Arquivo da tag: Parreira

O que não te contaram sobre o Míldio nas parreiras

20170422_165249

Todo ano é a mesma coisa. Chega uma certa época do ano e a parreira é “atacada” por este fungo e perde todas as folhas.

Segundo a literatura sobre cultivo de parreiras de uvas:

com a chegada do verão e início das chuvas, a viticultura passa pelo momento mais crítico com relação ao míldio, doença causada pelo fungo Plasmopara viticola – provavelmente a mais séria das doenças para a cultura da uva. O míldio é uma doença mundial, sendo problema onde o desenvolvimento da cultura é acompanhado pela alta umidade e temperaturas moderadas a quentes. A temperatura ótima para o desenvolvimento da doença é de 18oC a 24oC, com um mínimo de 12oC a 13oC e um máximo de 30oC.“[1]

Pois bem… Ao longo dos anos comecei a reparar que as plantas desenvolveram interações com outras espécies no meio ambiente. Elas literalmente “conversam” com insetos através de atrativos químicos e outras formas de comunicação.

20170422_164850

Comecei a perceber então que o “míldio” faz parte do ciclo natural da Vitis vinifera, ocorrendo todos os anos. Sua função é fazer com que a parreira perca suas folhas, e assim elas possam armazenar água para a época de dormência (abril a agosto).

Perder as folhas significa menos evapotranspiração. A planta passa a bombear menos água para a atmosfera, digamos assim.

É claro, ocorrer naturalmente não significa que deva-se deixar se instalar ou alastrar num cultivo destinado a comercialização. Ao investir numa produção de uvas gasta-se tempo e dinheiro, e portanto torna-se necessário obter um retorno desse investimento.

Para isso, em um cultivo que respeite o meio ambiente, existem as plantas bioindicadoras (pr ex., roseiras) plantadas perto, fungicidas e fertilizantes orgânicos. As soluções existem.

Em cultivos caseiros não há necessidade de combate. Basta acompanhamento. Você abdica do controle em prol do ciclo natural e apenas observa a natureza seguir seu curso.

Quis apenas trazer esse assunto à baila porque reparei que esse pequeno “detalhe”, a ocorrência de forma natural do míldio não é destacada devidamente nas publicações sobre este assunto. Ninguém fala sobre isso.

Colocam sempre o míldio como uma praga, devastador, etc., sem comentar sobre ele fazer parte do ciclo natural da Vitis vinifera.

Interessante, não?

Abraços!

Anderson Porto
(25/04/2017)
___
[1] http://www.grupocultivar.com.br/artigos/uva-hora-do-ataque-do-mildio

[2] Mais infos sobre Vitis vinifera: http://www.tudosobreplantas.com.br/asp/plantas/ficha.asp?id_planta=22240

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Controle biológico, Cultivo, Curiosidades, Doenças, Meio Ambiente, Observações

Poda de renovação de videira / parreira

Incisiva, poda é mais indicada para as variedades americanas e híbridas

O cenário está pronto. A Serra gaúcha entra na época ideal da poda seca nas videiras (período de dormência). Até meados de setembro, produtores podam as plantas para a produção da nova safra e o equilíbrio da parte vegetativa com a produtiva.

Uma técnica não tão recente, mas que exige conhecimento, contribui para melhorar a produção, reduzir o número de aplicações de fungicidas, e o volume de adubos, além de simplificar a mão de obra. Trata-se da poda de renovação, mais indicada para as variedades americanas e híbridas, chamadas de comuns, e no sistema latada.

“A técnica é incisiva, e até considerada drástica, por retirar grande volume de madeira da parreira”, explica o engenheiro agrônomo Enio Ângelo Todeschini, assistente regional de fruticultura da Emater Regional da Serra. Sem a poda, as pernadas (ramos velhos que formam a estrutura da copa) crescem muito, produzindo só na ponta, o que exige muita energia da planta.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Alimentos, Cultivo, Doenças, Frutas, Técnicas

Os perigos do cultivo da Uva

Pesquisadores constatam elevado nível de intoxicação em vinicultores gaúchos: análises feitas em 108 trabalhadores rurais da região nordeste do estado mostraram que todos apresentam danos em seu material genético

”]

Um estudo inédito sobre o efeito de agrotóxicos em vinicultores do Rio Grande do Sul revelou altos índices de intoxicação. Análises feitas em 108 trabalhadores rurais da região nordeste do estado mostraram que todos apresentam danos em seu material genético. A pesquisa, que resultou de uma parceria entre a Universidade de Caxias do Sul (UCS) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), foi publicada recentemente na revista internacional Mutagenesis.

Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Alimentos, Cultivo, Fotos