico sobre como os remédios homeopáticos funcionam. Os homeopatas diluem sucessivas vezes os medicamentos, acreditando que quanto mais alta a diluição mais potente o remédio se torna.

Alguns diluem “infinitamente”, até que não sobre nenhuma molécula no remédio. Eles acreditam que a água mantenha uma memória do ingrediente ativo, que seria mais potente que a molécula em si. Outros usam soluções menos diluídas – geralmente diluindo um remédio seis vezes. O estudo coreano pode finalmente abrir as portas para a reconciliação da potência dessas soluções menos diluídas com a ciência normal.

O químico alemão Kurt Geckeler e seu colega Shashadhar Samal esbarraram no efeito enquanto investigavam fulerenos no seu laboratório no Instituto de Ciência e Tecnologia de Kwangju, Coréia do Sul. Eles descobriram que essas moléculas, também conhecidas como “buckyballs”, continuaram a se agregar em solução.

Continuar lendo

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Curiosidades, Homeopatia

Fisiologia Vegetal

Fisiologia da Condução de Seiva

O sistema de condução de materiais pelos corpos dos seres vivos deve garantir a distribuição de nutrientes e retirada de substâncias tóxicas das células dos tecidos de todo organismo.

Nos vegetais a condução de seiva, isto é, soluções salinas e soluções açucaradas, é realizada através dos sistemas de vasos, que se distribuem ao longo do corpo das traqueófitas.

A distribuição de seiva bruta ou inorgânica (água e sais minerais) é realizada pelos vasos de xilema ou lenho. A distribuição de seiva elaborada ou orgânica (água e açúcares) é realizada pelos vasos de floema ou líber.

O Mecanismo da Condução de Seiva Bruta ou Inorgânica

O transporte da seiva bruta ou inorgânica é realizado em duas etapas, apresentando um transporte horizontal e um transporte vertical de ascensão de seiva.

Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Artigos, Ecologia

Formação de plantas na Fruticultura

por Eng° Agr° Valerio Pietro Mondin¹

Nos pomares, chama atenção as muitas formas que as plantas apresentam e que podem diferir enormemente, mesmo quando são da mesma espécie. Nem sempre correspondem às formas que teriam se fossem deixadas livres, em seu crescimento natural. Normalmente, isso é devido à intervenção humana. Com essa ação, o homem visa obter melhores resultados e maiores facilidades, naquilo que é de seu interesse.

Quando a planta é deixada livre, ela cresce e se desenvolve dentro de suas características. Buscará ocupar o espaço que lhe é disponível dentro de suas dimensões naturais. Para algumas espécies essa ainda é a melhor maneira de cultivá-las, pois a condução nem sempre é uma prática necessária ou obrigatória. Para outras, no entanto, essa intervenção é fundamental para um melhor resultado na atividade.

As plantas têm tendências naturais de crescer no sentido vertical e apical, ocorrendo brotações desuniformes, com predominância vegetativa e crescimentos entrecruzados. Isso dificulta o equilíbrio na ocupação do espaço e na produção, já que a seiva circulará intensa e rapidamente, nos ramos. Ocorrerá a formação de muitos ângulos fechados, com inserções pouco resistentes e grande desenvolvimento vegetativo.

Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Artigos, Frutas, Técnicas