A diferença do projeto Tudo Sobre Plantas

Existe alguma diferença do grupo de estudos do Tudo Sobre Plantas para outras centenas de grupos parecidos? Eu creio que sim. Explico!

Aqui no projeto eu afirmo apenas o que já testei, o que já pesquisei, o que já fiz pelo menos UMA experiência. Exemplos?

Vi uma postagem, digamos, sobre “estacas de roseiras em batatas” na Internet. Fui lá, testei e mostrei para o grupo os resultados. Se falo do Milho (Zea mays) transgênico na cerveja é porque já testei e vi que passo mal. Se falo do Boldo (Plectranthus barbatus) é porque já testei e funcionou no meu organismo. Se passo uma receita de Taioba (Xanthosoma sagittifolium) é porque testei antes de compartilhar. Se publico uma notícia ou pesquisa, apresento sempre as FONTES e, quando posso, mais informações, para que as pessoas possam ir além do que simplesmente ler o que foi apresentado. E isso é importante? Nem sempre é reconhecido como tal, mas eu entendo que sim e por isso faço.

Se me esforço todos os dias para estar na Internet e ajudar a identificar plantas ou comentar o que sei, é porque estudo estes assuntos e entendo que compartilhar o que penso pode ser de alguma utilidade, mesmo através de erros (propositais ou não). Afinal, pode ser o caso de salvar o que seria uma colheita perdida, ou ajudar alguém a melhorar a saúde de uma planta que cultiva na janela da cozinha, ou mesmo experimentar uma forma de plantio diferente. Quem sabe?

Outra coisa que faço é estar sempre jogando ideias na “rede”, para que sejam de algum proveito por quem se interesse. É o que chamo de “agir” através das pessoas, passando ideias adiante e questionando se seria possível, se vale a pena gastar tempo num projeto, sei lá, de composteira, de canteiro, de sombreamento, de horta, de viveiro, de loja de plantas, de pesquisa de espécies, de filtro de água poluída… Um dia acontece das pessoas fazerem!

Então o que tem de diferente é isso e – olhem que interessante – qualquer pessoa pode usar esses conhecimentos e fazer o mesmo!! É só fazer o que faço há quase 16 anos. E o que é melhor, quanto mais as pessoas estudarem e aprenderem sobre plantas, quanto mais pesquisarem, mais o projeto cresce, mesmo que as pessoas não participem do grupo de estudos ou nem façam parte da comunidade TSP.

Já me basta saber que as pessoas estão aprendendo, que estão estudando, que estão experimentando e, o mais importante, passando conhecimentos adiante.

E é exatamente isso que entendo que seja o projeto Tudo Sobre Plantas.

APRENDER E COMPARTILHAR!

(…tudo sobre plantas! rs…)

Abraços!

Anderson Porto
https://www.TudoSobrePlantas.com.br

20160502_054143_recorte

 

Documentário: Nuvens de Veneno

A nuvem se espraia pelas plantações. Em vez de molhar, seca. Ela não traz a chuva, traz o veneno. O Brasil é um dos maiores produtores mundiais de soja, algodão, milho e também um dos maiores consumidores de fertilizantes químicos e agrotóxicos. Nuvens de veneno expõe as preocupações com as consequências do uso desses agroquímicos no ambiente, especialmente, na saúde do trabalhador. Um documentário revelador que faz refletir sobre a forma que crescemos e sobre o tipo de desenvolvimento que queremos.

Realização: Secretaria de Saúde de Mato Grosso, Terra Firme e VideoSaúde

Direção: Beto Novaes

Distribuição: VideoSaúde — Distribuidora da Fiocruz

Brasileiros descobrem que casca de banana pode despoluir a água

98432080723-banana

São Paulo – Cascas de banana trituradas podem funcionar como um remédio eficaz em águas poluídas por pesticidas. Esse poder de despoluir a água por um custo zero foi descoberto por uma equipe de cientistas liderados pela pesquisadora Claudineia Silva, do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena) da USP, em Piracicaba.

Para chegar nessa conclusão, os pesquisadores coletaram amostras nos rios Piracicaba e Capivari, e na estação de tratamento de água da cidade. Nesses rios, as águas ficam poluídas pelos pesticidas atrazina e ametrina, muito usados em plantações de cana-de-açúcar e milho.

Em seguida, os pesquisadores secaram cascas de banana maduras em um forno a 60ºC por um dia, resultado que também pode ser obtido ao expor o material ao Sol durante uma semana. Após essa primeira etapa, as cascas foram trituradas e peneiradas. O processo gerou um pó de consistência parecida com a de uma ração. Esse material foi, então, misturado com a água, agitado por 40 minutos e filtrado. “A reposta foi ótima. Essa biomassa conseguiu absorver 90% dos pesticidas”, afirma Claudineia.

Esse método tem uma vantagem sobre procedimentos tradicionais. Atualmente, os tratamentos de água não são suficientes para remover resíduos de agrotóxicos de tal forma a atingir o padrão de potabilidade e evitar riscos à saúde humana.

