Arquivo da tag: OGM

Médicos confirmam primeira morte humana oficialmente causada por transgênicos – [BOATO!]

edit: Após verificar no site Snopes.com [ LINK ] descobrimos que esta é uma NOTÍCIA FALSA e o texto original foi apagado para evitar que as pessoas compartilhem boatos.

Pedimos desculpas pela postagem.

Anúncios

Comentários desativados em Médicos confirmam primeira morte humana oficialmente causada por transgênicos – [BOATO!]

Arquivado em Alimentos, Transgênicos

Monsanto, a Parceria Transpacífico e domínio da alimentação mundial

tradução via Google Translate, original em inglês [ aqui ]

Como as negociações da Parceria Transpacífico chegam em seus últimos dias, Ellen Brown expõe seu verdadeiro propósito – o controle corporativo do mundo de alimentos, saúde, meio ambiente e sistemas financeiros. De todos estes, o maior é o alimento …

4828_Indianfarmer_1_460x230

“Controle o petróleo e você controla as nações”, disse o secretário de Estado Henry Kissinger EUA na década de 1970. “Controle o alimento e você controlará as pessoas.”

E agora o controle global de alimentos quase foi alcançado, através da redução da diversidade de sementes com OGM (geneticamente modificado), sementes que são distribuídas por apenas algumas corporações transnacionais.

Esta agenda foi implementada com custo sepultura para a nossa saúde. E se a Parceria Trans-Pacífico (TPP) passa, o controle sobre não apenas a nossa comida, mas a nossa saúde, nosso meio ambiente e nosso sistema financeiro estará nas mãos de corporações transnacionais.

[Ver também ” Avaaz TPP petição sabotado? “]

Lucros Antes de Populações

A engenharia genética tem feito controle proprietário possível sobre as sementes em que a oferta de alimentos do mundo depende. De acordo com uma entrevista Acres EUA com o patologista de plantas, Don Huber, professor emérito da Universidade de Purdue, duas características modificadas respondem por praticamente todas as culturas geneticamente modificadas cultivadas no hoje o mundo.

Um deles envolve a resistência a insetos. A outra modificação, mais preocupante envolve insensibilidade a herbicidas à base de glifosato (produtos químicos que matam plantas ditas “daninhas”). Muitas vezes conhecido como Roundup após o produto mais vendido Monsanto ter esse nome, glifosato envenena tudo em seu caminho, exceto plantas geneticamente modificadas para resistir a ele.

Herbicidas à base de glifosato são agora os herbicidas mais utilizados no mundo. O glifosato é um parceiro essencial para os organismos geneticamente modificados, que são o principal negócio da indústria de biotecnologia a expansão. O glifosato é um herbicida de “amplo espectro” que destrói indiscriminadamente, não por matar plantas indesejáveis ​​diretamente, mas amarrando-se o acesso a nutrientes essenciais.

Devido à forma insidiosa no qual funciona, ele tem sido vendido como uma substituição relativamente benigna para os herbicidas à base de dioxinas anteriores devastadores. Mas uma enxurrada de dados experimentais tem mostrado agora que o glifosato – e os alimentos transgênicos incorporá-lo em níveis elevados – a representar sérios riscos à saúde.

Para agravar o risco de toxicidade é a dos chamados ‘ingredientes inertes’ usadas para fazer o glifosato mais potente. Os pesquisadores descobriram, por exemplo, que o POEA surfactante pode matar células humanas, particularmente embrionário, placenta e células do cordão umbilical. Mas esses riscos foram convenientemente ignorados.

O uso generalizado de alimentos geneticamente modificados e herbicidas glifosato ajuda a explicar a anomalia que os EUA gastam mais de duas vezes mais per capita em saúde como o país medianamente desenvolvido, no entanto, é classificada como muito baixo na escala das populações mais saudáveis ​​do mundo. A Organização Mundial da Saúde tem classificado pelos EUA de 17 nações desenvolvidas para a saúde global.

Sessenta a setenta por cento dos alimentos em supermercados dos EUA estão agora geneticamente modificados. Por outro lado, em pelo menos 26 outros países – incluindo a Suíça, Austrália, Áustria, China, Índia, França, Alemanha, Hungria, Luxemburgo, Grécia, Bulgária, Polônia, Itália, México e Rússia – OGM são proibidos, total ou parcialmente , e significativa restrições sobre OGM existe em cerca de sessenta e outros países.

