Plantando e fazendo a manutenção da horta agroflorestal

Hoje de manhã tava lá na horta, plantando e fazendo a manutenção, tirando matinhos e repondo a cobertura em alguns locais.

Horta agroflorestal – frutíferas, ervas e temperos

“O Cerrado está extinto e isso leva ao fim dos rios e dos reservatórios de água”

Entrevista com Altair Sales Barbosa

Uma das maiores autoridades sobre o tema, professor da PUC Goiás diz que destruição
do bioma é irreversível e que isso compromete o abastecimento potável em todo o País

Foto: Fernando Leite/Jornal Opção
Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

por Elder Dias

Uma ilha ambiental em meio à metrópole está no Campus 2 da Pon­tifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás). É lá o local onde Altair Sales Barbosa idealizou e realizou uma obra que se tornou ponto turístico da capital: o Memorial do Cerrado, eleito em 2008 o local mais bonito de Goiânia e um dos projetos do Instituto do Trópico Subúmido (ITS), dirigido pelo professor.

Foi lá que Altair, um dos mais profundos conhecedores do bioma Cerrado, recebeu a equipe do Jornal Opção. Como professor e pesquisador, tem graduação em Antropologia pela Universidade Católica do Chile e doutorado em Arqueologia Pré-Histórica pelo Museu Nacional de História Natural, em Washington (EUA). Mais do que isso, tem vivência do conhecimento que conduz.

É justamente pela força da ciência que ele dá a notícia que não queria: na prática o Cerrado já está extinto como bioma. E, como reza o dito popular, notícia ruim não vem sozinha, antes de recuperar o fôlego para absorver o impacto de habitar um ecossistema que já não existe, outra afirmação produz perplexidade: a devastação do Cer­rado vai produzir também o desaparecimento dos reservatórios de água, localizados no Cerrado, o que já vem ocorrendo — a crise de a­bastecimento em São Paulo foi só o início do problema. Os sinais dos tempos indicam já o começo do período sombrio: “Enquanto se es­tá na fartura, você é capaz de re­partir um copo d’água com o ir­mão; mas, no dia da penúria, ninguém repartirá”, sentencia o professor.
Continue Lendo ““O Cerrado está extinto e isso leva ao fim dos rios e dos reservatórios de água””

Estudo mostra nova forma de comunicação entre plantas

Virginia Tech College of Agriculture and Life Sceinces/VEJA
Virginia Tech College of Agriculture and Life Sceinces/VEJA

Cientistas americanos descobriram uma nova forma de comunicação entre plantas, que permite a troca de informações genéticas entre elas. Baseado no intercâmbio de material genético, esse processo permite que plantas parasitas exerçam um certo controle sobre suas hospedeiras, diminuindo suas defesas, por exemplo. A pesquisa abre as portas para uma área da ciência que explora como as plantas se comunicam em escala molecular, além de ajudar a desvendar novas formas de combater parasitas que prejudicam cultivos em diversas partes do mundo. A pesquisa foi publicada nesta quinta-feira (14), na revista Science.

“A descoberta desta nova forma de comunicação entre organismos mostra que isto acontece muito mais do que se acreditava”, afirma Jim Westwood, professor de patologia e fisiologia das plantas da Universidade Estadual da Virgínia, nos Estados Unidos, e principal autor do estudo. “Agora que sabemos que elas estão compartilhando toda essa informação, a próxima pergunta é: o que exatamente estão dizendo umas as outras?”

O cientista analisou a relação entre uma planta parasita, a cuscuta, e duas hospedeiras, Arabidopsis (do mesmo gênero das couves) e o tomate. Em uma pesquisa anterior, Westwood havia descoberto que durante a interação parasita ocorre um transporte de RNA (molécula que transporta informação genética e controla a produção de proteínas) entre as duas espécies. No novo trabalho, ele e sua equipe aprofundaram o estudo sobre essa troca, e analisaram o RNA mensageiro, que envia mensagens entre as células dizendo a elas qual direção seguir e quais proteínas produzir.

