Maconha pode impedir que o HIV se espalhe, diz estudo

“Sim, mais uma grande utilidade médica da maconha descoberta. Muitas ainda virão, pois os receptores sobre os quais os componentes da maconha atuam regulam e orquestram praticamente todas as funções fisiológicas do organismo. Inclusive a multiplicação e a ativação de celular do sistema imune. Além disso, há indícios de ação antiviral. Lester Grisnspoon, famoso médico de Harvard, especialista no uso medicinal da maconha, afirmou corretamente que a maconha terá (e esta tendo) um impacto tão importante ou maior que o da penicilina.” – Renato Malcher

Estudo realizado pela Louisiana State University diz que o THC pode impedir que o HIV se espalhe e que ajuda no aumento de células saudáveis

Por Redação

Estudo diz que maconha pode ajudar na produção de células saudáveis frente ao HIV

Estudo diz que maconha pode ajudar na produção de células saudáveis frente ao HIV

Uma pesquisa da Louisiana State University com macacos aponto para o aumento de células sadias com o uso da maconha. Já faz algum tempo que o uso da erva é utilizado como tratamento terapêutico contra alguns sintomas da Aids, por exemplo, dores e perda do peso. Porém, esta pesquisa também descobriu que cannabis pode ser útil para impedir que a doença se espalhe.

Os cientistas aplicaram durante 17 meses doses diárias de THC (substância ativa da maconha) em macacos infectados por uma versão animal do HIV. Durante o período, os pesquisadores observaram que os prejuízos ao sistema imunológico dos estômagos dos animais, área que costuma ser a mais afetada, tiveram os seus danos reduzidos.

Ao Huffington Post, a coordenadora da pesquisa, Dra. Patrícia Molina, disse que “estes resultados revelam novos mecanismos que podem contribuir potencialmente para o controle da doença por meio da cannabis”. Molina também explicou que enquanto o vírus HIV ganha força se espalhando por meio de infecções que matam as células, os macacos que receberam doses de THC mantiveram altas taxas saudáveis durante o tratamento.

Pesquisas anteriores também concluíram que macacos infectados pelo HIV e tratados com THC sobreviveram mais tempo. Em 2012, outro estudo apontou que a maconha possui substâncias que podem ser efetivas na luta contra o HIV. No Califórnia Pacific Medical Center, em São Francisco (EUA), cientistas alegaram que os componentes da maconha também podem ser úteis para tratar formas agressivas de câncer.

Fonte: [ Revista Forum ]

Coentro é capaz de eliminar metais pesados da água

Mexicanos descobriram que o tempero, comum no Brasil, pode deixar a água potável de forma natural.

Mexicanos descobriram que o tempero, comum no Brasil, pode deixar a água potável de forma natural.

Por Gabriel Felix

Em parceria com cientistas norte-americanos, os estudantes da Universidade Politécnica de Francisco I. Madero, no México, descobriram que o coentro tem potencial para eliminar impurezas e retirar metais pesados da água de forma orgânica. A erva, que também apresenta diversas propriedades medicinais, vem mostrando eficiência em purificar os sistemas de irrigação no Vale do Tula, situado nas proximidades da Cidade do México.

A pesquisa teve início quando os estudantes observaram o poder de desintoxicação da erva, utilizada de forma natural para filtrar o sangue e eliminar radicais livres do corpo. Durante as experiências, a equipe comprovou que as células que compõem o coentro conseguem reter com facilidade alguns metais, como o níquel, que, ao ser ingerido, pode causar graves complicações – como o câncer de pulmão.

De acordo com Douglas Schauer, coordenador da pesquisa, a próxima etapa é verificar se o coentro, tempero comum na cozinha brasileira, também é capaz de eliminar metais com maior toxicidade, como o mercúrio, que causa estragos irreversíveis – seja na saúde das pessoas, seja nos corpos d’água de todo o planeta.

Os testes vêm sendo realizados em plantações do Vale do Tula, região que, historicamente, exerceu importante influência para as civilizações pré-colombianas. Além de ser utilizado para purificar a água que irriga as plantações, o coentro também demonstra eficiência ao ser inserido numa espécie de sachê de chá, capaz de filtrar a água imprópria para consumo, conforme explicam os cientistas.

Os resultados da pesquisa foram apresentados à American Chemical Society, que publicou a novidade. Além dos bons resultados nos testes de purificação de água, está comprovado que o coentro pode ser utilizado para controlar a pressão sanguínea, diminuir a ansiedade e ainda combater a cefaleia e a insônia.