A proibição de OGM e glifosato uso pode ir muito longe para a melhoria da saúde dos americanos. Mas a Parceria Trans-Pacífico, um acordo de comércio global para que a Administração Obama tem procurado estatuto Fast Track, iria bloquear esse tipo de abordagem focada em causa para a crise da saúde.

Insidious Efeitos do Roundup

Culturas Roundup resistentes escapar de ser morto por glifosato, mas não evitar absorvendo-o em seus tecidos. Culturas tolerantes a herbicidas têm níveis substancialmente mais elevados de resíduos de herbicida do que outras plantações. Na verdade, muitos países tiveram de aumentar os seus níveis legalmente permitidos – em até 50 vezes – a fim de acomodar a introdução de culturas GM.

Na União Europeia, resíduos em alimentos deve subir 100-150 vezes , se uma nova proposta pela Monsanto é aprovado. Enquanto isso, tolerantes a herbicidas “super-ervas daninhas” se adaptaram à química , exigindo doses ainda mais tóxicos e de novos produtos químicos tóxicos para matar a planta.

Enzimas humanos são afetados pelo glifosato, assim como enzimas de plantas são: os blocos químicos a absorção de minerais essenciais manganês e outros. Sem esses minerais, não podemos metabolizar adequadamente os alimentos. Isso ajuda a explicar a epidemia galopante de obesidade nos Estados Unidos. Pessoas comer e comer, na tentativa de adquirir os nutrientes que simplesmente não estão disponíveis na sua alimentação.

De acordo com pesquisadores Samsell e Seneff em Biosemiotic Entropia: Transtorno, Doença, e Mortalidade (abril de 2013):

“Inibição do citocromo P450 (CYP) do glifosato é um componente negligenciado da sua toxicidade para mamíferos. Enzimas CYP desempenham um papel crucial na biologia … impacto negativo sobre o corpo é insidioso e manifesta-se lentamente ao longo do tempo como danos inflamação sistemas celulares em todo o corpo .

“As consequências são a maioria das doenças e condições associadas com uma dieta ocidental, que incluem desordens gastrointestinais, obesidade, diabetes, doença cardíaca, a depressão, o autismo, a infertilidade, cancro e doença de Alzheimer.”

Mais de 40 doenças têm sido associadas ao uso do glifosato, e mais continuam aparecendo. Em setembro de 2013, a Universidade Nacional de Rio Cuarto, Argentina, publicou uma pesquisa descobrindo que o glifosato aumenta o crescimento de fungos que produzem a aflatoxina B1, um dos mais cancerígenos de substâncias.

Um médico do Chaco, na Argentina, disse Associated Press, “Nós fomos de uma população muito saudável para um com um alto índice de câncer, defeitos congênitos e doenças raramente visto antes.” Crescimentos Fungos têm aumentado significativamente nas lavouras de milho dos Estados Unidos.

O glifosato também fez sérios danos ao meio ambiente. acordo com um relatório de outubro de 2012 pelo Instituto de Ciência na sociedade :

“O agronegócio afirma que as culturas de glifosato e tolerante ao glifosato vai melhorar a produtividade das culturas, aumentar os lucros dos agricultores e beneficiar o meio ambiente, reduzindo o uso de pesticidas.

Exatamente o oposto é o caso … a evidência indica que os herbicidas glifosato e culturas tolerantes ao glifosato tiveram amplos efeitos prejudiciais, incluindo ervas daninhas resistentes ao glifosato super, virulento planta (e novos animais) patógenos, reduziu a saúde ea produtividade das plantas, danos a espécies fora do alvo de insetos para anfíbios e pecuária, bem como a redução da fertilidade do solo. ”

Política Trumps Ciência

À luz destes resultados adversos, por que Washington e da Comissão Europeia continuou a endossar glifosato tão seguro? Os críticos apontam regulamentos relaxado, forte influência de lobistas corporativos e uma agenda política que tem mais a ver com o poder e controle do que proteger a saúde das pessoas.

Nos 2.007 livro inovador Seeds of Destruction: The Hidden Agenda de Manipulação Genética , William Engdahl afirma que o controle global de alimentos eo despovoamento tornou-se política estratégica dos EUA sob Rockefeller protegido Henry Kissinger. Junto com a geopolítica do petróleo, que eram para ser a “solução” de novo para as ameaças ao poder global dos EUA e continuou acesso dos EUA a matérias-primas baratas do mundo em desenvolvimento.