Acreditava-se que o RNA mensageiro era muito frágil e pouco durável, o que tornava inimaginável sua transferência entre espécies. Porém, os novos resultados mostraram que durante essa relação parasita milhares de moléculas de RNA mensageiro estavam sendo trocadas entre as plantas, criando um diálogo. Por meio desta troca, as plantas parasitas podem ditar o que a planta hospedeira deve fazer, como diminuir sua defesa, para tornar o ataque mais fácil. Westwood afirma que seu próximo trabalho será descobrir exatamente o que o RNA está “dizendo”.

“Plantas parasitas são um grande problema para plantações que ajudam a alimentar algumas das regiões mais pobres da África. Esta descoberta pode ajudar no desenvolvimento de novas estratégias de controle, baseadas na modificação da informação do RNA mensageiro que a parasita usa para reprogramar a hospedeira”, afirma Julie Scholes, professora da Universidade de Sheffield, na Grã-Bretanha, que não participou do estudo. “O RNA mensageiro pode ser o calcanhar de Aquiles dos parasitas”, afirma Westwood, que aposta em diversos usos possíveis para sua descoberta.

Fonte: [ Planeta Sustentável ]

Plantas podem pensar, falar e ler pensamentos, afirma novo estudo

ct-plantas-podem-pensar-900x600

Pesquisas científicas evidenciam que plantas possuem memória de longo prazo e até sentimentos

Por Tara MacIsaac, Epoch Times

Uma nova pesquisa feita por uma equipe científica da Universidade do Oeste da Austrália (UWA) mostra que as plantas possuem memória de longo prazo. Isso dá embasamento ao estudo que evidencia que as plantas têm processos mentais de alto nível, incluindo a capacidade de sentir medo e felicidade, de se comunicar e de ler mentes.

O Príncipe Charles disse uma vez que ele falou com plantas e elas responderam. Como apontou um [ artigo da Revista Economist ] sobre a nova pesquisa de memória das plantas, o Príncipe Charles foi um pouco ridicularizado por sua declaração, mas talvez em breve ele seja justificado.

Listamos abaixo um resumo das características mentais das plantas:

1. Plantas possuem memória de longe prazo

A Dra. Monica Gagliano liderou o estuda da UWA, que foi publicado na revista Oecologia.

Ela e sua equipe fizeram com que um vazo de plantas caísse em uma espuma de uma altura que chocasse as plantas, mas que não fosse machucá-las. Eles também queriam ver se as plantas poderiam se lembrar desse fato durante um período de tempo prolongado.

As plantas pararam de reagir após algumas quedas, mostrando que tinham aprendido que a ação não era perigosa. Os pesquisadores faziam os testes tendo a certeza de que as plantas não estavam cansadas e que pudessem reagir, eles aplicavam diferentes estímulos aos quais as plantas reagiam instantaneamente.

Os testes foram realizados em várias plantas durante diversos períodos de tempo.

Algumas plantas foram deixadas em repouso durante 28 dias após o teste das quedas. Mesmo depois desse tempo, as plantas ainda se lembravam da lição que aprenderam e não reagiram a queda, embora tenham reagido a outros estímulos.

Como as plantas podem pensar sem cérebro?

Embora as plantas não tenham cérebros e sistemas neurais que estão presentes em outros seres com faculdades mentais superiores, os pesquisadores estão começando a criar hipóteses de sistemas alternativos. Por exemplo, a revista Economist explica que as plantas possuem percursos bem formados, através dos quais podem transmitir a informação na forma de sinais elétricos.

2. As plantas têm sentimentos

Cleve Backster começou seus experimentos com a planta Draceana (Cortesia de Cleve Backster)
Cleve Backster começou seus experimentos com a planta Draceana (Cortesia de Cleve Backster)

O falecido Cleve Backster fez uma descoberta surpreendente em 1966, que começou com a onda de pessoas falarem com suas plantas em casa.

