Experiência de estudantes descobre que plantas não crescem perto de roteadores Wi-Fi

Estudantes do nono ano escolar criam uma experiência científica para testar o efeito da radiação de celulares em plantas. Os resultados podem surpreendê-lo.

Cress Collage

Foto cedida por Kim Horsevad, professor da Hjallerup Skole, na Dinamarca.

Cinco jovens da nona série de uma escola na Dinamarca criaram recentemente um experimento científico que está causando um rebuliço na comunidade científica.

Tudo começou com uma observação e uma pergunta. As meninas perceberam que se dormissem com seus celulares perto de suas cabeças durante a noite, elas muitas vezes tinham dificuldade de concentração na escola, no dia seguinte. Eles queriam testar o efeito da radiação do celular em seres humanos mas a sua escola, Hjallerup Skole, na Dinamarca, não tinha o equipamento para lidar com esse tipo de experimento. Assim, as garotas planejaram um experimento que iria testar o efeito da radiação de celulares em plantas, no lugar delas.

As alunas colocaram seis bandejas cheias de Lepidium sativum, um tipo de agrião, em uma sala sem radiação, e seis bandejas de sementes em outra sala, ao lado de dois roteadores que, de acordo com os cálculos das meninas, emitiam sobre as plantas o mesmo tipo de radiação de um celular comum.

Durante 12 dias, as meninas observaram, mediram, pesaram ​​e fotografaram seus resultados. Entretanto, ao final do experimento os resultados foram por demais evidentes – as sementes de agrião colocados perto dos roteadores não tinham crescido. Muitos delas eram completamente mortas. Enquanto as sementes de agrião plantadas na outra sala, longe dos roteadores, germinaram.

O experimento obteve as meninas (foto abaixo) honras em uma competição regional de ciência e interesse de cientistas de todo o mundo.

Team_Karse_til_dr-dk

De acordo com Kim Horsevad, o professor da Hjallerup Skole na Dinamarca, onde o experimento com os agriões ocorreu, um professor da neurociência no Instituto Karolinska, na Suécia, está interessado em repetir a experiência, em ambientes profissionais científicos controlados.

Tenho certeza de que o mundo vai continuar a ver estas mulheres jovens, e esta experiência, por muitos anos para vir. FONTE

Fonte: [ Before Its News ]


[edit:] Link para a experiência documentada, em Dinamarquês: [ Non-termiske effekter af mobilstråling ]

Anúncios

94 Comentários

Arquivado em Alimentos, Biossegurança, Curiosidades, Notícias

94 Respostas para “Experiência de estudantes descobre que plantas não crescem perto de roteadores Wi-Fi

  1. Stela Maria Miranda Fanfono

    Interessante experimento!

    Curtir

    • Adilson correa da

      Como trabalho com pesquisa, sinto em dizer mas contestaria esta pesquisa, pois somente colocar que isso ou aquilo acontece seria muito fácil por favor me passem a fonte e onde a mesma foi publicada ai sim poderia dizer isso funciona , isso é verdade, do contrario fica uma coisa sem valor cientifico – Adilson Correa da Silva, BIOLOGO, MESTRADO E DOUTORADO EM MICROBIOLOGIA, 28 ANOS TRABALHANDO EM UMA UINVERSIDADE DE RENOME NACIONAL E INTERNACIONAL

      Curtir

      • A fonte está no texto, Adilson!

        Curtir

      • Vou acrescentar lá no texto, ok? Grato Wagner!

        Curtir

      • adriana

        A FONTE está no texto sim, mas lendo a FONTE a gente vê que existem duvidas sobre o experimento. Melhor esperar que o Instituto Karolinska faça os testes “em ambientes profissionais científicos controlados.”

        Curtir

      • Adriana, não é minha função julgar as notícias e sim apresentá-las, deixando a cabo dos leitores a busca por mais informações. De posse dessas informações, julguem por si mesmos a validade, ou não, do que for apresentado.

        Curtir

      • Bruno

        Adilson Correa da Silva, eu também gosto de buscar a fonte. Quando alguém quer intimidar as pessoas com títulos em letra maiúscula, por exemplo, eu gosto de ler o currículo lattes para ver o que a pessoa realmente fez. Não achei o seu.
        Quanto ao experimento, é claro que eu também gostaria de saber mais detalhes sobre os controles. Me parece bastante suspeito. Se o efeito fosse tão grande já teria sido descoberto faz muito tempo.