Em linha com essa agenda, o governo tem demonstrado extremo partidarismo em favor do agronegócio biotecnologia, optando por um sistema em que a indústria políticas em si “voluntariamente”. Alimentos Bio-engenharia são tratados como “aditivos naturais de alimentos”, não necessitando de qualquer teste especial.

Jeffrey M. Smith, Diretor Executivo do Instituto de Tecnologia Responsável, confirma que a política dos EUA Food and Drug Administration permite que empresas de biotecnologia para determinar se os seus próprios alimentos são seguros. Apresentação dos dados é totalmente voluntária. Ele conclui:

Na arena crítica de investigação de segurança alimentar, a indústria da biotecnologia é, sem prestação de contas, normas, ou peer-review. Eles têm má ciência como uma ciência.

Seja ou não o despovoamento é uma parte intencional de ordem do dia, uso generalizado de OGM e glifosato é ter esse resultado . As propriedades de desregulação endócrina de glifosato têm sido associados à infertilidade, aborto, defeitos de nascimento e desenvolvimento sexual preso.

Em experimentos russos, os animais alimentados com soja GM eram estéreis pela terceira geração. Vastas quantidades de solo agrícola também estão sendo arruinado sistematicamente pela morte de microorganismos benéficos que permitem que as raízes das plantas de absorção de nutrientes do solo.

No olho de abertura o documentário de Gary Null Sementes da Morte: Revelar as mentiras de OGM , o Dr. Bruce Lipton avisa: “Nós estamos conduzindo o mundo para a sexta extinção em massa da vida neste planeta … O comportamento humano está minando a teia da vida.”

O TPP e Controle Empresarial Internacional

Como as conclusões devastadoras destes e de outros pesquisadores despertar as pessoas a nível mundial para os perigos do Roundup e alimentos transgênicos, as empresas transnacionais estão trabalhando febrilmente com a administração Obama para fast-track da Parceria Trans-Pacífico, um acordo comercial que iria tirar governos do poder para regular atividades empresariais transnacionais.

As negociações foram mantidas em segredo do Congresso, mas não de consultores de empresas, 600 das quais foram consultadas e saber os detalhes. Segundo Barbara Chicherio em Nation of Change:

“A Parceria Trans-Pacífico (TPP) tem o potencial de se tornar o maior acordo regional de livre comércio da história …

“O negociador agrícola chefe para os EUA é o ex-lobista da Monsanto, o Islã Siddique. Se for ratificado o TPP imporia punir regulamentos que dão direito empresas multinacionais sem precedentes para exigir compensação contribuinte para as políticas que considerem as corporações uma barreira para os seus lucros …

“Eles são cuidadosamente elaborar o TPP para garantir que os cidadãos dos países envolvidos não têm controle sobre a segurança alimentar, o que eles vão comer, onde é cultivada, as condições em que os alimentos são cultivados e o uso de herbicidas e pesticidas.”

A segurança alimentar é apenas um dos muitos direitos e proteções que possam cair para esta super-arma de controle societário internacional. Em uma entrevista em abril de 2013, em The Real News Network , Kevin Zeese chamado TPP “NAFTA em esteróides” e “um golpe de estado corporativo global . ” Ele alertou:

“Não importa o problema que você se preocupa com – se os seus salários, empregos, protegendo o meio ambiente … essa questão vai afetá-lo negativamente … Se um país dá um passo para tentar regular a indústria financeira ou criar um público banco para representar o interesse público, ele pode ser processado “.

Return to Nature: Not Too Late

Existe uma maneira mais segura, mais saudável, mais terra-friendly para alimentar as nações. Enquanto Monsanto e dos EUA reguladores estão forçando as culturas GM em famílias americanas, as famílias russas estão mostrando o que pode ser feito com métodos de permacultura em hortas simples.

Em 2011, 40% dos alimentos da Rússia foi cultivado em vivendas (jardins da casa de campo ou loteamentos). Jardins Dacha produziu mais de 80% das frutas e bagas do país, mais de 66% dos legumes, quase 80% das batatas e quase 50% do leite do país, em grande parte consumido cru. Segundo Vladimir Megre , autor do best vendido Ringing Cedars Series:

“Essencialmente, o que não é russo jardineiros demonstrar que os jardineiros podem alimentar o mundo – e você não precisa de nenhum OGM, fazendas industriais, ou quaisquer outros truques tecnológicos para garantir todo mundo tem comida suficiente para comer.