Fonte: [ CicloVivo ]

Canabinoides podem reduzir até 90% do câncer de pele em 20 semanas, segundo estudo

oil01

Um novo estudo realizado pelo Instituto Metropolitano de Saúde Pública de Tókio, e publicado pelo Journal of Pharmacy and Pharmacology, descobriu que os canabinoides podem reduzir até 90% do câncer de pele em um período de apenas 20 semanas. Neste estudo os pesquisadores utilizaram canabinoides sintéticos (normalmente, canabinoides naturais provenientes da flor da maconha são mais fortes e eficazes*) em camundongos com câncer de pele, durante um período de 20 semanas. Ao finalizar o estudo, descobriram que os canabinoides tiveram um efeito extremamente positivo, reduzindo o câncer de pele dos ratinhos em até 90%. Os canabinoides também produziram um excelente efeito antitumoral.

Os pesquisadores concluem:

“Esta é o primeiro relatório indicando as relações de atividades estruturais e as atividades anti-inflamatórias dos canabinoides sintéticos na inflamação induzida por TPA em ratos”. E finalizam… “Os resultados sugerem que os canabinoides sintéticos, tais como JWH-018, -122 e -210, podem ser utilizados na de câncer no futuro”.

Porém essa pesquisa não releva nada de extremamente novo. Há muitos anos que existem pessoas se tratando com o óleo de maconha, o Hemp Oil (RSO), para cuidar de câncer de pele assim como diversos outros tipos de câncer. Por conta da proibição, pouquíssimas pessoas tem acesso à esse valioso medicamento e ainda sofrem com as alternativas legalizadas como a quimioterapia e radioterapia. Mas a internet tem facilitado o compartilhamento de informações e o que antes era restrito à alguns lugares, hoje pode ser produzido em qualquer lugar do mundo.

Um exemplo é Rick Simpson, o homem que (re) descobriu o Óleo de Maconha para o tratamento de câncer, produziu o documentário “Run From The Cure” e vem lutando há vários anos pelo direito dos pacientes se tratarem com uma das melhores alternativas possíveis, o Hemp Oil. No documentário ele ensina como produzir seu próprio óleo de maneira segura, além de mostrar diversos testemunhos de pacientes que se trataram com o óleo e se curaram. Vale a pena conferir para entender mais sobre o o Hemp Oil e como ele irá revolucionar o tratamento de câncer no futuro.

[ Aprenda como fazer o Hemp Oil ]

Fonte: [ Journal of Pharmacy and Pharmacology ]

via: [ CHARAS ]

Romã é aliada em potencial na prevenção do mal de Alzheimer

Por Da Redação – agenusp@usp.br

Microcápsulas a base do extrato casca de romã poderiam ser incorporado na dieta

Microcápsulas a base do extrato de casca de romã poderiam ser incorporado na dieta

Na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba, uma pesquisa com resíduos de romã constatou sua potencialidade como aliado na prevenção da doença de Alzheimer. O trabalho foi realizado pela pesquisadora Maressa Caldeira Morzelle, do Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição (LAN), sob a orientação da professora Jocelem Mastrodi Salgado.

Inúmeros estudos indicam que, entre pessoas que consomem frutas e verduras regularmente, é raro o diagnóstico de doenças degenerativas decorrentes da idade avançada. “Isso se deve ao fato de que a quantidade de antioxidante presente nesses alimentos é elevada”, comenta a autora do estudo.

De acordo com a pesquisa, em se tratando da romã, apenas na casca da fruta é possível encontrar mais antioxidante do que em seu suco e sua polpa. Os antioxidantes são essenciais para a prevenção contra os radicais livres que matam as células do nosso corpo, o que acarreta em doenças degenerativas em geral.

Sabendo disso, Maressa buscou alternativas que pudessem concentrar todo o extrato da casca em pó, para ser diluído como suco, ou adicionado a sucos de outros sabores, levando em consideração os desafios do processamento e armazenagem, e o fato de que a adição do composto bioativo não poderia afetar as propriedades sensoriais do produto final.

Continue lendo

Plantas da Amazónia regulam o clima da região

Plantas libertam pequenas partículas de potássio no ar
(Imagem: Jason Auch)

Vegetação altera a química atmosférica

Segundo um estudo publicado na revista «Science», realizado por uma equipa de investigadores internacionais, as plantas da floresta Amazónia [?], no Brasil, determinam o clima.