Backster era um ex especialista de detector de mentiras da CIA. Ele desenvolveu técnicas de polígrafo que são utilizadas até hoje pelas agências do governos e exército dos EUA. Ele realizou um experimento em Plantas do Dragão (Dracena), que é detalhado em seu livro “A vida secreta das plantas”.

Ele pegou duas Dracenas e conectou uma delas a um detector de mentiras. Ele chamou uma pessoa para pisotear a outra planta. Quando isso aconteceu, o polígrafo mostrou que a planta conectada ao detector de mentiras ficou com medo.

Backster foi ainda mais além. A planta que mostrou medo foi testada novamente. Várias pessoas entraram na sala onde a planta estava, incluindo a pessoa que havia pisoteado a planta. O polígrafo não mostrou nenhuma reação para com as outras pessoas, mas quando a pessoa que havia pisoteado a planta entrou na sala, ela mostrou medo novamente. Ela pareceu reconhecer a pessoa.

Backster também descobriu que as plantas ficam felizes quando recebem água, e elas possuem até a habilidade do ler pensamentos.

3. Plantas podem ler mentes

Uma vez, quando Beckster estava pensando em qual experimento iria fazer, ele pensou em queimar as folhas da planta e ver a reação delas. Assim que ele teve esse pensamento, o polígrafo mostrou que a planta estava com medo.

O Epoch Times realizou uma entrevista com Backster antes de sua morte. Leia a série de dois capítulos: [ Percepção Primária: a vida secreta das plantas ].

4. Plantas podem falar

A comunicação entre plantas é um campo crescente de estudos. A Dra. Gagliano conduziu uma pesquisa recente sobre o tema. Em um [ estudo publicado no Jornal de Oxford ] em 2012, Gagliano explicou que há muito tempo já se sabe que as plantas produzem ondas sonoras.

Muitos pensaram que essas ondas sonoras eram subprodutos da reação de desidratação das plantas, ao invés de comunicações intencionais. Mas Gagliano não pensa assim.

Ela olhou para as formas que as plantas se comunicam. O processo amplamente conhecido que cria as ondas sonoras se chama cavitação. Isso acontece quando as plantas são desidratadas e a coluna de água é forçada. Gagliano disse, no entanto, “Os sons que as plantas emitem são tão diversos e numerosos que sempre pareceu muito estranho cada som ser relacionado à cavitação, e na verdade, novas evidências mostram que as plantas geram sons independentemente de desidratação ou cavitação”.

Ela citou uma pesquisa que mostra que algumas sondas sonoras poderiam ser criadas por um sistema de espuma das condutas do xilema.

“Embora os mecanismos utilizados por animais para sentir o ambiente e se comunicar uns com os outros tenham sido objeto de intenso interesse científico, o estudo sobre a comunicação das plantas existe, mas ainda não está avançado e reconhecido”, escreveu Gagliano. “Isto é particularmente o caso de bioacústica das plantas; e é surpreendente, quando nós consideramos que a habilidade de sentir sons e vibrações é uma antiga modalidade sensorial filogenética que existe por trás da organização comportamental de todos os organismos vivos e suas relações com o ambiente”.

Fonte: [ Epoch ]

Biogeografia da Flora e dos Fungos do Brasil

Compreender melhor a distribuição geográfica de espécies é fundamental para promover a conservação da biodiversidade. Visando ampliar o conhecimento sobre a biogeografia de plantas e fungos do Brasil, foi desenvolvido um sistema para modelar a distribuição potencial das espécies, contando com a participação ativa de especialistas.

Projeção de consenso entre os modelos de nicho ecológico para Passiflora mucronata (Bernacci & Giovanni 2013), indicando a área potencial de distribuição da espécie no Brasil. Prancha disponível no Herbario Virtual Flora Brasiliensis.
Projeção de consenso entre os modelos de nicho ecológico para Passiflora mucronata (Bernacci & Giovanni 2013), indicando a área potencial de distribuição da espécie no Brasil. Prancha disponível no Herbario Virtual Flora Brasiliensis.