Tenha em mente que a Rússia tem apenas 110 dias de estação de crescimento por ano – para que os EUA, por exemplo, a produção de ‘jardineiros poderia ser substancialmente maior. Hoje, no entanto, a área ocupada por gramados em os EUA é duas vezes maior do que a de jardins da Rússia – e não produz nada, mas a indústria de cuidados de gramado multi-bilhões de dólares “.

Em os EUA, apenas cerca de 0,6 por cento do total da área agrícola é dedicada à agricultura biológica. Esta área precisa ser muito ampliada, se quisermos evitar a “sexta extinção em massa ‘. Mas, primeiro, temos de instar os nossos representantes para parar Fast Track, vote não no TPP, e buscar a eliminação global de herbicidas à base de glifosato e alimentos transgênicos.

A nossa saúde, nossas finanças e nosso ambiente estão em jogo.

Assine a petição da Avaaz agora!

Ellen Brown é um advogado, presidente do Instituto Público Banking , e autor de doze livros, incluindo o best-seller Web of Debt . Em A solução Banco Público , seu último livro, ela explora modelos de banca pública de sucesso, historicamente e no mundo. Seus artigos do blog estão em EllenBrown.com .

Este artigo foi originalmente publicado em Counterpunch.

Fonte: [ The Ecologist ]

+ infos: [ Parceria Transpacífico, proibição de medicamentos genéricos, punição para governos que rotularem transgênicos são alguns dos itens constantes nos documentos vazados pelo Wikileaks, esta é a generosa lista de presentes de Natal para as grandes empresas. ]

Deixe um comentário

Arquivado em Alimentos, Biodiversidade, Biossegurança, Ecologia, Etnobotânica, Herbicidas, Meio Ambiente, Notícias, Transgênicos

Monsanto renuncia a cultivar OGM na Europa

milho-ogm

A Monsanto renunciou aos projetos de cultivo de OGM na Europa, [ noticia Die Welt ].

O grupo norte-americano de biotecnologia anunciou, a 17 de julho, a retirada de todos os pedidos de autorização para o cultivo de milho, soja e beterraba açucareira geneticamente modificados que apresentara à Comissão Europeia, porque, explica o jornal, “já não vê perspetivas comerciais”. Apenas o pedido de autorização do cultivo de milho geneticamente modificado do tipo MON810 será renovado.

Neste momento, esse milho é a única planta útil geneticamente modificada cultivada comercialmente na Europa, recorda o Welt. Quanto ao resto, a Monsanto deseja concentrar-se na comercialização de sementes tradicionais na Europa. Esta decisão, considera o Welt, “reflete a deceção de muitas empresas na área da biotecnologia perante o ceticismo da UE em relação aos OGM”:

Em muitos casos, a UE toma as decisões com vários anos de atraso. Apesar de o milho geneticamente modificado do tipo MON810 ter sido admitido na UE, alguns Estados-membros, entre os quais a França, a Alemanha e a Itália, proibiram-no a nível nacional, na sequência de iniciativas dos seus cidadãos. Já no ano passado, o grupo químico alemão BASF entregou os pontos e deslocalizou a sua central de biotecnologia vegetal para os Estados Unidos, porque a engenharia genética é alvo de forte oposição na Europa.

Fonte: [ Presseurop.eu ]

Deixe um comentário

Arquivado em Biossegurança, Transgênicos

Hungria destrói todas as plantações da Monsanto

Propane-Field-Burning-290x290A Hungria deu uma machadada no tronco infectado da gigante Monsanto e as suas modificações genéticas destruindo quase 500 hectares de culturas de milho plantadas com sementes geneticamente modificadas.

De acordo com o o secretário de estado húngaro e Ministro do Desenvolvimento Rural Lajos Bognar, ao contrário de muitos países europeus (como Portugal) a Hungria é uma nação onde as sementes geneticamente modificadas estão banidas e proibidas, tomando uma posição semelhante ao Peru que instituiu uma lei que bane e proíbe as sementes e alimentos geneticamente modificados por pelo menos 10 anos.