        Curtir

      • Zen

        São estudantes de 9º ano, ensino fundamental. É uma iniciação científica. O trabalho pode não ter todo o rigor exigido para ser indicado ao Nobel, mas tem evidências que interessam à comunidade científica. Tomara que elas não se sintam desencorajadas a seguir carreira acadêmica se comentários desse tipo chegarem aos seus ouvidos.

        Curtir

      • Fernando

        Melhor ainda o experimento é tão simples que qualquer pessoa poderia repetí-lo e comprovar, faça isso então Adilson, eu agora mesmo farei aqui em casa. O mania de complicar o que é tão fácil de entender!!!
        Abraço

        Curtir

      • googler

        Segue a apresentação feita pelas estudantes: http://prezi.com/eopmv4apz33k/untitled-prezi/

        Entendo que não é exatamente um relatório com valor científico, e nem se espera isso destas meninas, mas certamente o trabalho delas parece ser algo mais útil e interessante do que os trabalhos que nossos cientistas com décadas de experiência andam pesquisando no brasil…

        apenas para constar, elas ganharam um “prêmio de talentos iniciantes”: http://www.formidling.dk/sw44687.asp

        Curtir

      • gilberto

        Seu comentário prova que títulos não querem dizer nada, especialmente quando um mané os coloca em caixa alta. Estou envolvido em pesquisa científica em uma universidade federal renomada de São Paulo e pude notar facilmente que se trata de trabalho escolar, com tema e desenvolvimento muito interessantes para adolescentes que são. Deveríamos incentivar esse tipo de trabalho de pesquisa no Brasil. É fato notório o perigo de radiações eletromagnéticas para seres vivos, só não se chegou ainda a um consenso sobre a potência e seus efeitos, em parte devido a interesses econômicos envolvidos. Qualquer aluno de engenharia sabe disso. Volte para sua universidade e limpe tubos de ensaio para aprender humildade.

        Curtido por 1 pessoa

      • Fábio Freitas

        Precisa ser um “jênio” ou um cientista para entender que foi apenas uma experiencia realizada numa sala de aula? Se você você acha que não tem valor científico, senhor Biologo que trabalha numa Universidade de renome, por que não tenta tal feito?

        Curtir

      • Rodrigo

        Um dia também farei um doutorado para poder coloca-lo em letras maiúsculas logo depois do meu nome.

        Curtir

      • Vyctor Ben-hur Gonçalves

        Então amigo Adilson você como biólogo tem uma bela oportunidade para fazer uma pesquisa com metodologia cientifica. Fica o desafio…ao invés de simplesmente pedir a fonte, que tal se tornara a fonte…Muitas pessoas que possuem a batuta da ciência limitam-se a dizer isso não tem comprovação cientifica, quando o papel de fato da ciência não é dizer isso não existe, mas sim ir para campo e trazer os resultados…quem não é cientista não tem esse obrigação!

        Abraço fraterno,
        Vyctor

        Curtir

      • Do Barsil

        NObre Adilson Correa, você vai em busca de todas teorias que foram defendidas e são afirmadas hoje como verdades? Se afirmar que sim denotarei hipocrisia e falácia. Acredito que não leu com a mente aberta a matéria.

        Curtir

      • Lu Melo

        Isto é um experimento ESCOLAR!!! Do 9o ano, ou seja meninas de 13-14 anos!!! É sensacional!! Se fosse um experimento científico nos muros de centros de pesquisa, ainda estaria em andamento, certamente, e não produziria o que fez, mostrar como escolas são IMPORTANTES centros do fazer pensar! Mostra como das indagações comuns podem surgir como, e o que se testar entre os muros dos centros de pesquisa, ou mesmo, de forma mais simples, mostra o que a ciência PRECISA responder a sociedade! Ôo doutor em Microbiologia, desce da arrogância e enxergue as possibilidades da simplicidade como o faz o pesquisador da Suécia, que interessou-se no assunto e o tratará no âmbito dos muros acadêmicos!! A ciência e pesquisa NÂO está restrita aos mestres e doutores ou Pós doutores, ela é intrínseca à natureza humana: Experimentar!!! E ver jovens de 13-14 anos pensando cientificamente é fantástico!!!!