O grupo de trabalho recolheu amostras de ar numa torre localizada a 80 metros de altura para analisar no acelerador de partículas norte-americano e descobriu que a vegetação existente na floresta brasileira liberta pequenas partículas de potássio que vão fazer com que chova.

Os cientistas que realizaram a experiência afirmam que 90 por cento das partículas de aerossóis, responsáveis por agregar água atmosférica em gotículas de chuva, contêm essas pequenas doses de potássio.

Os investigadores já sabiam da existência de sais de potássio em suspensão, mas não sabiam qual a sua origem. Consideram que o potássio apenas pudesse estar contido em partículas orgânicas maiores, e só apareceria depois de se degradar e não em pequenas partículas com 20 nanómetros.

Continue lendo

Emater/RS-Ascar, UFRGS e Embrapa realizam pesquisa em oliveira

Cultivo de oliveiras demonstra boa adaptação a solos gaúchos *** Foto: Kátia Marcon, divulgação Emater/RS-Ascar

Resistente à estiagem, a oliveira começa a mostrar seu potencial para os produtores gaúchos.

Em Cachoeira do Sul, uma pesquisa que envolve técnicos da Emater/RS-Ascar, da UFRGS e da Embrapa está avaliando a resposta da oliveira a diferentes doses de cálcio e boro.

Segundo Clésio Gianello, professor do Departamento de Solos e do Programa de Pós-graduação em Ciência do Solo e coordenador do Laboratório de Análises de Solo e de Tecido Vegetal da UFRGS, essa pesquisa destina-se a fazer testes de nutrição da planta no que diz respeito ao uso dos elementos cálcio e boro.

“Estamos há 3 anos desenvolvendo essa pesquisa. No primeiro ano, colhemos em média 8 quilos por planta da variedade Arbequina. Já no terceiro ano, estamos retirando em média 30 quilos por planta. Esses resultados se devem, principalmente, ao crescimento das plantas”, comemora Gianello.

Continue lendo

Restos agroindustriais inibem micro-organismos em alimentos

Talos de beterraba, película de amendoim, entre outros, apresentam componentes que podem até matar elementos contaminantes

Alguns resíduos agroindustriais como talos de beterraba,película de amendoim, bagaços e sementes de uva, além da borra gerada pela fermentação de uvas tintas e a erva-mate apresentam componentes que inibem ou matam determinados micro-organismos patogênicos (causadores de doenças) contaminantes de alimentos. Foi o que o biólogo José Guilherme Prado Martin pode constatar em sua pesquisa Atividade antimicrobiana de produtos naturais: erva-mate e resíduos agroindustriais, realizada no Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição daEscola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba.

De acordo com o pesquisador, “a escolha por resíduos decorreu do fato de que o Brasil possui forte economia agroindustrial, geradora de grande quantidade de resíduos, os quais podem muito bem ser reutilizados pela indústria alimentícia como conservantes naturais, contribuindo com a produção de alimentos mais saudáveis e reduzindo os impactos ambientais decorrentes do descarte desses resíduos”, afirma Martin.

A intenção do estudo foi avaliar que tipos de produtos naturais poderiam agir contra estes micro-organismos. O pesquisador, segundo informações da Agência USP, analisou 20 diferentes resíduos agroindustriais e subprodutos gerados pelo processamento de frutas, legumes e hortaliças.

Continue lendo

Mata de Santa Genebra é palco de pesquisa para estudantes da Unicamp

A Mata Santa Genebra recebeu a visita de 12 alunos do 2º e 3º anos do curso de Farmácia da Unicamp, nesta segunda-feira, 16 de abril. Os estudantes estão realizando uma pesquisa de coleta de plantas para depósito em herbário na universidade e coleta de informações etnobiológicas.

Neste semestre, a equipe está estudando a disciplina de etnobiologia – estudo científico da dinâmica de relacionamentos entre pessoas e seus grupos culturais e o meio ambiente, desde o passado distante até o presente imediato.

Os alunos colheram duas espécies de plantas na unidade, a assa-peixe e a piper. O grupo ainda assistiu a palestra ministrada pelo monitor da atividade, Rodrigo do Prado, que inclui a história da Mata de Santa Genebra, doada em 1981, ao Poder Executivo.

Além disso, os alunos realizaram o percurso da trilha-leste da Unidade de Conservação e conheceram o complexo Borboletário, que consiste em uma casa de criação, de acompanhamento de pesquisas e o viveiro.