Os quase 500 hectares de milho destruídos estavam espalhados pelo território húngaro e haviam sido plantados há pouco tempo, explica o Ministro Lajos Bognar, o que quer dizer que o pólen venenoso do milho ainda não estava a ser dispersado.

Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Biodiversidade, Biossegurança, Notícias, Transgênicos

Óleo De Canola – Um Clássico Exemplo De Fraude Alimentar

Você lembra da margarina? Ela foi e ainda é apresentada como mais saudável que a manteiga.

Eu já vi sites renomados dizendo que devemos trocar a manteiga pela margarina que é mais saudável.

E o pior é que muita gente ainda acredita nisso!

Comer margarina é tão saudável quanto comer plástico derretido… A única diferença é o preço. A margarina é mais barata que plástico, mas o resultado é o mesmo.

Mas no momento não vou falar sobre a margarina, que é um veneno, mas sobre o Óleo De Canola, que está indo no mesmo rumo da margarina.

Você pode até não comprar o óleo achando que está se livrando dele, mas acaba consumindo-o em outros alimentos processados.

Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Transgênicos

Transgênicos ultrapassam os 80%

Autor: DCI

Rótulo de um produto transgênico

Soja e milho transgênicos atingiram 28,68 milhões de hectares nesta temporada no Brasil, mostra indicador elaborado pela equipe técnica da Expedição Safra Gazeta da Povo. Essa área corresponde a 86% dos 33,36 milhões de hectares dedicados às duas culturas na safra de verão e mostra que a transgenia continua avançando de norte a sul no país.

O milho geneticamente modificado (GM) começou a ser cultivado comercialmente em larga escala em 2009/10 e, na estreia, teve 50% da área. Em três safras, avançou 33 pontos. No mesmo período, a soja GM, que está em sua sexta temporada, ganhou 17 pontos, chegando a 87%. O avanço verificado na safra atual, de 2 e 6 pontos, respectivamente, foi medido a partir de 270 entrevistas realizadas em campo com produtores e especialistas das regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Cen­­tro-Norte (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) de outubro do ano passado a fevereiro deste ano.

O Brasil se consolida como o segundo país que mais cultiva grãos transgênicos no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, que dedicam 69 milhões de hectares às sementes GM, conforme o Serviço Internacional para a Aquisição de Aplicações Biotec­­no­­­ló­­gicas Agrícolas (Isaaa, na si­­gla em inglês). Os 21,59 milhões de hectares da soja GM representam 3,12 vezes a extensão total cultivada com a oleaginosa em Mato Grosso, líder nacional na cul­­tura, e 4,6 vezes o tamanho dessa lavoura no Paraná, segundo colocado. No milho de verão, a área com transgenia é 7,63 vezes maior que a paranaense nesta estação.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Cultivo, Notícias, Transgênicos

Software avalia impacto de plantas geneticamente alteradas

Rótulo de um produto transgênico

Cientistas brasileiros desenvolvem metodologia e um software para avaliar a segurança e os impactos de plantas geneticamente modificadas. A iniciativa, pioneira no mundo, resulta na criação do Sistema de Avaliação de PGM.

A metodologia, criada pela pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Katia Regina Evaristo de Jesus e seus colaboradores, permite avaliar com segurança os impactos de plantas geneticamente modificadas, segundo os cientistas. “Para facilitar o emprego da metodologia são apresentados critérios de segurança para análise e indicadores de impactos técnicos e gerais das plantas GM”, explica a pesquisadora.

“Apesar da importância e preocupação atribuídas aos efeitos advindos da aplicação de plantios transgênicos no campo, a metodologia de avaliação – software Sistema de Avaliação de PGM – é a primeira proposta com a finalidade de realizar a avaliação integrada da segurança e dos impactos de PGM”, diz Katia.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Biossegurança, Meio Ambiente, Notícias, Projetos, Transgênicos

CTNBio libera controle de transgênicos

Após quase um ano de discussão, a CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança) aprovou, em sua reunião do mês de novembro, a resolução de Monitoramento Pós-Liberação Comercial de OGMs (organismos geneticamente modificados), também conhecidos como transgênicos.

O novo sistema, conforme fluxograma (que pode ser acessado [ aqui ]), modifica a norma atual e permite a definição de prazos diferenciados para o acompanhamento de produtos liberados comercialmente pela comissão. A resolução de monitoramento recebeu 16 votos a favor, quatro contrários e uma abstenção.