O carvão ativado (o mecanismo mais usado), por exemplo, é um método caro de despoluição. “A casca de banana teria custo zero. Qualquer um poderia usar essa técnica, principalmente em regiões mais pobres. Qualquer pessoa pode pegar uma casca de banana, secar ao sol, bater no liquidificador e jogar na água”, diz Claudineia.

Fonte: [ INFO ]

Monsanto renuncia a cultivar OGM na Europa

milho-ogm

A Monsanto renunciou aos projetos de cultivo de OGM na Europa, [ noticia Die Welt ].

O grupo norte-americano de biotecnologia anunciou, a 17 de julho, a retirada de todos os pedidos de autorização para o cultivo de milho, soja e beterraba açucareira geneticamente modificados que apresentara à Comissão Europeia, porque, explica o jornal, “já não vê perspetivas comerciais”. Apenas o pedido de autorização do cultivo de milho geneticamente modificado do tipo MON810 será renovado.

Neste momento, esse milho é a única planta útil geneticamente modificada cultivada comercialmente na Europa, recorda o Welt. Quanto ao resto, a Monsanto deseja concentrar-se na comercialização de sementes tradicionais na Europa. Esta decisão, considera o Welt, “reflete a deceção de muitas empresas na área da biotecnologia perante o ceticismo da UE em relação aos OGM”:

Em muitos casos, a UE toma as decisões com vários anos de atraso. Apesar de o milho geneticamente modificado do tipo MON810 ter sido admitido na UE, alguns Estados-membros, entre os quais a França, a Alemanha e a Itália, proibiram-no a nível nacional, na sequência de iniciativas dos seus cidadãos. Já no ano passado, o grupo químico alemão BASF entregou os pontos e deslocalizou a sua central de biotecnologia vegetal para os Estados Unidos, porque a engenharia genética é alvo de forte oposição na Europa.

Fonte: [ Presseurop.eu ]

Como fazer um papiro?

como_se_faz_papiro

papiros

Como fazer Papiro com Palha de milho seco

a- Corte as palhas secas (amareladas) em retângulos
b- Cole os retângulos com cola branca em papel sulfite
c- Coloque um peso (pode ser um livro grosso) sobre o papiro e deixe descansar até a cola secar.
d- Escreva com caneta preta ou canetinha ponta fina um versículo de sua preferência

SiSTSP – Milho (Zea mays)

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
| SiSTSP – Banco de Plantas Notaveis
| Projeto Tudo Sobre Plantas
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
NOME CIENTIFICO: Zea mays
NOME(S) POPULAR(ES): Milho, Abati, Auati, Avati
FAMILIA (Cronquist): Gramineae
FAMILIA (APG2): Poaceae
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
É um conhecido cereal, cultivado em grande parte do mundo.

O milho é extensivamente utilizado como alimento humano ou ração animal, devido às suas qualidades nutricionais.

Todas as evidências científicas levam a crer que seja uma planta de origem mexicana, já que a sua domesticação começou 7.500 a 12.000 anos atrás na área central da Mesoamérica.

É um dos alimentos mais nutritivos que existem, contendo quase todos os aminoácidos conhecidos, sendo exceções a lisina e o triptofano.

Tem um alto potencial produtivo e é bastante responsivo à tecnologia.

Seu cultivo geralmente é mecanizado, se beneficiando muito de técnicas modernas de plantio e colheita.

Atualmente, somente cerca de cinco por cento da produção brasileira se destina ao consumo humano e, mesmo assim, de maneira indireta na composição de outros produtos.

Isto se deve principalmente à falta de informação sobre o milho e à ausência de uma maior divulgação de suas qualidades nutricionais, bem como aos hábitos alimentares da população brasileira, que privilegia outros grãos.
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
ficha disponivel online em:
http://www.tudosobreplantas.com.br/asp/plantas/ficha.asp?id_planta=372068
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
Registro atualizado em: 02/06/2013 02:13:18, por Anderson Porto.
=-=-

Hungria destrói todas as plantações da Monsanto

Propane-Field-Burning-290x290A Hungria deu uma machadada no tronco infectado da gigante Monsanto e as suas modificações genéticas destruindo quase 500 hectares de culturas de milho plantadas com sementes geneticamente modificadas.

De acordo com o o secretário de estado húngaro e Ministro do Desenvolvimento Rural Lajos Bognar, ao contrário de muitos países europeus (como Portugal) a Hungria é uma nação onde as sementes geneticamente modificadas estão banidas e proibidas, tomando uma posição semelhante ao Peru que instituiu uma lei que bane e proíbe as sementes e alimentos geneticamente modificados por pelo menos 10 anos.

Os quase 500 hectares de milho destruídos estavam espalhados pelo território húngaro e haviam sido plantados há pouco tempo, explica o Ministro Lajos Bognar, o que quer dizer que o pólen venenoso do milho ainda não estava a ser dispersado.

Continue Lendo “Hungria destrói todas as plantações da Monsanto”