Arquivo do mês: dezembro 2017

SiSTSP – Cucura-purumã (Pourouma cecropiifolia)

NOME CIENTIFICO: Pourouma cecropiifolia
NOME(S) POPULAR(ES): Cucura-purumã, Mapati, Uva-da-Amazônia, Imbaúba-mansa, Uva-da-mata.
FAMILIA (APG): Urticaceae
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
Árvore que simboliza o bem e o mal na mitologia Tupi-guarani.[2]

O mapatizeiro é uma fruteira perene de porte médio.[3]

É considerado uma fruteira de valor comercial e nutricional, com fácil propagação, crescimento rápido, rusticidade, precocidade e boa produtividade.

Ideal para pequenos pomares e sistemas agroflorestais, como planta ornamental e na recuperação e enriquecimento de áreas degradadas.
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
ficha disponivel online em:
http://www.tudosobreplantas.com.br/asp/plantas/ficha.asp?id_planta=44342
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
| SiSTSP – Banco de Plantas Notaveis – Projeto Tudo Sobre Plantas
| registro atualizado em: 22/12/2017 00:42:08, por Anderson Porto.
=-=-

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em SiSTSP

SiSTSP – Chapeu-de-napoleão (Thevetia neriifolia)

NOME CIENTIFICO: Thevetia neriifolia
NOME(S) POPULAR(ES): Chapeu-de-napoleão, Aguaí, Noz-de-cobra, Acaimirim, Cerbera, Auaí-guaçu
FAMILIA (Cronquist): Apocynaceae
FAMILIA (APG): Apocynaceae
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
Quem tem facilidade para um mau jeito deve ter sempre duas sementes de Chapeu-de-napoleão (Thevetia neriifolia), também chamada aguaí, um macho e uma fêmea, no bolso. Pode ser no mesmo bolso. Também é bom contra reumatismo.

Cuidado para que crianças não as peguem porque são venenosas.

Para saber diferenciar as sementes, coloque-as em um copo d?água. A que afundar é macho, a que flutuar, fêmea.

Ou observe a risca da semente. A do macho fica bem no meio e a fêmea, entre o meio e a ponta.

É importante tocar nas sementes nos bolsos, para que elas entrem em contato com a pele.[2]

É uma planta arbustiva ornamental de belas e vistosas flores, é originária das Américas Central e do Sul e tem sido utilizada como planta ornamental em todo o mundo tropical e temperado, e no Brasil, mais especificamente no Sudeste.

Também é utilizada na medicina oriental há vários séculos para o tratamento de afecções cardíacas. [3]
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
ficha disponivel online em:
http://www.tudosobreplantas.com.br/asp/plantas/ficha.asp?id_planta=10149
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
| SiSTSP – Banco de Plantas Notaveis – Projeto Tudo Sobre Plantas
| registro atualizado em: 11/12/2017 18:46:44, por Anderson Porto.
=-=-

Deixe um comentário

Arquivado em SiSTSP

Lagoas de evaporação de potássio, em Utah

Todos vocês já devem ter ouvido a famosa sigla NPK, correto? “N” de nitrogênio, “P” de fósforo e “K” de potássio. Pois bem… De onde vem esses nutrientes? Quais são as fontes de N, P e K? Eis uma das fontes de POTÁSSIO (K).
__

Essas formas azuis vibrantes no deserto marrom são as lagoas de evaporação de potássio administradas pela Intrepid Potash, Inc., o maior produtor de cloreto de potássio dos Estados Unidos, e estão localizadas ao longo do rio Colorado, a cerca de 30 km a oeste de Moab, Utah.

Essas lagoas medem 1,5 quilômetros quadrados e são revestidas com borracha para manter os sais.

Ao contrário de outras lagoas de evaporação de sal que obtêm um matiz naturalmente avermelhado devido à presença de certas algas, a cor azul brilhante dessas lagoas de evaporação de potássio é artificial. Adicionam uma tintura que ajuda na absorção de luz solar e evaporação. Uma vez que o potássio e os sais são deixados para trás, eles são recolhidos e enviados para processamento.

A maioria das reservas mundiais de potássio veio de oceanos antigos que uma vez cobriram onde agora é terra. Após a evaporação da água, os sais de potássio cristalizaram em grandes leitos de depósitos de potássio.

Ao longo do tempo, a agitação na crosta terrestre enterrou esses depósitos sob centenas de metros de terra e eles se tornaram um minério de potássio. A bacia do Paradox, onde as minas em Moab estão localizadas, é estimada em 2 bilhões de toneladas de potássio. Estes formaram cerca de 300 milhões de anos e hoje estão a cerca de 1.200 metros abaixo da superfície.

Para extrair potássio do chão, os trabalhadores perfuram poços na mina e bombeiam água quente para dissolver o potássio. A salmoura resultante é bombeada para fora dos poços para a superfície e alimentada para as lagoas de evaporação. O sol evapora a água, deixando atrás cristais de potássio e outros sal. Este processo de evaporação normalmente leva cerca de 300 dias.

Intrepid Potash, Inc. produz entre 700 e 1000 toneladas de potassa por dia a partir desta mina. A mina está aberta desde 1965, e a Intrepid Potash espera obter pelo menos mais 125 anos de produção antes que o minério de potássio se esgote.

Fonte: [ Amusing Planet ]

1 comentário

Arquivado em Adubação, Cultivo, Doenças, Fotos, Meio Ambiente, Técnicas