        Curtir

    • Zen falou tudo ‘-‘

      “São estudantes de 9º ano, ensino fundamental. É uma iniciação científica. O trabalho pode não ter todo o rigor exigido para ser indicado ao Nobel, mas tem evidências que interessam à comunidade científica. Tomara que elas não se sintam desencorajadas a seguir carreira acadêmica se comentários desse tipo chegarem aos seus ouvidos.”

      Curtir

    • Regina

      Ótimo experimento estudantil… E os professores doutores que são do contra, entendam o seguinte… para lê-lo ou ouví-lo é + difícil, o simples tem alcance imediato e rápido… Eu gostei… Muito…

      Curtir

      • Claudia Bocchile

        Gente, pelo amor de Deus!
        NÃO É INTERESSANTE SABER ISSO! As indústrias de telecomunicações NÃO desenvolvem estudos de malefícios à saúde, pq n interessa (ou não divulga, forja por aí).
        Esse tipo de informação não vai passar de mera ‘brincadeira estudantil’… e é assim q deve ser, se alguém quiser continuar vivo por aí!

        Curtir

    • silvia curti

      Caro Adilson Correa, apenas aprecie uma iniciativa bacana e inteligente das alunas da nona serie. Com todos esses titulos que voce exibiu abaixo pega ate mau pra voce fazer tal observaçao. Caso tenha alguma pesquisa, sua sobre o mesmo assunto deveria publicar.Mesmo que nao seja sua tambem seria importante para elucidar pessoas sobre os maleficios da radiaçao eletromagnetica emitida por antenas (estacao base) e aparelhos de celular. Te recomento conhecer algumas publicaçoes do Dr Victor Baranauskas (UNICAMP) Cientista brasileiro respeitado por muitas universidades estrangeiras pelo valor de suas pesquisas nesta area. E tantos outros suissos, finlandeses, italianos, russos, ingleses principalmente.

      Curtir

    • Pela descrição (limitada) da experiência, faltou algo MUITO importante: o teste não foi “duplo-cego”, ou seja, as meninas não poderiam saber qual era a sala com roteadores e qual a sala sem. Por exemplo, colocando roteadores idênticos, mas sem wifi ligado, na sala sem radiação. Sem falar em outras características das salas (temperatura, umidade, qualidade do ar, composição do solo, qualidade das sementes, etc, e etc, e etc…).

      Curtir

  2. André Lapa e Silva Medeiros

    São pequenos detalhes como esse que me dão vontade de viver.

    Curtir

  3. Luana

    Muito interessante! Só dói ler “AONDE o experimento com agriões ocorreu”…

    Curtir

  4. gostei muito da experiência delas parabéns meninas…

    Curtir

  5. regina

    Tenho dois vasos de plantas junto ao roteador e não vi nenhum efeito ruim. ambos estão com flores, folhas bem verdes…

    Curtir

  6. Melaram a idéia de colocar internet livre na Amazônia.

    Curtir

  7. Francisco de Assis Ferrato

    E nenhuma fábrica/empresa/órgão do governo pensou em verificar o malefício destas ondas antes. Q vergonha!

    Curtir

  8. Maria Angela

    imaginem o efeito dessas criaturas que vivem penduradas nesses aparelhinhos 24 hs por dia…vão espe
    rar o que qdo ficarm mais velhas….

    Curtir

    • Somos bombardeados por milhares de sinais sem fio a todo momento, sinal de tv, wifi, radio, bluetooth, celular, etc. Mesmo que você não use nada disso, vai receber essas ondas da mesma forma.

      Curtir

      • Andre Malheiros

        Falou tudo!…
        Trabalho no ramo de telecomunicações a 20 anos, achei interessante a matéria… Mas de qualquer forma, deixo aqui meu recado, a radiação e´ofensiva, dependendo o grau de emissão do sinal… abraços a todos.

        Curtir

  9. mas perto e longe quanto estas sementes estavam do roteador????

    Curtir

  10. Falcone

    Interessante, mas gostaria de repetir o mesmo experimento, agora colocando o roteador na outra sala.

    Curtir

  11. Pingback: Experiência de estudantes descobre que plantas não crescem perto de roteadores Wi-Fi « Piramidal

  12. Leu

    nice google translate

    Curtir

  13. Dr Anni Watkins

    I’m sorry, this may have been a nice school project but it is *appalling* science. All the plants of one treatment were in one room and all the plants of the other treatment were in another room…… There may be all sorts of differences other than cell phone radiation. This is *not* a ‘fair test’.