Visando expandir o conhecimento sobre a biogeografia das espécies de plantas e fungos do Brasil, o INCT-Herbário Virtual da Flora e dos Fungos (INCT-HVFF) desenvolveu em parceria com o Centro de Referência em Informação Ambiental (CRIA) um sistema para modelar a distribuição potencial de espécies, contando com a participação ativa de especialistas. O sistema, [ Biogeografia da Flora e dos Fungos do Brasil ] (Biogeo), foi desenvolvido no âmbito do Sistema Nacional de Pesquisa em Biodiversidade (SISBIOTA Brasil), utilizando a rede speciesLink como base de dados da ocorrência das espécies.

O sistema visa contribuir para ampliar a compreensão das necessidades ambientais das espécies, investigar diversas questões envolvendo pesquisa e conservação, indicar espécies com maior carência de dados e orientar novas coletas. O sistema abre a perspectiva para as comunidades botânica e micológica construírem um banco de dados sobre plantas e fungos que no futuro poderá conter pelo menos um modelo de distribuição potencial para cada espécie.

Parkia pendula registrada no sul da Bahia por Fábio Coppola (Flickr). Conhecida na região como Juerana, é uma árvore emergente que possui uma distribuição composta de áreas na costa do Nordeste e áreas na Amazônia.
Parkia pendula registrada no sul da Bahia por Fábio Coppola (Flickr). Conhecida na região como Juerana, é uma árvore emergente que possui uma distribuição composta de áreas na costa do Nordeste e áreas na Amazônia.

Como funciona

A interface do sistema possui uma seção aberta, onde todos os modelos publicados podem ser visualizados, e uma seção reservada aos supervisores cadastrados, os quais são responsáveis pelo processo de modelagem das espécies. Atualmente o sistema tem 55 supervisores cadastrados e cerca de 700 espécies com modelos gerados, incluindo angiospermas, samambaias e fungos macroscópicos. Todos esses modelos podem ser vistos a partir do menu de navegação na barra superior (clicando em Taxonomia pode-se visualizar as opções disponíveis, realçadas com fundo branco) ou buscados pelo nome científico no canto superior direito.

Modelos gerados para Pycnoporus sanguineus, um fungo amplamente distribuído em regiões tropicais e subtropicais do mundo (Braga-Neto 2013). A) Corpo de frutificação: produz os esporos que são dispersos pelo vento. B) Pontos de ocorrência: Dos 594 registros disponíveis na rede speciesLink, apenas 7,9% foram incluídos na modelagem. C) Modelo de consenso: Ainda que o número de pontos seja suficiente para incluir todos os algoritmos, o modelo pode ser considerado preliminar porque existem grandes lacunas de registros com coordenadas geográficas, influenciando a qualidade final do modelo. Crédito da foto: Damon Tighe (Flickriver).
Modelos gerados para Pycnoporus sanguineus, um fungo amplamente distribuído em regiões tropicais e subtropicais do mundo (Braga-Neto 2013). A) Corpo de frutificação: produz os esporos que são dispersos pelo vento. B) Pontos de ocorrência: Dos 594 registros disponíveis na rede speciesLink, apenas 7,9% foram incluídos na modelagem. C) Modelo de consenso: Ainda que o número de pontos seja suficiente para incluir todos os algoritmos, o modelo pode ser considerado preliminar porque existem grandes lacunas de registros com coordenadas geográficas, influenciando a qualidade final do modelo. Crédito da foto: Damon Tighe (Flickriver).