Trabalho de campo

“Desde o início do ano estamos aprendendo a teoria em sala de aula e eu não via a hora de sair a campo. A Mata de Santa Genebra é um ótimo lugar para colher mais informações sobre nosso trabalho’’, diz a estudante Valeria Holsback.

Segundo os biólogos da Fundação, o melhor período para a coleta dessas plantas é a primavera, onde as espécies arbóreas florescem com mais intensidade.

A presidente Tereza Dóro reforça que a Fundação José Pedro de Oliveira está à disposição das universidades e escolas da região para utilizar a Mata de Santa Genebra, em pesquisas e demais trabalhos sobre meio ambiente.

Fonte: [ POrtal Novidade ]

Pesquisa sobre germinação de sementes pode auxiliar comércio de plantas da várzea na Amazônia

Áreas de várzea no Amazonas são periodicamente atingidas pela cheia no Estado (Márcio Silva )

Pesquisadores do Grupo de Pesquisa em Ecologia Florestal do Instituto Mamirauá concluíram a análise de cerca de 20 mil sementes de espécies de árvores das florestas de várzea, como parte integrante do estudo “Germinação de Sementes, Emergência e Recrutamento de Plântulas”.

De acordo com a bióloga e doutora Auristela Conserva, as informações analisadas podem auxiliar nas atividades de manejo realizado na Reserva Mamirauá e contribuir para o entendimento da dinâmica das florestas de várzea, que apresentou uma redução de 70% do número de árvores exploradas no período de 1993 a 2000.

Desde 2010, a pesquisa busca identificar características relacionadas ao comportamento de sementes da várzea, como velocidade, frequências de germinação, tipos morfológicos e padrões da fase jovem dos vegetais estudados, denominada como plântula.

No total, oito espécies foram estudadas, entre elas o assacú (Hura crepitans), utilizado como boia para flutuantes, o mulateiro (Calycophyllum spruceanum) e a Piranheira (Piranhea trifoliata), ambos empregadas na construção civil.

Além da utilidade para o manejo praticado na Reserva Mamirauá, os dados sobre germinação estão próximos de se transformar em um protocolo, no caso do mulateiro, a ser oficializado pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), conhecido como Regras para Análises de Sementes.

O estudo para o protocolo, realizado pela Universidade Federal de Uberlândia, financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em parceria com Instituto Mamirauá oferece subsídios para a fiscalização do comércio de sementes florestais, que é ainda pouco praticado no Brasil.

Fonte: [ ACRITICA ]

Plantio de Árvores nas calçadas

Por Júlio Bernardes

Pesquisa feita em três regiões da cidade de São Paulo comprova que a vegetação urbana reduz a necessidade de ventiladores e aparelhos de ar-condicionado para manter o conforto térmico em residências, podendo reduzir o consumo de energia elétrica. O trabalho foi apresentado na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da USP de Piracicaba, pela engenheira agrônoma Giuliana Del Nero Velasco, que sugere o plantio de árvores de grande porte no sistema viário para ampliar a redução de temperatura obtida com a cobertura vegetal.

O trabalho analisou áreas com diferentes densidades de vegetação na Zona Sul da cidade, a primeira com 3,72% de cobertura verde, a segunda com 11,71% e a terceira com 33,92%. “Os locais foram escolhidos por geoprocessamento, a partir das imagens de alta resolução do satélite Ikonos II”, explica Giuliana. “Após a aplicação do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI) e análise de mapas de clima já existentes, foi feito um levantamento de campo para confirmar os dados do sensoriamento remoto e definida uma amostragem de 100 residências em cada área”.

Em cada residência foram coletados dados sobre a cobertura vegetal, temperatura, umidade e, por meio de questionários, da presença de ar-condicionado e ventiladores. A concessionária de energia local forneceu informações sobre o consumo de eletricidade. “Por fim, realizou-se o cálculo dos graus-hora de calor, que indica quantos graus de temperatura a mais precisam ser retirados do ambiente de forma artificial”, completa a agrônoma.

No mês mais quente medido pela pesquisa (março), a área com menor vegetação apresentou 10 graus-hora de calor por dia, contra 3,91 graus-hora de calor da região com maior cobertura vegetal. “Isto mostra que o local com menos cobertura arbórea possui uma necessidade maior de refrigeração artificial”, ressalta Giuliana, acrescentando que a temperatura às 9 horas chegou a ser 2,14 graus maior que a região mais arborizada. “Nessa área, a média de temperatura foi menor, o que resultou em um valor mais baixo de graus-hora de calor”.

Continue lendo