    Curtir

  14. José Oswaldo de Brito

    Será mesmo verdade? Se for! A coisa é séria. Se acontece isso com as plantas… Imagine o que não acontecerá conosco…

    Curtir

  15. Alejandra

    Já vi muitos boatos desse tipo, pesquizinhas pequenas, mas tudo acaba sendo abafado. Já se sabe de muito que algum mal faz, mas por razões *misteriosas* nunca se levam adiante as pesquisas. Bom, é só imaginar quanto perderiam as empresas desses serviços se esses achados fossem confirmados em ambientes controlados! Acho que é dever de cada um de nós repetir isso em casa e ver por nossos próprios olhos.

    Curtir

  16. É interessante. Mas é preciso ver a metodologia com mais detalhes. As sementes de Lepidium sativum L. têm germinação inibida em temperaturas maiores do que 30oC – qual o efeito de haver dois roteadores ligados por perto?
    http://www.sciencepub.net/newyork/ny0305/06_2359_sativum_ny0305_34_36.pdf
    ————–

    É preciso também avaliar o efeito da luz dos LEDs dos roteadores.

    []s,

    Roberto Takata

    Curtir

    • Roberto, o que estou achando esquisito é que tenho absoluta certeza que já vi essas meninas antes… Em algum documentário sobre educação na Finlândia, se não me falha a memória.

      Acredito que seja interessante que pesquisadores do mundo inteiro possam refazer a experiência, agora em ambiente controlado, para validar ou refutar o que as meninas descobriram.

      Posso dizer que fiquei curioso…

      Abraço!

      Anderson Porto

      Curtir

  17. Enquanto isso no Brasil, meninas com a mesma idade fazem o quadradinho de oito!

    Curtir

    • Camila

      Cada país merece o governo que têm (digo em investir em educação), ou a mídia que têm (programas culturais passados em horários que dificilmente as pessoas assintam), pois para assistir algo de útil precisa ter tv por assinatura.

      Curtir

  18. rogerio

    então não estou errado em deixar meu wi-fi desligado e só usar via cabo…quando ligo dói meu ouvido, acreditem se quiserem.

    Curtir

  19. oliversa2000

    Muito interessante a matéria. Parabéns!

    Curtir

  20. GM

    Estranho que um experimento fácil, rápido e barato como este não tenha sido checado por cientistas profissionais. Se acreditou, tente reproduzir em casa. Tenho certeza que os resultados das alunas, conforme a foto, não se repetirão.

    Curtir

    • Estamos aguardando que nossos cientistas repitam a experiência, agora em ambiente controlado, para confirmar ou não os resultados. Vamos aguardar…

      Curtir

      • dmelo87

        Acho q é importante replicar esse experimento sim. Se os resultados forem confirmados, daí tem q ver qual o efeito em animais, mais precisamente humanos.

        Outras questões: quais as frequências afetam mais? Até que intensidade é seguro?

        Utilizar RF do modo como usamos é bem recente. É de se esperar que os efeitos à longo prazo disso não sejam tão claros.

        Curtir

  21. Faz lembrar o auê, na década de 80, sobre o monitor de vídeo fazer mal, que grávidas não deveriam usar. E recentemente o astronauta brasileiro germinando feijão no espaço! Roteador? Por que não fizeram com o celular mesmo? Experimentai fazer coalhada, cerveja, fermentar pão, e vereis que a cada vez sai duma maneira, conforme temperatura e diversas outras condições ambientais. Não esqueçamos que muitas “notícias” são brincadeiras de verão, época de carência de notícia, uma espécie de temporada deprimeiro-de-abril. Como aqui não tem essa tradição as notícias são levadas a sério. Além do mais sabemos que os alimentos industrializados, os refrigerantes ainda mais, são cancerígenos, que a soja é tóxica, que o microonda é perigoso… A lista é interminável. Mas mesmo assim as pessoas, as mais tolas, é claro, continuarão consumindo tudo isso, morrendo e a indústria lucrando.

    Curtir

    • Camila

      Essa pesquisa que elas fizeram tem bem a cara de trabalho de ciências da escola ou feira de ciências, havendo alguma premiação por melhor trabalho, não necessitando comprovação científica, sendo apenas avaliado o problema de pesquisa ou algo parecido. Elas não são pesquisadoras formadas, estão ainda no ensino fundamental, sendo essa atitude um exemplo para os alunos de todos os países.