O Biogeo busca padronizar a geração de modelos e compartilhar os resultados de forma livre e aberta, permitindo que os experimentos possam ser facilmente reproduzidos e verificados pelos usuários. O sistema permite que vários modelos sejam gerados ao longo do tempo para a mesma espécie, porém somente um deles é exibido como referência. O modelo de referência é sempre o último modelo aprovado para a espécie, pois se espera que cada novo modelo seja melhor que os anteriores. Os modelos gerados ficam disponíveis para serem avaliados pelos especialistas, que podem aprovar ou descartar o resultado.

O sistema utiliza dados de ocorrência de espécies disponíveis na rede speciesLink, a Lista de Espécies da Flora do Brasil 2012 como base taxonômica e variáveis ambientais bioclimáticas do WorldClim que afetam a distribuição de grande parte das espécies vegetais:

  • Altitude (modelo digital de elevação)
  • Variação média de temperatura no dia
  • Temperatura máxima no mês mais quente
  • Temperatura mínima no mês mais frio
  • Precipitação no trimestre mais úmido
  • Precipitação no trimestre mais seco
  • Precipitação no trimestre mais quente
  • Precipitação no trimestre mais frio

O funcionamento do Biogeo é baseado na ferramenta openModeller, podendo utilizar até 5 algoritmos de modelagem, dependendo do número de pontos de ocorrência. Para espécies com menos de 5 pontos gera-se apenas um modelo de dissimilaridade ambiental através do cálculo da distância euclideana ao ponto de ocorrência mais próximo. De 5 a 9 pontos gera-se um modelo com o algoritmo Maxent; de 10 a 19 pontos são gerados dois modelos, um com o Maxent e outro com o GARP Best Subsets (GARP BS). A partir de 20 pontos são utilizados 5 algoritmos: Maxent, GARP BS, Distância Mahalanobis, ENFA e Máquina Vetores de Suporte de classe única (SVM).

A estratégia de modelagem de nicho ecológico depende do número de pontos de ocorrência disponíveis para cada espécie. Com menos de 5 pontos gera-se um modelo inicial com o objetivo de guiar novas coletas. Entre 5 e 19 pontos os modelos ainda são considerados exploratórios, mas servem como uma estimativa preliminar do nicho da espécie, sendo gerados com um ou dois algoritmos. Modelos gerados a partir de 20 pontos permitem a inclusão de todos os algoritmos, tendendo a ser mais robustos.
A estratégia de modelagem de nicho ecológico depende do número de pontos de ocorrência disponíveis para cada espécie. Com menos de 5 pontos gera-se um modelo inicial com o objetivo de guiar novas coletas. Entre 5 e 19 pontos os modelos ainda são considerados exploratórios, mas servem como uma estimativa preliminar do nicho da espécie, sendo gerados com um ou dois algoritmos. Modelos gerados a partir de 20 pontos permitem a inclusão de todos os algoritmos, tendendo a ser mais robustos.

Mais infos: [ Blog do Cria ]

Biotecnologia pode por fim aos fertilizantes na agricultura

A técnica batizada de N-Fix utiliza bactérias fixadoras de nitrogênio nas células das raízes das plantas. Esses micro-organismos são naturais e já estão presentes na maioria das leguminosas, como ervilha, feijão e lentilha.

Os fertilizantes são considerados poluidores do meio ambiente pelos ambientalistas Foto:  Archivo de Proyectos
Os fertilizantes são considerados poluidores do meio ambiente pelos ambientalistas
Foto: Archivo de Proyectos

Os fertilizantes são considerados bons para as culturas humanas, uma vez que fornecem condições para o crescimento das plantas. No entanto, estão longe de serem benignos para o meio ambiente, devido à poluição causada pelo nitrogênio, como também por nitratos, óxidos de nitrogênio e pela amônia.

Ao pensar em acabar com esse problema, o pesquisador Edward Cocking, da Universidade de Nottingham, no Reino Unido, desenvolveu plantas que sintetizam o nitrogênio diretamente do ar atmosférico, dispensando o uso de fertilizantes na agricultura.

Continue Lendo “Biotecnologia pode por fim aos fertilizantes na agricultura”