A secretaria executiva da CTNBio informou que a nova legislação, a partir da publicação, permitirá que a comissão possa ser mais eficiente e específica para cada tipo de monitoramento dos organismos liberados. A norma vigente define cinco anos de monitoramento e, com a alteração, a comissão passará a regular o tempo e a decidir sobre a forma de monitorar.

Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Alimentos, Biotecnologia, Cultivo, Doenças, Ecologia, Herbicidas, Meio Ambiente, Notícias, Transgênicos

Embrapa – Nova tecnologia de transformação genética

Nova tecnologia de transformação genética

Para chegar às variedades geneticamente modificadas [vide tag: transgênicos], os pesquisadores da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Francisco Aragão, e da Embrapa Arroz e Feijão, Josias Faria , utilizaram quatro estratégias de transformação genética.

Em linhas gerais, eles modificaram geneticamente a planta para que ela produzisse pequenos fragmentos de RNA responsáveis pela ativação de seu mecanismo de defesa contra o vírus mosaico dourado, devastador à lavoura.

“Mimetizamos o sistema natural”, diz Francisco Aragão, explicando que a grande vantagem dessa nova técnica é que não há produção de novas proteínas nas plantas, e consequentemente não há possibilidade de alergenicidade e toxidez. Além disso, os fragmentos de RNA podem causar resistência a várias estirpes do mesmo vírus.

Os pesquisadores construíram um vetor para geração de plantas transgênicas com o objetivo de bloquear a multiplicação do DNA viral.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias, Transgênicos

Feijão transgênico é aprovado, com abstenção do Min. da Ciência e Tecnologia

Sob aplausos emocionados, o feijão transgênico desenvolvido pela Embrapa foi aprovado na manhã desta quinta-feira (15), durante reunião da CTNBio – Comissão Técnica Nacional de Biossegurança.

Apesar das representações feitas pela sociedade civil e dos questionamentos quanto a insuficiência de pesquisas científicas, a variedade foi aprovada com duas abstenções, cinco pedidos de diligência e 15 votos favoráveis.

Uma das abstenções foi do próprio representante do Ministério de Ciência e Tecnologia, Carlos Nobre. Para as organizações, a postura adotada pelo MCT representa uma grave omissão do ministério quanto ao tema, já que o caráter científico do debate sobre transgênicos mereceria total atenção e posicionamento do mesmo.

Organizações da sociedade civil e movimentos sociais vinham informando o Ministério há meses sobre a ameaça de uma votação anti-científica e em desacordo com a legislação de um dos alimentos mais importantes para a alimentação dos brasileiros. Também protocolaram duas representações ao Ministério Público Federal sobre a votação, a fim de demonstrar as lacunas científicas e o evidente conflito de interesses por parte dos membros que anteciparam seus votos favoráveis ao participarem de um abaixo assinado virtual pró-feijão transgênico.

Durante a reunião dessa quinta-feira, um dos membros da Comissão, José Maria Gusman Ferraz, apresentou parecer onde apontava diversas falhas no processo e violações ao princípio da precaução e à legislação de biossegurança. A Comissão recebeu também pareceres de cientistas especialistas em Biossegurança da Universidade Feral de Santa Catarina, onde constava o alerta sobre a necessidade de realização de mais estudos.

Apesar disso, o presidente da CTNBio, Edilson Paiva, decidiu não possibilitar aos membros prazo para avaliação dos novos documentos apresentados, desrespeitando o que diz a lei sobre este tema, e a votação foi iniciada. Os que não votaram pela aprovação, votaram por diligências requerendo a realização de mais estudos. A representante dos consumidores, Solange Teles, foi impedida de participar da reunião por ter tido seu mandato expirado, devido à omissão da CTNBio em cumprir os trâmites burocráticos para efetuar sua recondução.

Ao finalizar a reunião, uma nova surpresa: o Sr. Edilson Paiva mencionou a realização de reunião extraordinária realizada no dia 13 de setembro, onde convidou as empresas proponentes de pedido de liberação de OGM´s para contribuírem na construção de nova norma sobre sigilo.

Organizações da sociedade civil e movimentos sociais não foram convidados a participar.

Fonte: [ Terra de Direitos ]

5 Comentários

Arquivado em Alimentos, Cultivo, Transgênicos