      Curtir

  22. Cida Muniz

    Trabalho com revistas do agronegócio e em nossa editora, sucursal SP, temos um jornalista que colocou em um vaso, alguns tipos de cactos e todos eles se desenvolveram muitíssimo bem, ao lado do roteador.

    Curtir

  23. Nayla Roane

    Gente!
    Tem que saber ter filtro.Compreender o que se lê!
    Fico impressionada com as pessoas de não ter discernimento de primeiro entender que é uma NOTÍCIA. Segundo que têm uma péssima leitura, porque a fonte está logo abaixo!
    Parabéns Anderson Porto! Muito bacana a informação!
    Abraços

    Curtir

  24. Xisto Augusto Melo

    A foto está influenciando muito o leitor, quem bater o olho no estudo vê que a diferença foi de poucos cms no tamanho. A foto está mostrando um lado germinado o outro não, ja que as ondas causam retardamento na germinação, há apenas um atraso, a foto e a notícia deixam a entender que as plantas não crescem, o que está errado, e pode ser observado no trabalho
    (http://www.sciencepub.net/newyork/ny0305/06_2359_sativum_ny0305_34_36.pdf), as plantas apenas tem retardo no crescimento.

    Que as ondas influenciam no crescimento de plantas ja está provado, existem até estudos com música.

    Poderia ser um pouco mais parcial e evitar de postar informações manipuladoras, tentando mostrar a verdade, não algo que engrandece a relevância da notícia.

    Curtir

  25. Ione Pinheiro Guimarães

    Parabéns pela notícia mas também acho difícil as empresas deixarem isso passar , e como já foi dito aqui, cada um que se cuide, se ficar esperando que os grandes resultados cheguem para que vocês acreditem,…

    Curtir

  26. Pingback: Plantas não crescem perto de WI-FI - Referências -

  27. Ataques pessoais não são permitidos no espaço de comentários.

    Estamos aqui para debater os assuntos das notícias. O espaço de comentários é para troca de informações e nunca, de forma alguma, para brigas e/ou ofensas pessoais.

    Aqueles que não conhecem o projeto, sugiro que deem uma lida aqui:

    https://tudosobreplantas.wordpress.com/sobre/uso-do-espaco-de-comentarios/

    Curtir

  28. Eduardo Gomes

    Polêmicas à parte, um fato está acima de qualquer suposição ou pesquisa científica bem fundamentada, vindo de um pesquisador titulado ou de uma institutição científica de referência. AÇÃO E REAÇÃO. O que somos e onde vivemos é prova de toda essa dinâmica do planeta, com seus processos naturais ou antrópicos. Ou seja, qualque tipo de radiação vai gerar uma reação, o que dependerá do tempo de exposição e potência. Difícil é mensurar isso, principalmente porque, em muitos casos, a ciência ainda engatinha ou desconhece muitos processos físicos e químicos.

    Curtir

  29. Quem dera as escolas do Brasil estivessem provocando esse tipo de discussão. É apenas um trabalho de uma feira de ciéncias e que no máximo atenta para um fato curioso. Não se compara a uma tese de mestrado/doutorado. Mas o fato levantado e a discussão que ele provoca o torna ainda mais genial.

    Curtir

  30. As meninas tiveram uma grande ideia e o que faz um ótimo trabalho de pesquisa é a inovação, o tamanho do impacto no meio científico. É claro que devemos considerar que nem todos os fatores foram levados em consideração. Para se ter certeza da influência apenas dos roteadores deveria ser um ambiente estéril, onde só mesmo a influência deles teria alguma validação. Mas, como alguém aí em cima já disse, se trata de um nono ano e o que faz toda a diferença é a iniciativa dessas meninas que desenvolveram todo o método científico partindo pela observação de um fato. Sou professora de ciências e biologia, pesquisadora como um colega que comentou, mas não tenho títulos (por opção, já que fui aceita na FMUSP e não quis largar todos os meus anos no magistério), sou bióloga especialista em análises clínicas, e quando vejo algo desse tipo acho maravilhoso! Contestar faz parte da ciência, bem como refazer os experimentos e divulgar seus resultados, então mãos à obra, afinal um ótimo pesquisador começa como essas meninas e não com a parede cheia de títulos!!! Sem dúvida vou divulgar esse trabalho em meu colégio para a Feira de Ciências!!!

    Curtir

  31. Liliane Simplicio

    Parabéns, Anderson por divulgar o trabalho dessas ESTUDANTES. Acho muito relevante os indícios do trabalho delas. Tomara que cientistas se interessem em dar prosseguimento para atender àqueles que são que nem São Tomé.

    Quem tem ouvidos para ouvir, que ouçam…

    Abraços

    Curtir

  32. Que maravilha.. ja tinha sentido…

    Curtir

  33. Luiz Arisi

    Sem saber, faço esta experiência aqui em casa há ANOS. Meu roteador fica escondido bem no meio de várias plantas, dentro do apartamento, e todas as plantas estão ótimas e não pára de nascer mais e mais folhas e galhos. O problema deve ser somente com agrião……

    Curtir

  34. Leonardo

    deveríamos dormir em gaiolas de faraday, e em vez de passar filtro solar usar roupas de chumbo, rsrs ótima sacada a das meninas

    Curtir

  35. O melhor foi o fato de que mais de que mais de 90% dos comentários têm muita consistência.
    Valeram alguns comentários bem humorados…
    Para mim, ex-jornalista, a leitura desta notícia e seus comentários foi – até hoje – a melhor Aula de Jornalismo assisti. Maravilhosos Leitores que, em sua maioria, geraram isto.
    Nas análises da Notícia foram analisadas, praticamente, todas as suas peculiaridades.
    Há, nos comentários, detalhamentos que exploram, fundamentando – toda a riqueza de uma Boa Notícia.

    O melhor exemplo são as observações metodológicas do – mtakata – de relembrar que ocorrem vários fenômenos em torno de um roteador que merecem seer acompanhadas.
    Sugerindo que, em um país de clima frio – a simples emissão de temperatura mais alta pode ter sido mais contundente na experiência do que toda a irradiação eletromagnética ou de RF => rádio-Frequênca digital, vulgo Wireless.
    E no correto alertar de que há um conjunto de variáveis complementares a serem analisadas que ficaram fora do experimento, de estudantes, amadoras com boa intenção e algum conhecimento – com um futuro fantástico pela frente – note-se que são todas mulheres.
    O experimento das garotas é excelente pela percepção de que os seres vivos que estão no planeta há MUIIIITO mais tempo do que nós pretensiosos humanos.
    E estes seres vivos – “sabem” dos efeitos de todas as vaiáveis que oscilam neste planeta.

    Parabéns pela Percepção da Leitora (de fato) – Nayla Roane – que alerta quanto à critica sobre a pretensa ausência da Fonte: ela toca no maior calcanhar de Aquiles da atualidade: a perda do hábito da Leitura concomitante ao da competência da Percepção além caracteres.
    EGOS GIGANTES de frases curtas e percepção idem ? Currículos e Pesquisas aos milhares que no Brasil, somadas, não foram suficientes para gerar UM PRÊMIO NOBEL sequer…

    Parabéns ao editor – Anderson Porto – pela escolha da Notícia.

    Curtir

  36. Que beleza!!! Eu ja sabia que isso era sério!!

    Curtir

  37. Thais Cunha

    Sendo verdade ou não, muito interessante o trabalho das meninas pois enquanto isso, aqui no Brasil, muitas meninas da mesma idade estão com vários filhos e dançando quadradinho de oito. Parabéns!

    Curtir

  38. Pampeano

    Interessante a pesquisa e os resultados, mas como não há comprovação científica nenhuma do mesmo, e a fonte é pífia não vale de nada e pode mesmo ser uma montagem.
    Há vários estudos que foram desenvolvidos por anos e não há nenhuma relação da radiação de aparelhos eletrônicos com a saúde humana. Seria bem interessante que a experiência fosse validada em ambienta científico e posteriormente publicado para análise de resultados, até isso acontecer não acredito na fonte, na experiência nem nos resultados.

    Curtir

    • Isso é um trabalho de alunos de 2º grau, cara. Não é de Harvard. Ridícula a pretensão pseudo-científica de tanta gente aqui. São alunos de escola. Todavia precisa ser muito desinformado para afirmar que “não há nenhuma relação” entre radiação eletromagnética de aparelhos e a saúde. Basta uma termografia de uma pessoa falando ao celular para derrubar seu pretensioso “nenhuma”.

      Curtir

  39. caro

    meu que bando de besta comentando aqui, um querendo se achar mais que o outro. nem sei pra que eu li esses comentários, devia ter parado na noticia que pra mim foi interessante, independente de ser formada ou não, de ser a mais ignorante dos assuntos ou a mais entendida em seja la que rebimboca da parafuseta. povo chato sô

    Curtir

  40. Do Barsil

    Acredito que o pessoal não gostava de física, ou não estudam. Gente isso não é nenhuma novidade. Assim como Coca Cola não faz bem, assim como não precisamos de pasta de dentes para mantê-los higienizados, assim como uma infinidades de soluções são nocivas, mas são comercializadas. Para o sistema capitalista o que importa é $$. Cigarro é vendido pessoal, preciso abreviar aqui minhas colocações. O que vejo em parte da nossa comunidade acadêmica científica é muita ingenuidade ou falta mesmo de entendimento do que é o sistema capitalista, não do ponto de vista só histórico, mas filosófico, sociológico, psíquico, e outras linhas. As pessoas assistem o filme MATRIX, mas só prestam atenção nos efeitos especiais, mas as evidências do que é o mundo passam despercebidas. Não enxergam nada além do que os limites dos sentidos oferta.
    Já tive amigos que desenvolveram um projeto de motor movido a bagaço de cana. Com mais autonomia, não é poluente. E desde 1992 após exporem o projeto sumiram. Imaginem para universo combustível fóssil como isso ia cair? Gente é simples CELULAR é mal que é necessário. Muita gente vai ter problemas mas que importa isso para eles? Você já viu algum membro de família de cultivador de morango comer os morangos que vão para os mercados? O que eles comem é completamente distinto do que nos é ofertado. Gente são tantas soluções que geram câncer e estão todas nas gondolas dos mercados e farmácias.

    Curtir

    • carlos

      basicamente, este blog nao se preocupou em pesquisar se essa “pesquisa” feita por crianças tinha alguma pinta de realidade antes de postar a notícia sensacionalista. Parabéns pela péssima qualidade de conteúdo.

      Curtir

      • Gilberto

        Parabéns pelo comentário desnecessário. O blog deixou claro que é uma pesquisa de estudantes escolares. Se tem gente ignorante para acreditar que isso tem validade científica, azar. Se tem gente ignorante para ficar debatendo a validade científica de um trabalho escolar, azar também. Devemos levar isso como um exemplo de incentivo à ciência, é isso o que é. Não adianta querer tirar conclusões maiores. Não adianta postar link em norueguês, porque a bobagem continua a mesma, só que em outra língua. Por isso a ciência não avança no Brasil: não se distingue um trabalho escolar de uma pesquisa científica universitária. Todo exemplo de curiosidade científica na escola é válido.

        Curtir

  41. ROBSON BARNABÉ

    QUALQUER CURIOSIDADE É SIM MUITO BEM VINDA! DEIXE OS MURMURADORES MURMURAREM POIS ELES SÓ SABEM FAZER ISSO!

    Curtir

  42. Pingback: Plantas, wi-fi, projeto de ciência e mau delineamento experimental. | calmaria&tempestade's Blog

  43. Pingback: Experiência de estudantes descobre que plantas não crescem perto de roteadores Wi-Fi | auá guaraní

  44. Roberto chang

    esses experimentos de alelopatia sao complicados…as sementes tem que ser viaveis, tem que ter um branco, tem que ser lavadas para nao ter fungos, tem que ser contadas e aguadas, temperatura controlada, luz, vento, umidade, tem muitos parametros a serem observados….mas vale por ser uma simples IC

    Curtir

  45. cris

    Boa pesquisa !!Temos que divulgar mais sobre a irradiação de celulares e suas antenas( torres de antenas de celular colocadas no topo de edificios residenciais).

    Curtir

  46. Alguns colegas parecem que acham que a ciência é imparcial. Mas, infelizmente ela não é. Por que ela precisa ser financiada. Por esta razão, uma pesquisa como esta acaba dependendo de cientistas que trabalhem por um ideal. Se for comprovado (como já ouvimos diversas vezes) que as radiações destas parnafernálias tecnológicas estão por trás de muitos cânceres que as pessoas vêem desenvolvido, já imaginaram o caos?

    Curtir

  47. Pingback: LINKS INCRÍVEIS DA SEMANA #1 – Gringa

  48. Pingback: Plantas não crescem perto de routers de wireless! Devido ao mal que eles fazem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s